Acad. Mário Ribeiro Martins

Tomou posse em 30.04.1982, consoante DIPLOMA conferido e assinado pelo Presidente da época, Anselmo Figueira Chaves e conforme discurso publicado no jornal FOLHA DE GOIAZ, Goiânia, 04.02.1983. Posteriormente, por força do parágrafo 3º, do Artigo 10, do ESTATUTO, foi feito membro correspondente. Eis sua biografia resumida:

 

MÁRIO RIBEIRO MARTINS, de Ipupiara, Bahia, 07.08.1943, autor de vários livros, entre os quais, "CORRENTES IMIGRATÓRIAS NO BRASIL"(1972), "SUBDESENVOLVIMENTO-UMA CONCEITUAÇÃO ESTÁTICA E DINÂMICA"(1973), "SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE"(1973), "MISCELÂNIA POÉTICA"(1973), "GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE"(1973), "HISTÓRIA DAS IDÉIAS RADICAIS NO BRASIL"(1974), "ESBOÇO DE SOCIOLOGIA"(1974), "BREVE HISTÓRIA DOS BATISTAS EM PERNAMBUCO"(1974)(com Zaqueu Moreira de Oliveira), "FILOSOFIA DA CIÊNCIA"(1979), "SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL"(1980), "PERFIL LITERÁRIO"(1981), "LETRAS ANAPOLINAS"(1984), "JORNALISTAS, POETAS E ESCRITORES DE ANÁPOLIS"(1986), "ENDEREÇÁRIO CULTURAL BRASILEIRO"(1987), "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS"(1995), "ESCRITORES DE GOIÁS"(1996), "DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS"(1999), “DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS”(2001), “DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL”(2002), via INTERNET, no seguinte endereço: www.usinadeletras.com.br ou www.mariomartins.com.br Foi Professor da Faculdade de Direito de Anápolis e da Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão. Aposentou-se como Procurador de Justiça do Estado de Goiás, em 24.04.1998.

Escritor, Jornalista, Poeta. Historiador, Teólogo, Ensaísta. Memorialista, Professor, Sociólogo. Filósofo, Pesquisador, Produtor Cultural. Literato, Cronista, Conferencista. Pensador, Ativista, Contista. Administrador, Educador, Ficcionista. Membro da Academia Goiana de Letras, Cadeira 37, cujo Patrono é o baiano Crispiniano Tavares. Sócio da União Brasileira de Escritores de Goiás, do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, da Associação Goiana de Imprensa, do Conselho Municipal de Cultura de Anápolis.

Presidente da FEDERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES CULTURAIS DE ANÁPOLIS. Encontra-se na ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA, Afrânio Coutinho, Edição do MEC, l990. Noticiado no DICIONÁRIO DE POETAS CONTEMPORÂNEOS, l99l, de Francisco Igreja, no DIRECTORY OF INTERNATIONAL WRITERS AND ARTISTS, de Teresinka Pereira, USA, l994. Promotor de Justiça de Anápolis, na década de 1990.

Citado na "FORTUNA CRÍTICA" da ANTOLOGIA DO CONTO GOIANO I, de Darcy França Denófrio e Vera Maria Tietzmann Silva e na “FORTUNA CRITICA” da ANTOLOGIA DO CONTO GOIANO II, de Vera Tietzmann Silva e Maria Zaira Turchi. Mencionado no livro “SOCIEDADE GOIANA”, de Artur Rezende.

Presente na ESTANTE DO ESCRITOR GOIANO, do Serviço Social do Comércio e em várias antologias de poesia e prosa, entre as quais VENTANIA, de Gabriel Nascente, PLURICANTO, de Joanyr de Oliveira. É bibliografado no DICIONÁRIO ESCRITORES PIAUIENSES DE TODOS OS TEMPOS, de Adrião Neto, no DICIONÁRIO DE ESCRITORES DE BRASÍLIA, de Napoleão Valadares e no livro A POESIA GOIANA NO SÉCULO XX, de Assis Brasil.

No dia 24 de abril de 1998, aposentou-se como Procurador de Justiça do Estado de Goiás. Encontra-se na ESTANTE DO ESCRITOR TOCANTINENSE, da Biblioteca Pública do Espaço Cultural de Palmas.

Nasceu em Ipupiara, Bahia, a 07 de agosto de 1943. Na cidade natal(antigo Jordão ou Fundão de Brotas), aprendeu a ler com a professora Miriam Barreto, na Escola Arthur Ribeiro e com sua tia Almerinda Ribeiro Santos. Filho de Adão Francisco Martins e Francolina Ribeiro Martins, foi criado com a avó Maria Ribeiro dos Santos até os doze anos.

São seus irmãos, Adão Martins Filho, Eunice Ribeiro Martins, Filemon Francisco Martins, Marli Ribeiro Martins, Nina Ribeiro Martins, Gutemberg Ribeiro Martins e Manoel Ribeiro Neto.

Em Morpará, para onde seu pai se mudou, como comerciante e político, concluiu o primário com a “professora Zélia” e a “professora Dona”(Maria Jerônima Magalhães Mariani). Ajudando na Loja de tecidos “A Primavera”, só se preocupava com os livros e a pescaria do Rio São Francisco.

Através da instrumentalidade da missionária batista Zênia Birzniek, sua mãe de criação, passou a estudar em lugares diferentes.

Em 1958, residiu em Xique-Xique, onde estudou por algum tempo, residindo com o Pastor Jonas Borges da Luz.

Foi para Bom Jesus da Lapa, em 1959, tornando-se aluno do Ginásio “Bom Jesus”, dirigido pelo Dr. Antonio Barbosa.

Concluiu, no entanto, o ginásio, no Colégio São Vicente de Paulo, em 1962. Foi orador da turma e pelo primeiro lugar, recebeu “Medalha de Honra” e uma viagem à Salvador acompanhado pelas Freiras Diretoras do Colégio.

Em Bom Jesus da Lapa, viveu com o Pastor Pedro Pereira do Nascimento e sua esposa Esther Ribeiro Nascimento, com o então Coletor Estadual Eliel Barreto e também com Bevenuto Ribeiro, político local, de quem recebeu forte influência, especialmente evangélica, tornando-se ali pregador.

Foi para o Recife, em 1963, matriculando-se no mesmo Colégio em que estudara Gilberto Freyre, o Colégio Americano Batista Gilreath. Trabalhando para se manter no Centro Batista, sob a direção de Mattie Lou Bible, ganhou seu primeiro prêmio literário, o “Prêmio Machado de Assis”, de cuja comissão fazia parte o poeta Marcus Accioly.

Em 1965, terminou o curso Clássico. Como “Carteiro do Colégio”, foi detido por algumas horas, nos Correios e Telégrafos, do centro do Recife, quando da Revolução de Março de 1964, para verificação da pasta onde se encontravam correspondências retiradas da Caixa Postal.

Em 1966, após Exame Psicotécnico com o Dr. J. N. Paternostro, de São Paulo, matriculou-se no Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, também no Recife.

Dois anos depois, foi consagrado ao Ministério Batista, tornando-se Pastor da Igreja Batista de Tegipió, onde permaneceu até 1974.

Bacharelou-se em Teologia, em 1970, passando a professor de Teologia Bíblica, Cristianismo Ante-Niceno, Teoria do Conhecimento, Filosofia, Sociologia e História do Cristianismo, entre outras, na mesma instituição.

Ainda em 1970, licenciou-se em Filosofia Pura, na Universidade Católica de Pernambuco, onde também fez Licenciatura em Sociologia, tornando-se professor de Pesquisa Social, no Departamento de Ciências Sociais e do qual se afastou no fim de 1974. No mesmo ano, foi professor do Ginásio “Manoel Arão” e do Ginásio e Escola Técnica de Comércio do Moreno.

Casou-se a 17 de janeiro de 1970, em Salvador, com Elenaide dos Santos Martins, com quem tem duas filhas, Nívea Zênia dos Santos Martins(04.10.1971) e Nívea Keila dos Santos Martins(13.03.1977).

Em 1972, Bacharelou-se em Ciências Sociais, na Universidade Federal de Pernambuco, passando a professor de Estudo de Problemas Brasileiros, na Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Na mesma época, foi professor da Faculdade de Turismo e Comunicação, como também da Escola Superior de Relações Públicas, da qual se desligou, em 1974.

Ainda em 1972, terminou o Mestrado em Teologia, com especialização em História do Cristianismo, defendendo a tese “ O Radicalismo Batista Brasileiro”, sob a orientação do Doutor Zaqueu Moreira de Oliveira, hoje(1998), Reitor do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, no Recife.

Nesse mesmo ano, passou a escrever para “O JORNAL DO COMMERCIO”, sob a orientação de Alberto Cunha Melo. Publicou, no referido ano, seu primeiro livro, “Correntes Imigratórias no Brasil”, através da Acácia Publicações. Iniciou, no “Jornal Batista”, do Rio, uma série de artigos sobre Gilberto Freyre.

Na Espanha, em 1973, especializou-se em Educação Moderna, Sociologia e Administração, em Madrid e Alcalá de Henares. Participou da Conferência Nacional sobre Integración del Minusvalido en la Sociedad e do V Congresso Internacional de Sociologia, em Barcelona. Proferiu palestra no Instituto de Cultura Hispânica, de Madrid.

Seu diploma, assinado por Alfonso de Borbon, lhe foi entregue por Juan Carlos de Borbon, hoje Rei da Espanha. Fez viagens culturais a Portugal, França e Inglaterra. Retornando ao Recife, em 1974, foi eleito Presidente da Ordem dos Ministros Batistas de Pernambuco.

Tornou-se Diretor do Centro de Educação Teológica por Extensão.

Sob o patrocínio do Grande Oriente de Pernambuco e como membro da Loja Cavaleiros da Cruz, fez o curso de “Formação de Veneráveis de Lojas”.

No mesmo ano(1974), passou a escrever para o “DIÁRIO DE PERNAMBUCO”, ao lado de Mauro Mota, Orlando Parahym e outros.

Lançou em São Paulo, em 1973, pela Editora Metodista, seu livro “Gilberto Freyre, o Ex-Protestante”, posteriormente traduzido para o espanhol por Jorge Piñero Marques. Pela Acácia Publicações do Recife, publicou, em 1973, o livro “Miscelânia Poética”.

No mesmo ano, foi também lançado “Sociologia da Comunidade”, o mesmo acontecendo com o livro “Subdesenvolvimento: Uma Conceituação Estática e Dinâmica”.

Ainda em 1973, representou o Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, na II Conferência Nacional Teológica, em Brasília. Fez o curso da Fraternidade Teológica Latino-Americana. Foi componente da Banca Examinadora dos Exames Vestibulares da Escola Superior de Relações Públicas.

Realizou conferências e exposições, em diferentes oportunidades e lugares, entre os quais, no Colégio “Esuda”, onde também foi professor. Em 1974, foi Conferencista no Colégio Americano Batista, quando das homenagens prestadas a Gilberto Freyre. Funcionou como Expositor da II Semana de Sociologia, na Universidade Católica de Pernambuco, o mesmo ocorrendo no II Seminário de Relações Públicas.

Através da Editora Acácia Publicações, do Recife, publicou o livro “ESBOÇO DE SOCIOLOGIA”. No mesmo ano foi lançado também a “HISTÓRIA DAS IDÉIAS RADICAIS NO BRASIL”, sua tese de mestrado transformada em livro. Em colaboração com Zaqueu Moreira de Oliveira, editou ainda em 1974, o livro “BREVE HISTÓRIA DOS BATISTAS EM PERNAMBUCO”, pela Acácia Publicações.

Numa promoção da Universidade Católica de Pernambuco, foi Expositor do II Simposium de Direitos Humanos. Participou do III Encontro Nacional para Professores e Orientadores de Moral e Civismo, numa promoção da Secretaria de Educação e Cultura do Governo de Pernambuco.

Em Campinas, São Paulo, e sob o patrocínio da JURATEL, realizou o curso de Comunicação Social.

Foi Relator da Comissão de Reestruturação do Trabalho Cristão entre Universitários, como também fez parte do Grupo de Trabalho da Junta Executiva da Convenção Batista de Pernambuco.

Ainda em 1974, elaborou o Projeto de Pesquisa, “Estudo Sociológico sobre a Problemática dos Menosválidos Físicos e Psíquicos no Recife”.

Foi também autor do “Ante-Projeto da Criação do Departamento de Educação Teológica por Extensão do Seminário Teológico do Norte”.

APÓS 11 ANOS DE ESTUDOS E TRABALHOS NO RECIFE, deixou o Estado de Pernambuco, no fim de 1974, onde manteve contato com os mais importantes nomes do mundo literário, jornalístico, teológico e universitário.

Em 1975, estabeleceu-se em Anápolis, Goiás, como Professor da Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão e da Faculdade de Direito, lecionando, entre outras, “ESTUDOS DE PROBLEMAS BRASILEIROS, INTRODUÇÃO À FILOSOFIA, ORIENTAÇÃO VOCACIONAL, SOCIOLOGIA I, II, III, IV, V e VI, ÉTICA PROFISSIONAL, TEOLOGIA I, II, III e VI, FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO, SOCIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO, CULTURA RELIGIOSA, etc. Para todas as disciplinas foi autorizado pelo Conselho Federal de Educação, do MEC, através dos pareceres 1875/75; 606/77; 735/78 e ainda para ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO 1º E 2º GRAUS, PRÁTICA DE ENSINO DAS DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS.

Bacharelou-se em Direito, em 1976, na Faculdade de Direito de Anápolis. Durante muito tempo foi Coordenador do Departamento de Filosofia e Teologia, da Faculdade de Filosofia Bernardo Sayão e posteriormente do Departamento de Cultura Geral e Básica e ultimamente do Departamento de Direito Público da Faculdade de Direito.

Ainda em 76, foi Conferencista no III Encontro Nacional de Universitários, no Rio de Janeiro. Participou do VIII Encontro Regional do Ensino Superior Isolado, em Brasília, promoção do MEC.

No mesmo ano, começou a escrever para os jornais MANCHESTER e O POPULAR, sobre assuntos literários.

Em 1977, ao lado do Pastor Isaias Batista dos Santos, foi Co-Pastor da Primeira Igreja Batista de Anápolis, proferindo palestras e conferências em vários lugares, atividade acumulada com o magistério superior nas Faculdades locais.

Escreveu também para a Revista Educação e Realidade, do Rio Grande do Sul, Revista Campus, do Rio de Janeiro, Jornal Hoje, de São Paulo e iniciou uma série de artigos no CORREIO DO PLANALTO, sob o título “Literatura e Direito”, focalizando Direitos Autorais, Opção Profissional, Autores Goianos e a vida de Gilberto Freyre.

Em 1978, fez concurso para Promotor de Justiça, tendo sido nomeado para a Comarca de Abadiânia. Quando da posse no Centro Administrativo de Goiânia, foi orador da turma, sendo o discurso publicado em vários jornais.

Fez curso de especialização em Direito Penal e Processual Penal, com os Drs. Licínio Leal Barbosa e Romeu Pires de Campos Barros, respectivamente.

Fundou, junto com outros, a Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras, de que é Presidente. Participou do “Anuário de Poetas do Brasil”, e de “Escritores do Brasil” publicados no Rio de Janeiro, por Aparício Fernandes.

Publicou, em 1979, o livro “FILOSOFIA DA CIÊNCIA”. Recebeu o Diplome D’Honneur du Cannet (France). Pelo Clube de Imprensa de Anápolis, foi eleito o “Escritor do Ano”. Recebeu o “Mérito Bibliográfico”, da Associação Uruguaiense de Escritores e Editores. Foi eleito pelo jornal TOP NEWS, como “Destaque do Ano”, em literatura.

Em 1980, recebeu o “Mérito Filosófico”, da Academia Internacional de Ciências Humanísticas. Foi eleito para a Academia de Letras do Estado do Rio de Janeiro, na Cadeira 3, o mesmo ocorrendo para O Ateneu Angrense de Letras e Artes, além de outras.

Em 1981, foi eleito “Intelectual do Ano em Goiás”, pela Revista BRASÍLIA. Tornou-se membro da Academia Maçônica de Letras do Brasil, no Rio, como também da Academia de Letras José de Alencar, em Curitiba. Foi empossado na Academia Anapolina de Letras e Artes, na Cadeira 37.

Em 1982, tomou posse na Academia Evangélica de Letras do Brasil, na Cadeira 31, tendo como Patrono o teólogo Almir dos Santos Gonçalves, antigo Diretor do JORNAL BATISTA, no Rio de Janeiro.

Lançou o livro “SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL”. Foi eleito Titular do Centro Literário de Felgueiras, Portugal. Publicou também “PERFIL LITERÁRIO”.

Em 1983, tomou posse na Cadeira 37, da Academia Goiana de Letras, presidida por Ursulino Tavares Leão, tendo como Patrono Crispiniano Tavares e sendo recebido pelo jornalista Jaime Câmara, no dia 19 de março, no Auditório da FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE GOIÁS(FIEG).

Recebeu o diploma de “Membre D’Honneur”, do Club Des Intellectuels Français, de Paris. Tem sido Diretor da Revista “Perfil”, da Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras. Ainda em 1983, no dia 26 de outubro, tornou-se Membro Titular Fundador da Academia de Letras Municipais do Brasil, com sede em São Paulo, sob a presidência do Prof. Antenor Santos de Oliveira.

Tem participado de diversas comissões de concurso, destacando-se, “Prêmio Cultural Folha de Goiaz”, focalizando a Vida e a Obra de James Fanstone. Foi examinador do III Concurso de Poesia Moderna do SESC, de Anápolis.

Em 1983, figurou no livro de José Mendonça Teles, “Gente & Literatura”, como um dos 32 ligados à literatura goiana. É também verbete do “Dicionário Literário Brasileiro”, de Raimundo Menezes, da Academia Paulista de Letras.

Seu Livro “Filosofia da Ciência”(Goiânia, Oriente, 1979) recebeu referências elogiosas, no Boletim Informativo da Fundação Getúlio Vargas, do Rio de Janeiro.

Está também vinculado a diferentes entidades culturais, como membro titular e correspondente, destacando-se, além das já mencionadas, Academia Conquistense de Letras, Academia Internacional de Ciências Humanísticas, Academia Poços-Caldense de Letras, Academia Eldoradense de Letras, Instituto Histórico e Geográfico de Uruguaiana, Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão, Academia de Letras de Uruguaiana, Instituto Cultural do Vale Caririense, Academia de Letras e Artes de Pernambuco.

Seus trabalhos literários estão publicados em vários outros jornais, tais como, “Revista Nacional”, do Rio de Janeiro; “Correio do Ceará”, de Fortaleza; “Diário da Manhã” de Goiânia; “Jornal da Paraíba”, de Campina Grande; Jornal “Fortaleza”, do Ceará; Boletim AGMP, de Goiânia; Jornal “Liberdade e União”, de Goiânia; “O Progresso”, de Dourados, MS; “Tribuna Piracicabana”, de Piracicaba, SP, além de revistas, como “Revista da Academia Feminina de Letras do Paraná”, “Revista do Ateneu Angrense de Letras e Artes”, “Revista Brasília”, etc.

Foi também membro do Conselho Municipal de Cultura de Anápolis, nomeado pelo Prefeito Municipal Olimpio Ferreira Sobrinho, no ano de 1982, pelo Decreto 2682/82, ao lado de nomes como, Hélio Lopes de Oliveira, Dom Manoel Pestana Filho, Paulo Nunes Batista, Rev. Nicomedes Augusto da Silva, Célia Siqueira e Helena Melazo.

Em 1984, foi eleito Orador Oficial da Loja Maçônica “Lealdade e Justiça II”, de Anápolis, sob a presidência do Venerável Mestre, Dr. Pedro Muniz Coelho. No mesmo ano, como membro do Conselho Filosófico de Kadosch nº 09, de Goiânia, presidido pelo Grão Mestre, Dr. Absaí Gomes de Brito, alcançou o grau 30.

Ainda em 1984, foi eleito membro correspondente da Academia de Letras de Brasília. Está também vinculado, como membro correspondente, à Academia de Letras do Planalto, em Luziânia, sob a presidência do Dr. José Júlio Guimarães Lima.

Publicou artigos de crítica literária, em diferentes jornais, sobre os seguintes autores: José Mendonça Teles (“O ANÁPOLIS”, 6.9.82 e 30.8.82); Modesto Gomes da Silva (“O ANÁPOLIS”, 13.9.82 e 20.9.82); Primo Neves da Mota Vieira (“O ANÁPOLIS”, 11.10.82 e 18.10.82. Gilberto Mendonça Teles (“CORREIO DO PLANALTO”,31.11.81 e 7.11.81); Regina Lacerda (“O ANÁPOLIS”, 4.10.82 e 27.9.82); Altamiro de Moura Pacheco(“CORREIO DO PLANALTO”, 4.11.81). Benedito Silva (“O ANÁPOLIS”, 15.11.82; Carmo Bernardes da Costa (“CORREIO DO PLANALTO”, 11.7.81 e 26.6.81); Francisco de Brito (“O ANÁPOLIS”, 25.10.82 e 1.11.82); Bernardo Élis (CORREIO DO PLANALTO, 12.12.81).

E ainda: José Lopes Rodrigues (“CORREIO DO PLANALTO”, 10.10.81 e 3.10.81); Eliezer José Penna (“CORREIO DO PLANALTO”, 19.9.81 e 26.9.81); Rosarita Fleury (“CORREIO DO PLANALTO”, 12.9.81e 5.9.81); Jerônimo Geraldo de Queiroz (“O ANÁPOLIS”, 31.7.82).

Bem como: Nelly Alves de Almeida (“CORREIO DO PLANALTO”, 22.8.81 e 29.8.81); Waldomiro Bariani Ortêncio (“CORREIO DO PLANALTO”, 17.10.81 e 24.10.81); Eli Brasiliense Ribeiro (“CORREIO DO PLANALTO”, 7.8.81 e 14.8.81); Colemar Natal e Silva (“CORREIO DO PLANALTO”, 18.7.81 e 25.7.81); Basileu Toledo França (“O ANÁPOLIS”, 9.8.82 e 16.8.82); Jaime Câmara (“CORREIO DO PLANALTO”, 28.11.81 e “O ANÁPOLIS”, 23.8.82).

Escreveu também artigos de crítica literária, focalizando dados biográficos e análise de obras, de outros autores, tais como: Adolfo Graciano da Silva Neto (“DIÁRIO DA MANHÔ, 10.4.83, “REVISTA NACIONAL”, 9.1.83); Almir Gonçalves (“FOLHA DE GOIAZ”, 4.2.83); Paulo Nunes Batista (“CORREIO DO PLANALTO”, 23.5.81 e 29.5.81).

No mesmo sentido, publicou artigos sobre escritores, como: Crispiniano Tavares (“REVISTA NACIONAL”, 11.9.83), “TRIBUNA PIRACICABANA”, 8.10.83, “O POPULAR”, 22.3.83); Sidiney Pimentel (“REVISTA NACIONAL”, 4.11.82, “O POPULAR”, 23.4.78); Miguel Jorge (“O POPULAR”, 28.5.78 e 18.3.79); Marieta Telles Machado (“O POPULAR”, 4.6.78); Martiniano J. Silva (“O POPULAR”, 16.7.78).

Igualmente escreveu sobre: Luiz Palacin (“O POPULAR”, 1.4.79); Oliveira Leite Gonçalves (“O POPULAR”, 10.12.78); Antônio Geraldo Ramos Jubé (“O POPULAR”, 17.9.78); Alaor Barbosa (“O POPULAR”, 20.5.79); Iron Junqueira (“CORREIO DO PLANALTO”, 13.9.80 e 20.9.80 e 11.10.80); Humberto Crispim Borges (“CORREIO DO PLANALTO”, 29.7.80); Adovaldo Fernandes Sampaio (“O POPULAR”, 25.7.79).

Em seus artigos literários, focalizou também: Gabriel Nascente (“CORREIO DO PLANALTO”, 28.3.81 e 4.4.81); Brasigóis Felício (“CORREIO DO PLANALTO”, 11.4.81 e 17.4.81); Aidenor Aires Pereira (“CORREIO DO PLANALTO”, 25.4.81); Carlos Ribeiro Rocha (“O POPULAR”, 10.7.77); Ursulino Leão (“O POPULAR”, 13.11.77); Érico Veríssimo (“O POPULAR”, 1.10.78); Joaquim Nabuco (“O POPULAR”, 2.7.78)

Também sobre: Gilberto Freyre (“O POPULAR”, 30.7.78, “CORREIO DO PLANALTO”, série de 18 artigos, 5.7.80 a 13.9.80, “JORNAL DO COMMERCIO”, Recife, 4.10.72, “JORNAL BATISTA”, Rio, 16.7.72, “DIÁRIO DE PERNAMBUCO”, 9.1.75).

Fez parte da Comissão Julgadora do Concurso Literário “Hugo de Carvalho Ramos”(79). Foi expositor no Congresso Maçônico Internacional do Rio de Janeiro, com o tema “O Materialismo e a Maçonaria”, tese publicada no “CORREIO DO PLANALTO” em 15.8.82.

Em 1984, além de outros trabalhos, escreveu a Antologia “LETRAS ANAPOLINAS”, reunindo mais de 200 literatos da terra de Santana.

Como escritor, professor, poeta, etc., tem recebido REFERÊNCIAS, através de jornais e revistas, de diferentes pensadores, destacando-se: GILBERTO FREYRE (Diário de Penambuco, 31.12.72; Folha de São Paulo, 29.3.81); CARLOS AZEVEDO (Jornal do Commercio, 6.8.74). ROBINSON CAVALCANTI (Jornal do Commercio, 14.1.73); A. RODRIGUES MENESES (Jornal de Hoje, SP, 4.12.72); PAULO NUNES BATISTA (O Popular, 7.11.76); ÂNGELO MONTEIRO (Jornal de Letras, RJ, 11.72); JOSÉ DOS REIS PEREIRA (Jornal Batista, RJ, 31.12.74).

No mesmo sentido foi elogiado por: URSULINO LEÃO (O Popular, 26.2.78); E. D’ALMEIDA VITOR (Correio Braziliense, 28.3.79); ABDIAS LIMA (Tribuna do Ceará, 24.10.79); MARIINHA MOTA (Presença de Lorena, 9.11.78); JÚLIO SEBASTIÃO ALVES (Folha de Goiaz, 25.8.78); MIGUEL JORGE (O Popular, 30.9.78); HAYDÉE JAYME FERREIRA (Correio do Planalto, 18.10.80); SEBAS SUNDFELD (O Movimento, SP, 15.10.78); ROBERTO PIMENTEL (Folha de Goiaz, 8.7.79).

Igualmente, recebeu referência de : GERALDO OLIVEIRA (O Taubateano, 30.4.79); INOCÊNCIO CANDELÁRIA (Diário de Mogi, 5.7.79); JOAQUIM ROSA (Jornal Opção, 18.5.79); CARLOS RAMOS (Tribuna de Caxias, RJ, 20.1.81); LUIZ OTÁVIO SOARES (O Popular, 19.6.79); DILMAR FERREIRA (Correio do Planalto, 2.9.78); J. LEITE SOBRINHO (Jornal da Paraíba, 12.11.81); JOSÉ JÚLIO GUIMARÃES LIMA ( O Popular, 22.3.83); FERNANDO MARTINS (O Popular, 12.5.82).

Ainda foi referenciado por: JAIME CÂMARA (O Popular 22.3.83); REIS DE SOUZA (Revista Brasília, 4.82); BRASIGÓIS FELÍCIO (O Popular, 19.6.79); TÁCITO DA GAMA LEITE FILHO (O Popular, 16.1.77); EVERARDO GUERRA (Diário de Pernambuco, 10.11.74); LIVROS & AUTORES (Jornal do Brasil, 12.5.79); A. G. RAMOS JUBÉ (O Popular, 25.11.78); MARIETA TELES MACHADO (O Popular, 25.6.78); MODESTO DE ABREU (Anuário da ACLERJ, 80); LUCÉLIA BRAZ (O Popular, 17.3.83); MARINEUSA RIBEIRO (Folha de Goiaz, 30.4.82); LUIZ CARLOS MENDES (Correio do Planalto, 19.7.80).

Está também vinculado à “Sociedade de Homens de Letras do Brasil”, no Rio de Janeiro, à União Brasileira de Escritores do Amazonas e a várias outras instituições, entre as quais, Associação Goiana do Ministério Público.

Em 1986, publicou o livro JORNALISTAS, POETAS E ESCRITORES DE ANÁPOLIS.

No dia 26 de dezembro de 1989, na cidade de Anápolis, Goiás, casou-se com Amália de Alarcão Ribeiro Martins, hoje(1998), Juíza de Direito do Estado do Tocantins, de quem se divorciou alguns anos depois.

 

Seu livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, com 1.034 páginas, foi publicado em 1995.

Em 1996, publicou o livro ESCRITORES DE GOIÁS, pela Editora Master, do Rio de Janeiro.

Nos anos seguintes, trabalhou na elaboração de seu melhor livro, o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS. Sobre este livro recebeu referências elogiosas de GÊZA MARIA (O POPULAR, 07.05.99); MARIÁ SOARES (JORNAL DO TOCANTINS, 23.03.2000); LUCIANE GOEBEL(JORNAL DO TOCANTINS, 24.06.1999).

Atualmente(2000), acabou de elaborar o seu mais novo livro, o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS, editado em 2001.

Aposentou-se como Procurador de Justiça do Estado de Goiás, em 24 de abril de 1998. Pai de duas filhas, Nívea Zênia dos Santos Martins (04.10.1971) e Nívea Keila dos Santos Martins(13.03.1977).

Com o advento da INTERNET, a ela se vinculou, tendo uma página literária completa no seguinte endereço: www.genetic.com.br/~mario.

Atualmente(2001), reside em Palmas, Tocantins, onde desenvolve atividades literárias e culturais. Neste mesmo ano, publicou pela Editora Master, do Rio de Janeiro, o livro com 924 páginas, o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS.

No ano de 2001, numa eleição também disputada pelos escritores Gil Correia-Gilberto Correia da Silva(Gurupi) e Hélio Miranda(Palmas), foi eleito para a Cadeira 37, da Academia Tocantinense de Letras, tendo tomado posse no dia 05.04.2002.

Ainda em 2001, fez Pós-Graduação em Administração Pública, num convênio entre a UNITINS(Universidade do Tocantins) e a ADESG(Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra), quando esteve estudando no Rio de Janeiro para complementação do curso.

Em 28.09.2001, recebeu o titulo de PERSONA INTELECTUAL, da CASA DE LETRAS de Paraíso, Tocantins, em solenidade pública realizada no TEATRO MUNICIPAL CORA CORALINA, daquela cidade.

No dia 05.04.2002, sob a Presidência do Dr. Juarez Moreira Filho, toma posse como membro da Academia Tocantinense de Letras, Cadeira 37, tendo como Patrono o Frei José Maria Audrin, sendo recebido pelo orador da Academia, o maranhense, de Alto Parnaíba, José Cardeal dos Santos. Como resultado de trabalho feito juntamente com Mery Ab-Jaudi Ferreira Lopes e Vânio José Simoneto, seu texto “REFLEXOS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NAS FINANÇAS MUNICIPAIS” é publicado no livro CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONTEMPORÂNEA, editado pela EDUCON/UNITINS, com apresentação do professor Galileu Marcos Guarenghi, Diretor do Projeto Telepresencial.

Em 2003, com o titulo de DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL, inseriu na Internet, todas as biografias dos dicionários anteriormente publicados, no site:

www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=mariorm ou www.mariomartins.com.br

Em 14.01.2004, concede entrevista à Rádio Comunitária de Ipupiara, também chamada de “FORTALEZA DE SÃO JOÃO”, sobre sua infância na cidade e suas atividades profissionais e literárias, ocasião em que é entrevistado pelos locutores Paula Saldanha, Aristides Silva, Mary e André, além de seu Diretor Renato. Além da atualização constante do DICIONÁRIO, via Internet, continua produzindo artigos literários e proferindo palestras sobre literatura.

Em 12.03.2004, pela Portaria 003/2004, da Presidente Isabel Dias Neves, foi nomeado Coordenador do Projeto Patrono, da Academia Tocantinense de Letras, em Palmas, com a finalidade de levantar a vida e obra de cada um dos PATRONOS da Academia, em número de 40.

No dia 02.07.2004, foi nomeado pela Presidente da Academia, membro da Comissão que analisou os CURRICULUM VITAE dos candidatos inscritos na Cadeira 07, da Academia Tocantinense de Letras, na vaga do Professor Jerônimo Geraldo de Queiroz, tendo sido aprovado o nome de Júlio Resplande.

2004. 13.07. Lança em sua cidade natal-Ipupiara e também em Lençóis, Bahia- seu novo livro CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, focalizando as figuras de Horácio de Matos, Militão Rodrigues Coelho, Franklin de Albuquerque e Abílio Wolney, além de Feliciano Machado Braga, Antonio de Siqueira Campos, José Wilson Siqueira Campos e mais os Coronéis Isidório Ribeiro dos Santos e Artur Ribeiro dos Santos. Este livro foi focalizado pela jornalista Elisangela Farias, no JORNAL DO TOCANTINS, de 15.09.2004, sob o título “HOMENAGEM AOS CORONEIS BRASILEIROS”.

2004. 26.08. Na Escola Técnica Federal de Palmas, como representante da Academia Tocantinense de Letras, profere palestra sobre LITERATURA.

2004. 01.09. Recebe OFÍCIO CONGRATULATÓRIO da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, pelo lançamento do livro CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, numa iniciativa do Deputado Laurez Moreira.

2005. 17.06. Lança na Livraria Palmas Cultural, em Palmas, Tocantins, a 2ª Edição do livro RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS, apresentando a biografia dos 40(quarenta) PATRONOS e dos 40(quarenta) TITULARES.

2006. Coloca na INTERNET, no site www.mariomartins.com.br, o livro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, apresentando a biografia de todos os PATRONOS, FUNDADORES DE CADEIRA e TITULARES DAS 40 CADEIRAS. Foram elaboradas 274 biografias entre os Patronos, Fundadores e Titulares da Academia Brasileira de Letras.

2006. 16. 06. Funciona como cicerone do escritor Gilberto Mendonça Teles que esteve em Palmas, proferindo palestra no Auditório do MEMORIAL COLUNA PRESTES, na Praça dos Girassóis.

2007.15.01. Lança em Ipupiara, na Bahia, juntamente com seu irmão Filemon Francisco Martins, o livro DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMÍLIA RIBEIRO MARTINS, com 587 nomes de parentes e aderentes.

2007. 10.02. Lança na Livraria Palmas Cultural, em Palmas, Tocantins, a 2ª Edição do livro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, apresentando 274 biografias dos PATRONOS, FUNDADORES DE CADEIRAS e dos 40(quarenta) TITULARES atuais.

2007.10.05. Lança em Palmas, Tocantins, o livro MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO, apresentando mais de 200 biografias de missionários norte-americanos e ilustres nomes do evangelismo brasileiro.

2007. Trabalha na elaboração do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA EVANGÉLICA DE LETRAS DO BRASIL, de que é Membro Correspondente. O texto parcial se encontra na internet, no site www.mariomartins.com.br

 

FORTUNA CRÍTICA



(COMENTÁRIOS SOBRE OS LIVROS DE
MÁRIO RIBEIRO MARTINS)

ABDIAS LIMA, in TRIBUNA DO CEARÁ. Fortaleza, 20 de julho de l979: "FILOSOFIA DA CIÊNCIA é o novo livro de reflexão filosófica de Mário Ribeiro Martins. É uma outra dimensão didática da filosofia, em linguagem simples, clara e com apresentação metódica. Utilizado por diferentes segmentos, o livro tem recebido os maiores elogios da crítica especializada, especialmente pela forma objetiva como a matéria é apresentada. O autor, Mário Ribeiro Martins, é Bacharel e Mestre em Teologia, Licenciado em Filosofia Pura, Bacharel em Ciências Sociais e Direito. Especializou-se em Educação Moderna e Administração Pública, respectivamente, em Madrid e Alcalá de Henares, na Espanha. Seu livro é indispensável aos estudantes e estudiosos de filosofia, podendo servir também para leituras complementares em outros cursos".

ABSAÍ GOMES BRITO, in LIBERDADE E UNIÃO. Goiânia, 30 de março de 1983: "A Academia Goiana de Letras tem, desde a noite de sábado, novo integrante-Mário Ribeiro Martins-empossado na Cadeira 37, cujo Patrono é Crispiniano Tavares que, como Mário Martins, era também baiano, mas tornou-se goiano por adoção. Autor de vários livros, nas áreas de filosofia, teologia, sociologia, literatura, destacando-se, entre outros, "GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE", "FILOSOFIA DA CIÊNCIA", "MISCELÂNIA POÉTICA", o novo acadêmico é também Professor Universitário e Promotor de Justiça na Manchester Goiana, onde se destaca como Presidente da Federação das Entidades Culturais de Anápolis".

ACADEMIA CARIOCA DE LETRAS, via Correspondência. Rio de Janeiro, 08.06.2007: “Prezado Mario Ribeiro Martins, Muito grata! Acabo de receber DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO. Na Biblioteca da Academia Carioca de Letras serão lidos com a devida atenção e cuidado que merecem, a começar por mim, atual Presidente da Academia. Tudo de bom, bonito e um abraço fraterno da Stella Leonardos, secretária geral da UBE”.

ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA, via Correspondência. Salvador, Bahia, 27.06.2007: “Prezado Escritor Dr. Mario Ribeiro Martins, tenho a satisfação de acusar e agradecer o recebimento das seguintes obras de sua autoria-DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGELICO, já inseridos na biblioteca desta casa, o que é uma honra, eis que Vossa Excelência é também um baiano da Chapada Diamantina. Atenciosamente, Edivaldo Boaventura, Presidente em exercício”.

ADRIÃO NETO, via e-mail. Teresina, Piauí, 25.11.2004. “Pelo inestimável valor e magnitude de sua gigantesca obra, Mário Ribeiro Martins tem lugar garantido na honrosa galeria dos maiores escritores e homens de letras do Brasil. Com a construção desta obra, de colossal importância para a Literatura Nacional, Mário Ribeiro Martins – um dos mais notáveis dicionaristas biográficos e homens de letras do país –, pode e deve ser considerado com o seu conterrâneo, o baiano Sacramento Blake da Literatura Brasileira”.

AFFONSO ARINOS DE MELLO FRANCO FILHO, via e-mail. Rio de Janeiro, 20.12.2006: “Agradeço, penhorado, a amável gentileza do seu fecundo DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, com 1.034 páginas, eis que, além do meu nome na Cadeira 17, lá estão também muito bem retratados meu pai Afonso Arinos de Mello Franco(1905), na Cadeira 25 e o velho Affonso Arinos de Mello Franco(1868), na Cadeira 40. Parabéns pelo excelente livro”.

AFRÂNIO COUTINHO et al, in ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA. Rio de Janeiro: Mec/Fae, 1990, II vol, página 870: "Mário Ribeiro Martins, nascido em 07 de agosto de 1943, Ipupiara, Bahia, poeta, biógrafo, Promotor de Justiça, Professor Universitário, diplomado em Ciências Sociais, Teologia e Direito. Membro da Academia Goiana de Letras, da Academia de Letras e Artes de Pernambuco, da Academia de Letras José de Alencar, entre outras. Autor de vários livros, entre os quais, GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, PERFIL LITERÁRIO, MISCELÂNIA POÉTICA, SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE, CORRENTES IMIGRATÓRIAS NO BRASIL, ESBOÇO DE SOCIOLOGIA, etc".

ALARICO VELLASCO, in O POPULAR. Goiânia, 17 de abril de 1995: "Ainda há pouco o escritor Mário Ribeiro Martins- que é também Promotor de Justiça, em Anápolis, Goiás- acaba de lançar o livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, com l.052 páginas, de extraordinária qualidade, onde o autor consigna à página 93, entre os l.500 nomes ali focalizados, um verbete especial sobre o Professor Benedicto Silva, goiano, de Campo Formoso, hoje Orizona, que completa nesta data os noventa anos de idade e a quem homenageamos, nesta festa realizada no salão da CASA SUIÇA, aqui no Rio de Janeiro".

ALOISIO MIGUEL MARQUES, in JORNAL DA SEGUNDA. Goiânia, 16 de maio de 1995: "Mário Ribeiro Martins enriquece o acervo da cultura goiana com mais uma obra de peso. O livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, com 1.052 páginas, já nas melhores livrarias do ramo, transcende o comum das pesquisas. É obra de consulta obrigatória e indispensável para se conhecer melhor a história do pensamento escrito nesta parte do Brasil, cobrindo os séculos XVIII, XIX e XX, com mais de 1500 verbetes apresentados em ordem alfabética e entrada pelo nome de batismo, focalizando autores que nasceram, viveram ou passaram pelo Estado de Goiás".

ANN HARTNESS, in THE GENERAL LIBRARIES. UNIVERSITY OF TEXAS AT AUSTIN. 20.06.2000: Mário Ribeiro Martins, agradeço o envio do seu interessante livro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS. Ele representa uma contribuição importante para a bibliografia de Goiás. Eu sei o quanto é trabalhoso escrever uma obra de referência como esta. Muito me agrada saber que o amigo gostou do meu livro BRASIL: OBRAS DE REFERÊNCIA-1965-1998. Este foi um projeto muito interessante que levou quase dez anos e eu já estou trabalhando na próxima edição.

ANTONIO GERALDO RAMOS JUBÉ, in O POPULAR. Goiânia, 24 de setembro de 1978: "Fiquei bastante sensibilizado com a sua apreciação crítica de meu despretencioso livro SINTESE DA HISTÓRIA LITERÁRIA DE GOIÁS, publicado pela Editora Oriente, em Goiânia. Não conhecia eu- do Mário Ribeiro Martins- essa face de seu talento multiforme. De significação profunda e bela, seu artigo "A LUCIDEZ DO SENSO CRÍTICO NOS ENSAIOS DE RAMOS JUBÊ", publicado no jornal O POPULAR, é uma excelente contribuição para a construção da crítica literária em Goiás".

ANTONIO LISBOA, in O POPULAR. Goiânia, 17 de abril de 1995: "Possuidor de vasto currículo, o Promotor de Justiça Mário Ribeiro Martins-residente em Anápolis-terminou recentemente uma pesquisa de muito fôlego. Trata-se do volumoso(1051 páginas) ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, um conjunto de textos publicados em jornais, revistas e livros sobre autores goianos. Há também entrevistas do autor concedidas a diversos periódicos, discursos e outros fatos literários. Num trabalho de mais de duas décadas, Mário Martins relaciona os nomes mais expressivos das letras em Goiás e no Brasil".

ALBERTO CUNHA MELO, in JORNAL DO COMMERCIO. Recife, 15 de março de 1973: "O Sociólogo Mário Ribeiro Martins está preparando a edição de um ensaio de sua autoria, cujo título GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, a ser publicado pela Imprensa Metodista, de São Paulo, inclui artigos publicados na secção literária deste jornal e do JORNAL BATISTA, do Rio de Janeiro, devendo trazer novos dados sobre a vida evangélica, no Recife e nos Estados Unidos da América, do internacional mestre de Apipucos".

ANA BRAGA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, l5 de fevereiro de 1995: "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS é fruto de uma pesquisa literária de mérito incomensurável. Trabalho de fôlego, como costumamos dizer. Texto onde o autor se revela um notável pesquisador, um analista dos gêneros literários e um coordenador organizado, conhecedor de nossos valores literários e, acima de tudo, o idealista que soube garimpar nomes ilustres, desde o século dezoito até a modernidade, resumo dos nossos autores, ressaltados os gêneros e as obras dos mesmos. Seu livro, Mário Ribeiro Martins, foi um presente régio para a literatura goiana".

ÂNGELO MONTEIRO, in JORNAL DE LETRAS. Rio de Janeiro, 10 de novembro de 1972: "Mário Ribeiro Martins está concluindo um ensaio que terá o título de GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, estudando as atividades intelectuais do escritor pernambucano, antes de CASA GRANDE & SENZALA", quando se dedicou ao evangelismo, ainda que ligado ao Colégio Americano Batista Gilreath, onde estudou nos idos de 1917, bacharelando-se em Ciências e Letras, tendo como colegas, os pastores Tertuliano Cerqueira, Manoel Dias, Fernando Wanderley e Antonio Neves de Mesquita".

APARÍCIO FERNANDES, in ANUÁRIO DE POETAS DO BRASIL. Rio de Janeiro: Folha Carioca Editora, 1980, IV volume, página 405: "Mário Ribeiro Martins passou a infância e parte da adolescência nas cidades de Ipupiara, Morpará, Xique-Xique e Bom Jesus da Lapa. Escreveu para o DIARIO DE PERNAMBUCO e JORNAL DO COMMERCIO, ambos do Recife. Possui os seguintes livros publicados, entre outros: SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE, ESBOÇO DE SOCIOLOGIA, MISCELÂNIA POÉTICA, FILOSOFIA DA CIÊNCIA, etc".

A. RODRIGUES MENEZES, in JORNAL DE HOJE. São Paulo, dezembro de 1972: "Gilberto Freyre e a Primeira Igreja Batista do Recife. Sob o título acima, escreveu para as páginas de um dos nossos matutinos em Recife, o confrade Mário Ribeiro Martins, focalizando o nome do nosso eminente Sociólogo e Antropólogo Gilberto Freyre, não somente como membro daquela igreja pernambucana, no Recife, mas também como membro e pregador da SEVENTH & JAMES BAPTIST CHURCH, em Waco, Texas, nos Estados Unidos".

ARTHUR REZENDE, in O POPULAR. Goiânia, 22 de fevereiro de 1995: "COMPLETÍSSIMO. A coluna acaba de receber exemplar de ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de Mário Ribeiro Martins, opúsculo de 1.052 páginas. O livro já se encontra nas livrarias. Vale dizer que se trata da mais completa publicação no gênero por aqui. Cerca de 1.500 nomes são focalizados no Dicionário Biobibliográfico dos Escritores, além outras informações importantíssimas sobre os diferentes aspectos da literatura goiana. Ideal para consultas e indispensável para se conhecer melhor a história do pensamento escrito da região. Tão completo que até referência ao titular da Coluna lá está".

BELKISS SPENCIERI CARNEIRO DE MENDONÇA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 13 de dezembro de l996: "Ao ler "ESCRITORES DE GOIÁS", de sua autoria-Mário Ribeiro Martins- muito admirei sua capacidade de, em pesquisa meticulosa e valorizadora, relacionar tão grande número de escritores de nosso Estado. Constitui-se numa grande realização sua, demonstrando ser possuidor de "força superior às circunstâncias". Louvo, também, sua decisão de fazer constar, em livro, sua preciosa produção literária, que, pela transitoriedade da publicação jornalística, estaria fadada ao esquecimento".

BENEDICTO SILVA, in INFORMATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Rio de Janeiro, 10 de junho de 1981: "O presente trabalho- FILOSOFIA DA CIÊNCIA-, publicado pela Editora Oriente, em Goiânia, de autoria do ilustre professor Mário Ribeiro Martins, não se restringe aos seus objetivos pedagógicos, mas busca, sobretudo, reafirmar a grandeza e a significação da investigação filosófica, através da qual o homem se descobre como ser no mundo, daí a razão por que se trata de um livro do mais alto valor, essencial à reflexão filosófica".

BRASIGÓIS FELÍCIO, in O POPULAR. Goiânia, 05 de outubro de 1984: "O escritor e professor Mário Ribeiro Martins, membro da Academia Goiana de Letras, está colocando nas livrarias um livro que é importante contribuição ao conhecimento da história e atualidade das letras de Anápolis. Trata-se de LETRAS ANAPOLINAS, antologia de poesia e prosa, com mais de seiscentas páginas e trezentos nomes estudados, notas de orelha de José Mendonça Teles e prefácio de Ursulino Leão, focalizando nomes de Jornalistas, Poetas e Escritores da Manchester Goiana".

BRAZ LIMONGI, in O ARAUTO. Florianópolis, SC, 08 de dezembro de 1978: "Radicado em Anápolis, Goiás, Mário Ribeiro Martins, Promotor de Justiça e Professor Universitário, com seus trinta e cinco anos apenas, é um autor fecundo, produzindo obras sociológicas, literárias, filosóficas e teológicas, como se observa em SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE, ESBOÇO DE SOCIOLOGIA, MISCELÂNIA POÉTICA, O MISTICISMO DE BERNARDO DE CLAIRVAUX ou ainda no ARGUMENTO ONTOLÓGICO DE ANSELMO, bem como em VIDA E OBRA DE THOMAS HELWYS, entre outros".

CARLOS ALBERTO AZEVEDO, in JORNAL DO COMMERCIO. Recife, 6 de agosto de 1974: "O teólogo e sociólogo Mário Ribeiro Martins é fruto de poucas gerações, ex-aluno do Colégio Americano Batista e do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, onde também é professor, bem como da Universidade Federal Rural de Pernambuco e Universidade Católica, tem-se inquietado com problemas escolásticos, entre os quais, O ARGUMENTO ONTOLÓGICO DE ANSELMO, O MISTICISMO DE BERNARDO DE CLAIRVAUX, etc".

CARLOS CAVALCANTE, in DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 06 de setembro de 1974: "Habitualmente leio o Diário de Pernambuco e, por último, artigos bem produzidos do Sociólogo e Teólogo Mário Ribeiro Martins, formado em Ciências Sociais, pela Universidade Federal de Pernambuco, mas também em Teologia e Filosofia, respectivamente, pelo Seminário Protestante da Rua Padre Inglês e pela Universidade Católica do Recife. Este jornal, que já tinha nomes como Mauro Mota, Orlando Parahym, Glaucio Veiga e outros, enriqueceu ainda mais as suas páginas seculares".

CARLOS RAMOS, in TRIBUNA DE CAXIAS. Caxias, RJ, 20 de janeiro de 1981: "Mário Ribeiro Martins é natural de Ipupiara, Bahia, mas radicado hoje em Goiás, onde é Ministro Evangélico, Promotor Público e Professor, volta-se para a atividade literária e cultural, como autor de diversos livros, sendo um dos mais interessantes, o GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE que focaliza a adolescência evangélica do Mestre de Apipucos no Recife, trazendo histórias fascinantes como aquela do missinário americano que vendeu seu piano para ajudar na passagem de Gilberto para os Estados Unidos".

CELSO ALOYSIO SANTOS BARBOSA, via e-mail. Rio de Janeiro, 09.07.2007: “Prezado Dr. Mário Martins. Li tudo o que escreveu sobre José Cabral de Vasconcelos e sou de opinião que o texto não pode ser melhor, por falta absoluta de informações. SUGIRO PUBLICAR ASSIM. Parabenizo-o pelo esforço e por ter chegado ao final do livro. Estaremos todos orando a Deus pelo irmão e aguardando o produto final de seu trabalho. Continuamos a sua disposição para qualquer ajuda que ainda esteja em nosso alcance. Forte abraço, CELSO ALOÍSIO”.

CONDESSA DE MEIA-PONTE(VERA LOPES DE SIQUEIRA), in A NOTÍCIA. Anápolis, 19 de outubro de 1997: “FILHA DILETA DO SENHOR. Para o eminente Promotor, Professor e Escritor Mário Ribeiro Martins. Um elogio feito com sinceridade, não há coisa melhor para nos ajudar a procurar olhar sempre para frente e ver que o mundo continua lindo. Assim me senti, ao tomar conhecimento do livro ESCRITORES DE GOIÁS. Fui premiada. Se há um nome que tem enriquecido a cultura em Goiás, este é Mário Ribeiro Martins. Seu livro focaliza, entre outros, meu pai, José Assuero de Siqueira que, sendo jornalista, ao fundar o jornal O PIRINEUS, em 1931, escrevia os seus artigos com o pseudônimo de Conde de Meia-Ponte, de que me apropriei para também escrever meus artigos”.

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE GOIÁS, via Correspondência. Goiânia, 18.12.2006: “Senhor Escritor Dr. Mario Ribeiro Martins, agradecemos a Vossa Senhoria a gentileza de enviar-nos um exemplar do livro RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS, de sua autoria, trabalho que demonstra o ótimo desempenho e a seriedade com que o nobre escritor trata as questões relativas à instituição cultural tocantinense. Receba nossos parabéns pela iniciativa. Atenciosamente, Samuel Albernaz, Presidente”.

DILMAR FERREIRA, in CORREIO DO PLANALTO. Anápolis, 08 de setembro de 1978: "CANTO DE MORTE NOS POETAS NACIONAIS, publicado no livro ESCRITORES DO BRASIL, editado por Aparício Fernandes, no Rio de Janeiro, é um trabalho de análise que Mário Ribeiro Martins elaborou, estudando as composições poéticas de vários autores brasileiros, não somente contemporâneos, como também pertencentes a várias escolas literárias, chamando a atenção do leitor para a constante presença da expressão MORTE nos escritores do Brasil".

DIVALDO SURUAGY, in O ANÁPOLIS. Anápolis, 23 de junho de 1999: “Gostaria de parabenizá-lo pela magnífica compilação realizada sobre os ESCRITORES DE GOIÁS. Imagino não existir, em nenhum outro Estado do País, uma obra de tão grande vulto. Receba minha admiração com os votos de que prossiga utilizando sua sólida cultura, aliada à imensa capacidade de trabalho e dedicação à pesquisa, para continuar engrandecendo a literatura brasileira”.

DOMICIO PEREIRA DE MATTOS, via Correspondência. Rio de Janeiro, 28.06.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, atendendo circular do confrade Ebenezer Soares Ferreira, estou lhe remetendo 4 dos 8 livros por mim editados. Neles o nobre confrade encontrará subsídios sobre o titular da Cadeira 10, da AELB, Domicio Pereira de Mattos, aliás, um dos 40 patronos. Presentes ainda hoje apenas 2, eu e o querido companheiro Ebenezer(cadeira 27). Veja no livro DEVANEIOS, ligeiro resumo de como nasceu a nossa Academia(capitulo 27, página 117). Valorizo a sua tarefa e peço a Deus que lhe dê animo para completá-la”.

EBENÉZER GOMES CAVALCANTI, in GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE. São Paulo, Imprensa Metodista, 1973, página 15: "Mário Ribeiro Martins reclama dos arquivos de mais de meio século uns traços da influência protestante na adolescência de Gilberto Freyre, pesquisa a que acode o sociólogo com indisfarçável sentimento de ternura pelo reencontro com o passado remoto, num artigo intitulado DEPOIMENTO DE UM EX-MENINO PREGADOR, publicado no DIARIO DE PERNAMBUCO. Seu tranquilo depoimento nada tem de amargo ou evasivo, antes confirma os registros de Mário Martins, dando-lhes mais sabor, mais vida e mais evocações".

EBENÉZER SOARES FERREIRA, in CORRESPONDÊNCIA. Rio de Janeiro, 30.05.2007: “Recebi, ontem, os três exemplares do livro MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGELICO. Estarei entregando o exemplar do Seminário do Sul e da Academia Evangélica. Comecei a ler a obra e fui me deliciando, pois sou fascinado por esse tipo de literatura. Agradeço-lhe o envio da referida obra, bem como o exemplar do DICIONÁRIO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, que é o atestado eloqüente da sua grande veia de pesquisador beneditino. Imagino quanto tempo não gastou nessa garimpagem intelectual, para oferecer ao leitor ávido de conhecimentos a sua incomensurável contribuição. Sei que sua pena destra vai nos legar uma preciosidade: o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA EVANGÉLICA DE LETRAS DO BRASIL. Rogando ao Senhor abençoá-lo, sempre, firma-se o amigo e colega.”

E. D"ALMEIDA VITOR, in CORREIO BRAZILIENSE. Brasília, 28 de março de 1979: "GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, de Mário Ribeiro Martins é uma pesquisa que objetiva contribuir para a biografia global do eminente sociólogo pernambucano, focalizando aspectos interessantíssimos, inclusive as fontes pesquisadas, entre as quais se destaca o ANNUAL OF THE SOUTHERN BAPTIST CONVENTION, datado de 1915, nos Estados Unidos. Mas Mário Ribeiro Martins é também colaborador em jornais e revistas especializadas. Seu outro livro-FILOSOFIA DA CIÊNCIA- de caráter essencialmente didático, interessa a todos os que participam dos problemas do homem e que queiram refletir sobre a vida e o mundo, de uma perspectiva filosófica, daí a razão por que tem recebido os maiores encômios da crítica nacional".

ELISANGELA FARIAS, in JORNAL DO TOCANTINS. Palmas(TO), 15.09.2004: “Fundão de Brotas, hoje Ipupiara, este é o cenário da obra CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, do autor e membro das Academias Goiana e Tocantinense de Letras, Mário Ribeiro Martins que foi lançado recentemente na cidade de Lençóis, Bahia e já pode ser encontrado nas livrarias de Palmas, Capital do Tocantins. O livro que fala sobre os Coronéis Horácio de Matos e Militão Rodrigues Coelho, focaliza também um outro Coronel baiano, Franklin Lins de Albuquerque, do médio São Francisco, bem como a figura do Coronel Abílio Wolney, do antigo Norte de Goiás, hoje Dianópolis e ainda trata de outros assuntos interessantes, entre os quais, OS DOIS SIQUEIRA CAMPOS e um JUIZ GUERREIRO”.

ENÉAS ATHANÁZIO, via carta de Camboriú, Santa Catarina, 12.11.2004: “Refiro-me ao pequeno e substancioso livro “GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE”, de autoria de Mário Ribeiro Martins, publicado em 1973, pela Imprensa Metodista, de São Paulo e que tem o esclarecedor subtítulo de “uma contribuição biográfica”. Embora se trate de obra esgotada, é interessante comentá-la em face do ineditismo do tema e as consequências para o biografado. Nessas páginas, o autor mergulha fundo no tema, rebuscando papéis e variadas fontes em laboriosas pesquisas. Mostra ele que o Dr. Alfredo Freyre, pai do Mestre de Apipucos, manteve estreitas relações com os batistas de Pernambuco, com eles colaborando(tendo sido Diretor do Colégio Americano Batista Gilreath) e professando sua fé, embora nunca batizado”.

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DE PERNAMBUCO, via Correspondência. Recife, 26.02.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, é com satisfação que recebemos e agradecemos os livros RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS E DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS de sua autoria. Informamos, outrossim, que as publicações ficarão à disposição dos alunos, professores e magistrados, bem como do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, sendo uma grande fonte de consulta. Atenciosamente, Joseane Ramos Duarte Soares, Gestora da Biblioteca”.

ESCOLA TECNICA FEDERAL DE PALMAS, via Correspondência. Palmas, 01.06.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, Recebemos e agradecemos os livros DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGELICOS todos de sua autoria, já inseridos na Biblioteca João Paulo II, desta escola. Atenciosamente, Ana Cristina Schmidt Salgado”.

EVERARDO GUERRA, in DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Recife, 10 de novembro de 1974: " Um dos seus mais recentes biógrafos, Mário Ribeiro Martins, no epílogo de seu precioso livro GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, afirma: Há homens que nascem em determinadas épocas e lugares para realizar grandes obras. É o caso de Gilberto de Mello Freyre, cuja biografia, focalizando especialmente a sua adolescência protestante no Colégio Americano Batista Gilreath, no Recife e em Fort Worth, no Texas, Estados Unidos, revela a importância da obra escrita pelo Ministro Evangélico, Sociólogo e Professor Mário Martins".

FACULDADE TEOLOGICA BATISTA DE SÃO PAULO, via Correspondência. São Paulo, 04.06.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, pela presente expressamos a nossa palavra de gratidão pelos exemplares dos livros DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRAFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO. Informamos que os livros já se encontram no acervo de nossa biblioteca. Rogamos a Deus as mais ricas bênçãos pela sua vida e ministério. Atenciosamente, Marilza Delgado”.

FENELON TEODORO REIS, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 26 de setembro de l996: "Tenho a honra de acusar o recebimento do exemplar de seu livro que ostenta o apropriado título "ESCRITORES DE GOIÁS", onde o nobre escritor traça o perfil dos grandes nomes da literatura goiana. Mário Ribeiro Martins, realmente merece aplauso essa sua iniciativa, sempre tão rara, entre nós, porém, próprias de homens cuja inteligência não é apenas direcionada ao próprio intelecto, e sim, a utiliza também para enaltecer os valores de outras pessoas que se dedicam ao mesmo ramo de atividade, ou seja, levar conhecimento e as experiências de vida a quem gosta de atualizar-se através de uma boa leitura".

FERNANDO LINS, in E-MAIL FERLINS@ZAZ.COM.BR Palmas, 09 de julho de 1998. “Uma das maiores satisfações que tive aqui em Palmas, Tocantins, foi conhecer tanto pessoalmente quanto a grandiosa obra literária, filosófica e sociológica de Mário Ribeiro Martins. Missionário da fé e homem imbuído dos mais elevados valores morais e espirituais, com refinado senso de justiça, de generosidade, de amizade e de humildade. Você é daquelas pessoas que nós, seus contemporâneos, não temos como avaliar devidamente, pois seu pensamento iluminado está acima das nossas mensurações. Mas os pósteros saberão reconhecer e apreciar a sua verdadeira grandeza”.

FERNANDO MARTINS, in O POPULAR. Goiânia, 12 de maio de 1982: "O presente livro, SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL, é o resultado das experiências vividas por Mário Ribeiro Martins dentro do Magistério Superior. Pretende o autor conferir uma visão panorâmica da realidade sociológica. Não se trata de uma tradução que reflita uma concepção sociológica de outros centros de cultura, mas de um conjunto de experimentos, todos eles vividos nas salas de aula, como Professor de Sociologia nos Cursos de Ciências Sociais, Filosofia e Direito".

FERNANDO PY, in DIÁRIO DE PETRÓPOLIS. Petrópolis, RJ, 08 de dezembro de l996: "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de Mário Ribeiro Martins. O autor, Promotor de Justiça e Professor Universitário, membro da Academia Goiana de Letras, elaborou uma obra valiosíssima de referência, com mais de mil páginas, onde faz um Dicionário Biobibliográfico de Autores de Goiás, extremamente minucioso, e mais estudos sobre escritores goianos e outros, além do registro de jornalistas e mais intelectuais do Estado. Excelente fonte de informação".

FILADELFO BORGES DE LIMA, in O POPULAR. Goiânia, 02 de abril de 1995: "Adquiri em Goiânia, o livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de Mário Ribeiro Martins. Deleitei-me no manuseio das suas páginas e muito ainda o farei. A obra é completa. Completíssima, conforme a definiu o mestre e jornalista Arthur Rezende. Com 1.052 páginas e mais de 1.500 verbetes estudados e focalizados, todos eles referentes aos escritores de Goiás, há também temas como Ministério Público, Academia Goiana de Letras, entre outros. O autor a escreveu para a imortalidade. Cumprimento-o de pé e me alegro sobremaneira".

FILEMON FRANCISCO MARTINS, in email, filemonmartins@bol.com.br: “O escritor Mário Ribeiro Martins acaba de nos brindar com mais um livro de sua brilhante pena. Desta feita, “CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS”, que retrata fatos importantes ocorridos nas cidades interioranas da Bahia e do Brasil, envolvendo figuras notáveis e polêmicas, como Horácio de Matos, Militão Rodrigues Coelho, Abílio Wolney e Franklin Lins de Albuquerque. O autor, competente e talentoso, tem-se mostrado um dos mais experientes e pacientes pesquisadores da atualidade. É festejado como cronista, poeta, dicionarista criterioso, crítico consciente e cultor exemplar da verdade histórica, trazendo à luz da publicidade, através do seu livro, episódios interessantes da vida destes líderes, pouco conhecidos do grande público leitor. Essas reflexões nos vêm à mente com a leitura amena e prazerosa de “CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS” que prova tratar-se de uma obra de fôlego, contribuindo para resgatar a memória quase sempre esquecida de nossos antepassados.

FRANCISCO DE ASSIS NASCIMENTO, in LETRAS ITAOCARENSES. Itaocara, RJ, 15 de maio de 1995: "No MOSAICO de março, deparei-me com o nome ilustre do intelectual goiano, Dr. Mário Ribeiro Martins no rol dos acadêmicos correspondentes da distinta Academia Itaocarense de Letras. Pesquisador talentoso da literatura de Goiás, editou em livro, com l.051 páginas, cerca de l.500 verbetes, focalizando homens e mulheres que ao longo dos séculos XVIII, XIX e XX escreveram e publicaram livros no Estado de Goiás e várias críticas literárias, incluindo prefácios, entrevistas, discursos, etc, com o título ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, já considerado pela crítica como completíssimo".

FRANCISCO IGREJA, in DICIONÁRIO DE POETAS CONTEMPORÂNEOS. Rio de Janeiro: OFICINA, 1991, página 228: "Mário Ribeiro Martins nasceu em Ipupiara, Bahia, em 1943. Bacharel em Teologia, Filosofia, Sociologia e Direito. Promotor de Justiça e Professor Universitário. Detém prêmios literários e condecorações diversas. Produtor cultural, organizador de antologias, publicou livros didáticos, biográficos e ensaios literários, entre os quais, GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE; SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE, ESBOÇO DE SOCIOLOGIA, HISTÓRIA DAS IDÉIAS RADICAIS NO BRASIL, CORRENTES IMIGRATÓRIAS NO BRASIL".

FUNDAÇÃO CASA DE JOSÉ AMÉRICO, via Correspondência. João Pessoa, Paraíba, 26.06.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, recebemos e agradecemos os livros DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, GENEALOGIA DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONARIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGELICO, todos reveladores de seu talento multiforme e de sua capacidade de produzir obras realmente úteis para a pesquisa. Atenciosamente, Maria de Fátima Bezerra da Silva Duarte Cruz”.

GABRIEL NASCENTE, in DIÁRIO DA MANHÃ. Goiânia, 19 de março de 1995: "Ufa! Haja fôlego! O livro do Professor Mário Ribeiro Martins- ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS- chegou de carreta. É provável que, para o seu traslado, de Anápolis a Goiânia, precisou de bons ombros, muita vitamina e sol... visto, naturalmente, como um tijolaço, tal o número de páginas: l052. A mais completa bibliografia de autores goianos feita até hoje entre os escribas da terra. Um verdadeiro arrastão da cultura goiana, com investidas até lá pelos rincões do século XVIII, onde o autor foi buscar elementos para edificar o seu catatau bibliográfico".

GERALDO BONADIO, in JORNAL CRUZEIRO DO SUL. Sorocaba, SP, 23 de julho de 1995: "Nos ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS agora editados por Mário Ribeiro Martins, além de analisar a produção de escritores nacionais como Almir Gonçalves, Carlos Rocha, Crispiniano Tavares, Érico Veríssimo, Gilberto Freyre, Joaquim Nabuco, Jorge Amado, Machado de Assis, entre outros, entrega ao público uma obra de referência de fundamental importância que é o Dicionário Biobibliográfico dos Autores de Goiás, com mais de l.500 verbetes apresentados em ordem alfabética, bem como uma listagem de jornalistas e articulistas de Goiás, de todos os tempos".

GERALDO COELHO VAZ, in O POPULAR. Goiânia, 30 de maio de 1985: "O escritor e professor Mário Ribeiro Martins publicou LETRAS ANAPOLINAS, antologia de poesia e prosa, que não é seu primeiro livro, mas é de grande importância para as letras goianas, uma vez que traz no seu bojo a história literária da próspera cidade de Anápolis. Estudando mais de trezentos nomes, entre jornalistas, poetas e escritores, o autor se preocupou em divulgar os dados biográficos de cada um, além de algum tipo de produção literária, recolhida de livros, jornais e revistas".

GERALDO OLIVEIRA, in O TAUBATEANO. Taubaté, SP, 30 de abril de 1979: "FILOSOFIA DA CIÊNCIA" é o novo livro de reflexão filosófica do escritor, professor e Promotor de Justiça Mário Ribeiro Martins, de Anápolis, Goiás, também Presidente da Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras. Com sua diversidade de temas, entre os quais, ÂMBITO GERAL DA FILOSOFIA, PERSPECTIVA HISTÓRICA DA FILOSOFIA, PROBLEMAS GERAIS DA FILOSOFIA, FILOSOFIA E EDUCAÇÃO, FILOSOFIA NO BRASIL, ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA, FILOSOFIA E DIREITO, FILOSOFIA E CIÊNCIA, o autor fornece uma visão completa de toda a problemática filosófica".

GESSY SABALA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 30 de outubro de 1995: "Sobre ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, que tive o prazer de comprar aqui em Santa Maria, Rio Grande do Sul, talvez, por ser o senhor um autor consagrado, entre os grandes literatos nacionais, com a grande experiência da arte de bem escrever, seu trabalho se agiganta e torna-se notável em todos os sentidos, dentro da técnica, do tema e do entendimento, de tal forma que se torna fácil para o leitor compreender e aquilatar o valor das 1.051 páginas que formam um verdadeiro monumento à cultura goiana".

GÊZA MARIA, in O POPULAR. Goiânia, 07 de maio de 1999: “Já está pronto o primeiro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS. Depois de muita pesquisa e dedicação, o escritor e Procurador de Justiça Mário Ribeiro Martins, um baiano que se diz goiano de coração, fez o lançamento da obra na Biblioteca Pública de Salvador, no dia 23. O local foi escolhido para homenagear Sacramento Blake, autor do Dicionário Bibliográfico Brasileiro, o primeiro livro do gênero, publicado há 116 anos. São mais de 1200 páginas contendo informações sobre a vida e a produção de mais de dois mil autores que publicaram livros em Goiás”.

GILBERTO FREYRE, in FOLHA DE SÃO PAULO. São Paulo, 29 de março de l98l: "Um simpático Dr. Mário Ribeiro Martins publicou há pouco um opúsculo-GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE. São Paulo, Imprensa Metodista, 1973. Pena que não me tenha ouvido outras vezes. Eu lhe teria contado coisas mais, talvez de interesse para o seu estudo. Aliás, anteriormente, num jornal do Recife -JORNAL DO COMMERCIO- este simpático e bem intencionado cronista de coisas evangélicas no Brasil já vinha recordando meus contatos de adolescente -o que também o fizera no DIARIO DE PERNAMBUCO-com o evangelismo, quando quase menino de l7 anos. Contatos e tendências de que me orgulho. Duraram ano e meio. Mas ano e meio que me enriqueceram a vida e o conhecimento da natureza humana, no sentido de relações dos homens com Deus e com o Cristo, que é um sentido de que ainda hoje guardo comigo parte nada insignificante.".

GILBERTO MENDONÇA TELES, in CORRESPONDÊNCIA. Rio de Janeiro, 27.02.2007: “MÁRIO RIBEIRO MARTINS é meu companheiro na Academia Goiana de Letras, mas ambos vivemos fora de Goiânia: ele em Palmas, no Tocantins; eu no Rio de Janeiro, de modo que raramente nos vemos em Goiânia. Mas no ano passado fui fazer uma conferência em Palmas e tive o prazer de encontrá-lo, com Isabel dos Santos Neves (Belinha), à minha espera no aeroporto. Os passeios, os jantares, a conversa agradável na sua possante caminhonete com ar refrigerado, tudo me foi revelando uma pessoa admirável, que eu só conhecia mesmo pelo trabalho de pesquisador cultural do Centro-Oeste. Homem cordial, culto, de conversa cativante e conhecedor apaixonado da realidade em que vive — Goiás e Tocantins, por onde fluem os mais importantes rios do Brasil — MÁRIO MARTINS realmente me cativou e me deu consciência da sua importância na consolidação cultural do novo Estado. Livros como Escritores de Goiás, Dicionário biobibliográfico de Goiás e Dicionário biobibliográfico do Tocantins, para ficar apenas nesses, são uma notável trilogia que dá bem uma amostra de seu poder de pesquisa e organização, suficientes para comprovar o valor da sua contribuição na leitura do mapa cultural da região do Centro-Oeste. Daí a minha admiração pelo seu trabalho intelectual, que reitero”.

GINO FREY, in LETRAS ITAOCARENSES. Itaocara, RJ, 8 de setembro de l995: "O intelectual de Anápolis, Goiás, Mário Ribeiro Martins, lançou o seu livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, obra que já se encontra nas livrarias. São mais de 1.500 verbetes dentro do Dicionário Biobibliográfico dos Escritores de Goiás, além de outros assuntos importantes, entre os quais, Poetas e Escritores do Evangelismo Brasileiro, Academia Goiana de Letras, Ministério Público, Escritores Nacionais, Jornalistas e Articulistas de Goiás, etc".

GUIDO BILHARINHO, in DIMENSÃO. Uberaba, MG, 25 de agosto de 1995: "Recebi e agradeço o exemplar de ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, com 1.052 páginas, livro de Mário Ribeiro Martins, cuja aquisição me foi por demais proveitosa. Dada a histórica, geográfica e cultural ligação de Goiás com o (futuro) ESTADO DO TRIÂNGULO, a obra em referência, com centenas de nomes procedentes das Minas Gerais e agora radicados em terras goianas, é da mais alta importância para todos que, aqui, participam, de um modo ou de outro, da construção de um patrimônio cultural comum".

GUIMARÃES LIMA, in O POPULAR. Goiânia, 22 de março de l983: "E poucas academias têm o privilégio de possuir em seu seio os cultores da Ciência de Platão-a Filosofia. Mário Ribeiro Martins será a sua estrela solitária. Com suas idéias, ele vai abastecer a Academia Goiana de Letras. Autor de um livro específico sobre o assunto-o FILOSOFIA DA CIÊNCIA, além de centenas de artigos publicados em jornais e revistas, sobre os problemas filosóficos. Mário Martins, escritor, professor universitário e Promotor de Justiça chega à Academia de Colemar Natal e Silva com um cabedal de conhecimentos extraordinariamente grande que só contribui para engrandecer as letras goianas".

HAYDÉE JAYME FERREIRA, in CORREIO DO PLANALTO. Anápolis, 18 de outubro de 1980: "O interessante, Professor Mário, é que deve ter havido entre nós, uma comunicação telepática, independente da nossa vontade e do nosso conhecimento. Lendo os seus artigos, quando da revisão, aqui na redação do jornal, verifiquei tratar-se de um mestre da lingua portuguesa, dada a forma escorreita como escreve e transmite suas idéias. Claro, objetivo, conciso, seu estilo agrada sobremaneira e permite concluir a razão por que a sua presença está inserida em jornais como DIARIO DE PERNAMBUCO, JORNAL DO COMMERCIO DO RECIFE, JORNAL BATISTA, do Rio de Janeiro, O POPULAR, FOLHA DE GOIAZ, DIÁRIO DA MANHÃ e tantos outros espalhados pelo Brasil".

HÉLIO DE BRITO, in CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA. Goiânia, 26 de maio de 1999: “Com anuência do PLENÁRIO, envia correspondência ao escritor Mário Ribeiro Martins, expressando-se efusivos cumprimentos deste poder LEGISLATIVO, pelo lançamento do seu livro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS. Muito nos deixa orgulhosos a ilustre iniciativa de Mário Ribeiro Martins, ao formular o vasto Dicionário Biobibliográfico de Goiás, obra esta que, sem resquício de dúvida, irá corroborar com o fortalecimento dos alicerces sustentadores da literatura goiana. Mais do que um eficiente meio de pesquisa, o livro possui a notável proposta de reestruturar e conservar nomes inolvidáveis, responsáveis pela formação e consolidação da história literária de Goiás. Além disso, assume a importante incumbência de difundir o trabalho de escritores de nossa atualidade, que, por sua vez, jamais deverá se tornar imemorável perante as gerações seguintes”.

ILDIBAS ANTONIO DO NASCIMENTO(Diretor Geral do CAB), in CORRESPONDÊNCIA. Recife, 13.02.2007: “Com imensa satisfação o Colégio Americano Batista expressa sua gratidão pelo DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Enviamos um carinhoso abraço ao nosso ilustre EX-ALUNO e relembramos que o CAB continua zelando pela divulgação dos valores eternos que foram defendidos pelos pioneiros fundadores desta casa nos idos de 1906”.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO, via Correspondência. Rio de Janeiro, 29.03.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, o IHGB, reconhecido à cativante gentileza de Vossa Senhoria, agradece-lhe as publicações, a seguir mencionadas RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS e DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS que enriquecerão sua biblioteca. Atenciosas saudações, Corrêa e Castro”.

IRON JUNQUEIRA, in JORNAL O TOPNEWS. Goiânia, 25 de novembro de l996: "A mais completa enciclopédia de autores goianos, a que mais abrange escritores, jornalistas e intelectuais, é de autoria de um garimpeiro tenaz e meticulosamente indagador, o Professor Mário Ribeiro Martins que escreveu o livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS e mais recentemente ESCRITORES DE GOIÁS. Não há quem milite nas letras que escape desse intelectual que, antes de ser Promotor de Justiça, devia ser Promotor de Cultura. Seu livro recebeu avaliação dos mais consagrados críticos e é conhecido por todo o Brasil, estando presente nas mais diferentes bibliotecas particulares, municipais, estaduais e nacionais. Uma coisa se pode garantir: SE ELE NÃO CONHECE UM ESCRITOR ESTREANTE, ANÔNIMO, É SÓ POR ENQUANTO. UM DIA ELE VAI BATER À SUA PORTA OU LHE TELEFONAR".

INOCÊNCIO CANDELÁRIA, in DIARIO DE MOGI. Mogi das Cruzes, SP, 05 de julho de 1979: "Em sequência a esse fato, tomamos conhecimento do talento, da cultura e da produção literária de Mário Ribeiro Martins, escritor, professor universitário e Promotor de Justiça na cidade de Anápolis, em Goiás, autor de vários livros-destacando-se GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE e FILOSOFIA DA CIÊNCIA- e nome dos mais expressivos da cultura goiana, eis que, membro de dezenas de entidades culturais no Brasil e exterior, além de Presidente da Federação das Instituições Culturais de Anápolis".

IVAN MENDONÇA, in O POPULAR. Goiânia, 28 de julho de l996: "Já nas melhores livrarias, o livro ESCRITORES DE GOIÁS, de Mário Ribeiro Martins. O autor, Professor Universitário, Promotor de Justiça na cidade de Anápolis, membro da Academia Goiana de Letras, escreveu um livro para a posteridade, destacando aspectos interessantíssimos da literatura goiana, além de incursões pela literatura nacional. Com 815 páginas e mais de 1.800 verbetes, focalizando nomes de pessoas que nasceram, viveram ou escreveram sobre Goiás. Trata-se de texto de leitura obrigatória".

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS(Presidente da Academia Paulista de Letras), in DEDICATÓRIA do Livro CEM SONETOS. São Paulo, 07.12.2006: “Prezado acadêmico Mario Martins, agradeço, sensibilizado, o obséquio de 2(dois) exemplares(para a Academia e para mim), de seu belo DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, de fina sensibilidade e de importância histórica para as letras nacionais, retribuindo-lhe com o meu CEM SONETOS, publicado em 2006”.

JAIME CÂMARA, in O POPULAR. Goiânia, 22 de março de 1983: "Mário Ribeiro Martins chega à Academia Goiana de Letras com uma bibliografia interessantíssima. Poderia discorrer aqui, por muitas horas sobre a vida e a obra desse cultor da ciência de Platão, tão rica de exemplos edificantes, tão cheia de episódios que não só o engrandecem, mas dignificam a Casa que, agora, ele passa a integrar. Há homens que enchem a sua época, pelas qualidades que possuem, pela atividade que desenvolvem, pelos serviços que prestam à coletividade. São expoentes da cultura, repositórios da sabedoria, da inteligência, do talento, da criatividade. São homens simples, na maioria das vezes, mas de uma imensa grandeza de coração. Mário Ribeiro Martins que hoje transpõe os umbrais da Academia Goiana de Letras é um desses homens".

JERUZA BORGES, via e-mail. Brasília, DF, 10.06.2007: “Ontem eu dei uma lida no livro sobre os americanos e também brasileiros que ajudaram no trabalho evagelístico no Brasil, e vi sobre D. Zênia, que bom!!! Acho que ela gostaria de saber. Não sei se vc já se comunicou com ela ou enviou p/ ela. Nós, eu, Luiz Carlos e Paulo estivemos com ela em janeiro/2007. Fomos lá em Pirambu onde ela mora. Ela ficou muito feliz em nos ver e quis notícias suas. Ela sempre fala em vc, querendo algum contato. Acho que ela ficaria muito feliz se vc enviasse esse livro e escrevesse algo p/ ela ou ligasse. Nós ficamos até procupados porque ela mora só e vive somente com a aposentadoria dela, parece que as igrejas onde ela trabalhou não a ajudam. Ela tem uma vida bem simples e acredito que só não passa dificuldades porque Deus é fiel. A oração dela em relação a isso é que Lula dê aumento para os aposentados. Ele deu agora parece-me que 3,5% o que deve representar uns R$ 20,00 reais de aumento p/ ela que ganha menos de dois sal. Mínimos. Quanto aos americanos, acredito que a colaboração deles para o evangelho no Brasil foi muito valiosa e a homenagem e reconhcimento que vc faz no seu livro é louvável. Foram eles que trouxeram o evangelho para nós, colaborando demais com construção de templos e escolas. Lembrei-me dos americanos que iniciaram a Faculdade Teológica Batista de Brasília - FTBB. O Pr Dwey Muholland e sua esposa Edith, a Miss. Mabel Sheldon iniciaram seu ministério aqui lá no Piauí, num Instituto Bíblico que foi transferido p/ Brasília se tornando na FTBB. Eles se aposentaram e voltaram para os EUA, mas o filho do casal (que nasceu no PI) é o vice-reitor da UNB - Timothy Muholland. Temos um outro casal Laurence e Maria Rea que se aposentaram e escolheram viver aqui em Valparaizo-GO. São boas lembranças e que bom que alguém reconhece o trabalho deles. P A R A B É N S!!!”.

J. LEITE SOBRINHO, in JORNAL DA PARAÍBA. Campina Grande, PB, 12 de novembro de 1981: " Mário Ribeiro Martins, Promotor de Justiça, escritor, poeta, jornalista e professor é um dos mais ilustres nomes das letras em Goiás, exercendo também outros papéis relevantes na cultura daquele Estado. Autor de centenas de artigos em jornais e revistas especializadas, bem como de dezenas de livros, entre os quais, poder-se-ia relembrar CORRENTES IMIGRATÓRIAS NO BRASIL, SUBDESENVOLVIMENTO-UMA CONCEITUAÇÃO ESTÁTICA E DINÂMICA, ESBOÇO DE SOCIOLOGIA, SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE, etc".

JOANYR DE OLIVEIRA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 18 de agosto de 1995: "No último domingo, por acaso, vi em mãos de um amigo, um exemplar de seu livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS. Tive a grata surpresa de nele encontrar dois verbetes sobre mim, razão por que me apresso em escrever para agradecer-lhe pelo privilégio de estar presente em tão valiosa obra, certamente a mais importante no gênero editada no Planalto Central. Meus calorosos aplausos por páginas tão ricas de informações, que passam a ser de consulta obrigatória, especialmente por escritores, professores e estudantes de literatura".

JOÃO ROSA, in O COMERCIÁRIO. Anápolis, 10 de maio de 1996: "Mário Ribeiro Martins, embora Promotor de Justiça, dedica boa parte de seu tempo, ao levantamento das letras em Goiás, daí o seu livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, com mais de 1.051 páginas, focalizando nomes interessantíssimos de pessoas que já escreveram livros e estão, de alguma forma, ligados à literatura goiana. Formado em Teologia, Filosofia, Sociologia e Direito, além de curso de Mestrado. Membro da Academia Goiana de Letras, está também vinculado a várias outras instituições no Brasil e Exterior".

JOAQUIM ROSA, in JORNAL OPÇÃO. Goiânia, 18 de maio de 1979: "Moral da história- FILOSOFIA DA CIÊNCIA- de Mário Ribeiro Martins, é um livro que deve ser lido até por quem sofre de alergia por filosofias, mas gosta de aprender, ainda que dobrando o famoso Cabo das Tormentas, como este escrevinhador. O texto produzido pelo Promotor de Justiça e Professor Universitário de Anápolis é extraordinário e tem recebido os melhores elogios. Quanto a mim, continuo com o mesmo pensamento sobre o assunto: A FILOSOFIA É TÃO IMPORTANTE PARA A VIDA, QUE A VIDA, SEM ELA, SERIA A MESMA COISA".

JOEL DE SANT’ANNA BRAGA(Presidente do Colégio de Procuradores de Justiça), via Correspondência. Goiânia, 28.03.1983: “Cumpre-me, em virtude de decisão unânime desse Colendo Colégio de Procuradores, apresentar a Vossa Excelência, congratulações pelo ingresso brilhante e merecido na Augusta Academia Goiana de Letras, o que enobrece e dignifica a Instituição do Ministério Publico Goiano, fileiras a que pertence o nobre colega, como Promotor de Justiça da Comarca de Anápolis. Ao ensejo, receba os cumprimentos do Colegiado, com os protestos de elevada estima e apreço”.

JOSÉ DE MOURA FILHO, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, l2 de setembro de l996: "Foi motivo de júbilo para este Desembargador receber tão importante obra, aqui em Palmas, no Tribunal de Justiça do Tocantins, intitulada ESCRITORES DE GOIÁS, de sua autoria, publicada agora em l996. Trata-se, na verdade, de livro indispensável para conhecermos melhor a história e os valores literários dos escritos e escritores de nossa região, incluindo nomes de relevância tanto em Goiás quanto no atual Estado do Tocantins. Continue, nobre escritor Mário Ribeiro Martins, pois o seu continuar é também o seu preservar na imortalidade".

JOSÉ DOS REIS PEREIRA, in JORNAL BATISTA. Rio de Janeiro, l5 de novembro de 1972: "Mário Ribeiro Martins foi lançado por este jornal com uma série de artigos sobre Gilberto Freyre e sua adolescência religiosa, sendo hoje, um dos melhores articulistas deste e de outros órgãos da imprensa nacional. Quanto ao seu livro recentemente lançado, o GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, publicado pela Imprensa Metodista, em São Paulo, é o resultado da série de artigos produzidos por Mário Martins, tanto para este jornal, como para o JORNAL DO COMMERCIO, do Recife, focalizando a adolescência protestante de Gilberto Freyre vivida, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos da América".

JOSÉ FARIA NUNES, in JORNAL DA TERRA. Caçu, Goiás, 15 de setembro de 1999: “Ao ser lançado em Caçu, no dia 26 de agosto de 1999, alcançou extraordinário sucesso, o livro do Procurador de Justiça e Escritor Mário Ribeiro Martins. Trata-se do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS, com 1230 páginas e 2.500 biografias. É um trabalho esmerado que retrata pessoas que nasceram, viveram ou passaram pelos Estados de Goiás e Tocantins e que, efetivamente, tiveram os seus livros individuais publicados, entre os quais, o autor desta nota, caçuense nato, que publicou seu primeiro livro com o título: CAÇU-UMA CULTURA EM ASCENSÃO”.

JOSÉ JAMIL FERNANDES MARTINS, Presidente do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins, via Correspondência. Palmas, 17.11.2005: “Agradeço a gentileza do livro de sua autoria RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS, oportunidade em que parabenizo-o pela obra e apresento meus sinceros votos de pleno e continuado êxito na carreira literária, já tão bem solidificada através de livros como DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS, DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS e muitos outros”.

JOSÉ MENDONÇA TELES, in GENTE & LITERATURA. Goiânia: UCG, 1983, página 127: "As obras de Mário Ribeiro Martins refletem a inquietação de um moço diante de um mundo em constante movimentação, com bruscas e amargas transformações, e, como testemunho de seu tempo, acredita na força da criação literária, como medida capaz de conduzir os homens às universalidades da cultura e do pensamento. Sua vida literária é das mais profícuas. Participante ativo de vários congressos e seminários sobre cultura, tem prestado excelente contribuição, como articulista, nos jornais e revistas de Goiânia, Anápolis, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul, entre outros, escrevendo sobre temas sociológicos, educacionais, filosóficos, teológicos, econômicos, psicológicos e de crítica literária. Seu livro LETRAS ANAPOLINAS é uma antologia que fica e há de ensebar-se nas mãos do tempo, pois só se conhece a história de uma cidade, depois de conhecer a história dos homens que a cantaram em prosa e verso".

JOSÉ PEREIRA DA COSTA, in BOLETIM INFORMATIVO DA AGMP. Goiânia, 10 de novembro de 1984: "Lançado, em reunião festiva nesta Associação, o livro LETRAS ANAPOLINAS, de autoria do ilustre colega Promotor de Justiça Mário Ribeiro Martins. Com prefácio do Ex-Procurador Geral de Justiça do Estado de Goiás, Dr. Ursulino Tavares Leão e notas de orelha do escritor José Mendonça Teles, o texto é uma antologia muito bem cuidada, de poesia e prosa, com mais de seiscentas páginas e cerca de duzentos nomes estudados, entre jornalistas, poetas e escritores da próspera cidade de Anápolis, onde o autor se destaca também como Professor Universitário".

JUAREZ MOREIRA FILHO, in PERFIL DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS. Palmas, 2004: “Mário Ribeiro Martins, Procurador de Justiça, ensaísta, dicionarista, historiador e pesquisador brasileiro. Portanto, trata-se de um homem culto, preparado e que pertence a várias entidades culturais, sociais e de classe. É membro de dezenas de academias, excelente conferencista, orador, pesquisador assíduo, jurista, sociólogo, filósofo, teólogo e educador. Tomou posse como membro da Academia Tocantinense de Letras, na minha gestão como Presidente, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil, em Palmas, no dia 05.04.2002”.

JULIO ALVES, in FOLHA DE GOIAZ. Goiânia, 13 de março de l982: "SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL é o mais novo livro do professor Mário Ribeiro Martins. Com mais de quatrocentas páginas, o compêndio aborda os principais temas da disciplina. Trata-se, na verdade, de uma outra dimensão didática da Sociologia, em são focalizados assuntos como o ÂMBITO GERAL DA SOCIOLOGIA, CONCEITOS BÁSICOS DE SOCIOLOGIA, CATEGORIAS SOCIAIS, DESENVOLVIMENTO E URBANIZAÇÃO, SOCIOLOGIAS ESPECIAIS, SOCIOLOGIA E DIREITO, A SOCIOLOGIA NO BRASIL E EM OUTROS PAISES".

LAILA NAVARRETE, in JORNAL OPÇÃO. Goiânia, 12 de março de 1995: "Do Promotor de Justiça de Anápolis e Escritor Mário Ribeiro Martins, recebemos o livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, levantamento completo da literatura goiana, incluindo até Dicionário de escritores, com 1.051 páginas, em que um dos 1.500 verbetes, biografa a autora desta coluna que, nos idos de 1974, publicou o livro de poesias ESPELHO FOSCO, com prefácio de Ursulino Leão e notas de orelha de Anatole Ramos".

LEILA MICCOLIS, in BLOCOS. Rio de Janeiro, 15 de agosto de 1995: "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS é o mais novo livro de Mário Ribeiro Martins, contendo 1051 páginas(não é erro gráfico não: são 1051 páginas, mesmo!), abrangendo Dicionário Biográfico dos Escritores de Goiás, além de textos do autor sobre personalidades da Literatura Nacional, do Evangelismo Brasileiro, do Ministério Público, da Academia Goiana de Letras, incluindo entrevistas culturais, prefácios, referências literárias, bem como relação das obras publicadas pelo autor nas mais diferentes áreas".

LENNA BORGES, in JORNAL DO TOCANTINS. Palmas, Tocantins, 10.06.2007: “Livro retrata missionários americanos. O escritor Mario Ribeiro Martins, membro da Academia Goiana de Letras e da Academia Tocantinense de Letras, autor do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, lançou, recentemente, o livro MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO, em Goiânia e Anápolis. A obra já está nas livrarias de Palmas”.

LEONICE PESCI VIDOTTO, in JORNAL DA COMARCA. Osvaldo Cruz, SP, 25 de agosto de 1995: "Seu livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS é obra-prima que faz o Brasil se orgulhar de seu autor. Para reunir autores tantos e desenvolver o trabalho em si, só mesmo um gênio escolhido pelo olhar de Deus. Seu carisma floriu a messe cultural brasileira... e, ao me incluir... me fez também a sua jornada, caminho, incentivo e esperança. Lutador sem fronteiras, Mário Ribeiro Martins, além de tudo, é um ser humano consciente de sua importante missão no mundo".

LIBERATO PÓVOA (JOSÉ LIBERATO COSTA PÓVOA), in FOLHA DE ANÁPOLIS. Anápolis, 27 de janeiro de 1998: "Mário Ribeiro Martins, conceituado estudioso da literatura e autor de incontáveis obras nos campos da Sociologia, Biografia, História, Literatura, Filosofia e outros, além de ensaísta, crítico literário, traz a público sua valiosa obra ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, que vem preencher uma grande lacuna nesta parte específica da literatura. A par de trazer um estudo biobibliográfico de centenas de autores das mais diferentes procedências, mas que produziram frutos em Goiás e no Tocantins, mostra ser uma obra imprescindível a todos os que militam no campo literário, mormente da pesquisa, demonstrando, de forma irrefutável, a riqueza literária e cultural de que são detentores estes dois Estados. É uma obra de referência, não só pela pesquisa séria que levou a sua publicação, mas também porque mostra as diversas facetas deste literato, que considero polivalente, posto que desincumbe com a mesma desenvoltura e versatilidade nos diversos campos em que atua, haja vista os ensaios e estudos que compõem a metade das mais de mil páginas desta obra, que mostra tratar-se de um autor consciente, imparcial, que sabe escrever e- o que é mais importante- gosta do que faz, porque faz bem".

LICÍNIO LEAL BARBOSA, in O POPULAR. Goiânia, 16 de junho de 1986: "Em primeiro lugar, os cumprimentos pelo paciente levantamento dos autores que produziram literatura na acolhedora cidade de Anápolis. Gostaria, em seguida, de lhe agradecer a lembrança de me haver incluído o nome entre os escritores anapolinos, cidade que considero o meu berço goiano. Louvo-lhe, por último, o contributo que oferece ao estudo da literatura goiana, através do livro JORNALISTAS, POETAS E ESCRITORES DE ANÁPOLIS, na qual a Manchester Goiana se situa com destaque, augurando-lhe continuar na pesquisa e na divulgação da literatura goiana, com a segurança que o caracteriza".

LUCÉLIA BRAZ DA CUNHA, in O POPULAR. Goiânia, 17 de março de 1995: "O escritor baiano- radicado em Anápolis desde 1975, onde exerce o cargo de Promotor de Justiça e Professor Universitário- Mário Ribeiro Martins acaba de lançar mais uma obra. Desta vez, ele apresenta o livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, onde reúne, em um só volume de mais de mil páginas, produções literárias publicadas em Jornais, Revistas e Livros, além de um bem elaborado DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DOS ESCRITORES DE GOIÁS, focalizando, em órdem alfabética pelo nome de batismo, mais de mil e quinhentos autores que nasceram, viveram ou escreveram sobre as terras goianas".

LUCIANE GOEBEL, in JORNAL DO TOCANTINS. Palmas, 24 de junho de 1999: “O escritor Mário Ribeiro Martins acaba de lançar o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS(Editora Master), uma obra completa que registra vida e obra de autores que nasceram, viveram ou passaram pelo Estado, a partir do século XVIII. São 1.230 páginas e mais de dois mil verbetes, resultantes de quase três anos de pesquisa. O autor também faz referência a Sebastião Rocha Lima, pai de Luiz Fernando Rocha Lima, ex-diretor geral da Organização Jaime Câmara no Tocantins”.

LUIZ CARLOS MENDES, in CORREIO DO PLANALTO. Anápolis, 19 de janeiro de 1980: " Em virtude desta divulgação realizada pela Editora Oriente, o professor Mário Ribeiro Martins vem tendo suas obras-entre as quais FILOSOFIA DA CIÊNCIA-conhecidas em outros países e também laureadas. É o caso da honraria recentemente recebida, qual seja, o DIPLOME DE MEMBRE D"HONNEUR, do Club des Intellectuels Français, em Paris, França, bem como ainda, a distinção LIDER DE LA FECHA SIMBOLO, da Comissión Argentina Permanente Pro 20 de Julio, em Buenos Aires".

LUIZ OTÁVIO SOARES, in O POPULAR. Goiânia, 19 de junho de l979: "O Promotor de Justiça e Professor Universitário Mário Ribeiro Martins lançou há pouco o livro FILOSOFIA DA CIÊNCIA, editado pela Oriente. É um trabalho de novas proposições didáticas, contendo, inclusive, um pequeno dicionário filosófico, além de temas atuais, entre os quais, a questão da filosofia e da liberdade, reflexões sobre o homem e os movimentos filosóficos com repercussão no Brasil, daí a razão por que o livro tem recebido os melhores elogios da crítica especializada".

MARA ROBERTA, in JORNAL DO TOCANTINS. Palmas(TO), 01.10.2002: “Autores na Internet. Quem ainda não teve a oportunidade de ler o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL, do escritor Mário Ribeiro Martins, poderá fazê-lo pela web. É só acessar o site www.usinadeletras.com.br ou www.mariomartins.com.br. O referido Dicionário é uma obra extremamente necessária. Através dele é possível conhecer a biografia e a obra literária de centenas de pessoas que publicaram livros, nascidas ou que viveram ou passaram pelos Estados de Goiás e Tocantins, além de outras regiões do Brasil”.

MARCELO TOSTA, in EMAIL 01@FFE.MAR.MIL.BR (COMANDANTE) Rio de Janeiro, 02 de fevereiro de 2000: “Apraz-me, sobremodo, comunicar a aquisição do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS, uma magnífica obra que retrata a pujança da literatura goiana e do Tocantins, por herança. Laços de amizade ligam-me a Tocantins, pela especial deferência da Turma 1999 da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra-ADESG. Assim, agradeço ter tido a oportunidade de conhecer melhor Goiás e Tocantins, através de seu extraordinário livro”.

MARIÁ SOARES, in JORNAL DO TOCANTINS. Palmas, 23 de março de 2000: “O Procurador de Justiça e escritor Mário Martins pretende ainda este ano elaborar o Dicionário Biobibliográfico do Tocantins. Neste sentido, Martins está recebendo doações de livros e biografias de escritores para comporem o dicionário. A proposta é dar continuidade ao DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS que ele elaborou em 1998. O nome do governador José Wilson Siqueira Campos está no dicionário de Goiás, na página 1038, por ter escrito o excelente livro “GOIÁS E O EMERGENTE ESTADO DO TOCANTINS”.

MARIA ELIZABETH FLEURY TEIXEIRA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 31 de março de 1995: "Fiquei realmente surpresa e encantada com seu livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS. Verdadeira obra prima, de minunciosa pesquisa e de valor inestimável para a literatura goiana, especialmente para seus estudantes e estudiosos. Parabéns pelo fôlego de longo alcance. De coração, agradeço as bonitas palavras sobre mamãe e sua obra. Sei que ela nos acompanha de perto e também está contente com seu livro".

MARIETTA TELES MACHADO, in O POPULAR. Goiânia, 25 de junho de 1978: "De todos os que se manifestaram sobre a minha obra em conjunto, nenhum nela penetrou com mais sabedoria, com mais profundeza, com mais inteligência, dizendo exatamente o que sou e penso, do que Mário Ribeiro Martins. Promotor de Justiça e Professor Universitário, seu trabalho como crítico literário, tem sido dos mais profícuos, focalizando e estudando os diferentes nomes da literatura goiana, desvendando-lhes os segredos, bem como interpretando-os para o mundo literário".

MARIINHA MOTA, in PRESENÇA DE LORENA. Lorena, SP, 09 de novembro de 1978: "O livro GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, do ilustre mestre de Anápolis, Mário Ribeiro Martins, é um documentário importante de fatos até então desconhecidos da crítica, sobre a religiosidade, nos primeiros anos de existência, do conhecido autor de CASA GRANDE & SENZALA. Publicado pela Imprensa Metodista, em São Paulo, o texto se apresenta como excelente contribuição para se conhecer melhor a história da vida de um dos homens mais notáveis deste país, o sociólogo e antropólogo Gilberto de Mello Freyre".

MARINEUSA RIBEIRO, in FOLHA DE GOIAZ. Goiânia, 24 de julho de 1982: "O Promotor de Justiça Mário Ribeiro Martins se destaca em todos os setores culturais de Anápolis, daí a razão por que foi eleito o MELHOR DO ANO, EM LITERATURA, pelo Clube de Imprensa de Anápolis e também DESTAQUE DO ANO, na mesma área, pelo jornal TOP NEWS, de Goiânia. Autor de vários livros, entre os quais, FILOSOFIA DA CIÊNCIA, SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL, tem contribuido para a divulgação do nome de Anápolis, no Brasil e exterior, através das entidades culturais, de que é membro honorário e correspondente".

MÁRIO SOUTO MAIOR, in O ANÁPOLIS. Anápolis, 30 de abril de 2000: “Trata-se do excelente DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS, de Mário Ribeiro Martins que, em boa hora, me veio ter às mãos, no momento exato em que estou trabalhando na segunda edição do nosso Dicionário de Folcloristas Brasileiros. Pesquisando no trabalho de Mário R. Martins encontrei mais de vinte folcloristas goianos. E o nosso dicionário estava muito pobre de folcloristas de Goiás. O DICIONARÃO, de Mário Martins, só tem um inconveniente-não pode ser lido na cama, como é do meu costume, eis que tem cerca de 1230 páginas”.

MERVAL ROSA, via e-mail. Recife, 15.06.2007: “Acompanho com muita alegria sua rica produção literária. Muito grato pelos livros que doou para o STBNB e para o velho professor e amigo que lhe tem grande admiração. Que Deus continue a abençoar esse relevante ministério que você exerce. O STBNB se sente muito honrado por ter no rol de seus ex-alunos um autor de seu nível que muito honra nossa instituição. Muito obrigado por tudo que tem representado para o STBNB. Esperamos que sua produção científica seja uma inspiração para muitas vidas. Um abraço fraterno de seu velho amigo e professor, Merval Rosa”.

MIGUEL JORGE, in O POPULAR. Goiânia, 25 de junho de 1978: "Está surgindo um novo crítico literário em Goiás, Mário Ribeiro Martins, ocupando-se dos escritores goianos com um carinho especial e fazendo um levantamento crítico da literatura feita em Goiás. Procedente do interior da Bahia, nascido em Ipupiara, na Chapada de Diamantina, mas recém-chegado do Recife, onde se formou em Teologia, Filosofia, Sociologia e Direito, é também Jornalista, Articulista e Professor na cidade de Anápolis. Autor de vários livros, entre os quais, GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, HISTÓRIA DAS IDÉIAS RADICAIS NO BRASIL, é um nome que já desponta no meio intelectual goiano".

MIGUEL REALE, in O POPULAR. Goiânia, 23 de outubro de 1979: "Quero cumprimentá-lo pelo seu livro "FILOSOFIA DA CIÊNCIA", de excepcional qualidade, pela modernidade do texto, onde faz referência não somente às minhas obras, entre as quais, FILOSOFIA DO DIREITO, mas também ao Instituto Brasileiro de Filosofia que tive o prazer de fundar, em 1949, na capital paulista, esclarecendo-lhe que o Instituto é formado de secções estaduais, não existindo, em funcionamento efetivo, uma secção goiana, o que é deveras lamentável. Gostaria que escrevesse, nesse sentido, aos seus colegas de Goiânia, inclusive ao Professor Jônatas Silva, cujo endereço é Avenida Goiás, 636, Sala 706, Goiânia, Goiás".

MODESTO DE ABREU, in ANUÁRIO DA ACLERJ. Rio de Janeiro, dezembro de l98l: "Este Anuário está reproduzindo uma entrevista concedida pelo escritor Mário Ribeiro Martins, Presidente da Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras, ao jornal CORREIO DO PLANALTO, da cidade de Anápolis. O entrevistado responde a perguntas interessantíssimas, relembrando inclusive a resposta dada por Olavo Bilac, quando lhe perguntaram, por que os membros das academias eram chamados de imortais, ao que disse o poeta: É PORQUE NÃO TÊM ONDE CAIR MORTOS. Mário Martins, como se sabe, é autor de diferentes livros, entre os quais, "GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE", "SOCIOLOGIA DA COMUNIDADE", "ESBOÇO DE SOCIOLOGIA", etc".

MOURA LIMA, in FOLHA DA CIDADE. Gurupi, To, 31 de março de 2004: “Mário Ribeiro Martins, de Ipupiara, antigo Jordão ou Fundão de Brotas... Retornando ao Brasil, tornou-se brilhante Professor Universitário... Ficou bastante conhecido, como um dos mais notáveis dicionaristas do país... Autor de vasta obra literária, que o coloca na galeria dos grandes vultos da literatura brasileira, notadamente no campo da Sociologia, da Filosofia e da História, destacando-se, dentre elas, GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS, DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS e o grande DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL, via INTERNET, no site www.usinadeletras.com.br ou www.mariomartins.com.br”

MURILO BADARÓ, via e-mail. Belo Horizonte, MG, 19.12.2006, atendimento@academiamineiradeletras.org.br: “A Academia Mineira de Letras agradece o envio dos exemplares do livro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, que, além de enriquecer o nosso acervo, constitui excelente fonte de pesquisa para se conhecer melhor todos aqueles que, no passado e no presente estão vinculados à Academia Brasileira de Letras no Rio de Janeiro”.

NAPOLEÃO VALADARES(Presidente da Associação Nacional de Escritores-ANE), via CORRESPONDÊNCIA. Brasília, DF, 15.12.2006: “Agradecemos pelo precioso livro DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS que enriquecerá nossa biblioteca. Temos certeza de que o livro em apreço é mais uma obra importante e uma excelente contribuição para a Literatura Brasileira. Aproveitamos a oportunidade para manifestar a nossa admiração pelo seu excepcional trabalho literário”.

NEILA VIEIRA MONTEIRO, in CORREIO DO PLANALTO. Anápolis, 20 de setembro de 1978: "Mário Ribeiro Martins, o novo Promotor de Justiça, recentemente concursado, além de ser Professor da Faculdade de Direito de Anápolis, é também autor de vários livros, fez curso de Especialização em Educação Moderna e Sociologia Espanhola na Europa e faz parte da União Brasileira de Escritores de Goiás, sendo também colaborador em diferentes jornais e revistas do país. Entre seus livros, já publicados, destacam-se CORRENTES IMIGRATÓRIAS NO BRASIL, SUBDESENVOLVIMENTO-UMA CONCEITUAÇÃO ESTÁTICA E DINÂMICA, MISCELÂNIA POÉTICA, etc".

NELLY ALVES DE ALMEIDA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 10 de abril de 1995: "Nada há de mais sublime, na nossa sincera opinião, que o trabalho bem definido, sobretudo se ele se insere na área cultural, dignificando a inteligência, sublimando o espírito. É o que sentimos ao ter à frente o substancioso volume ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de autoria de Mário Ribeiro Martins. Convencemo-nos, então, de que o homem, pondo-se a serviço de causas nobres, cumpre, sem dúvida, o mais alto dos destinos. Caminho seguro para pesquisa, ressaltando sua visão de mestre, altamente experimentado. Muito passamos a lhe dever, os escritores goianos".

NENITA NAVARRO, in A FEDERAÇÃO. Itu, São Paulo, 08 de março de 1997: “O jornalista e acadêmico Ednan Mariano Leme da Costa, agradece, por meio desta coluna, ao escritor Mário Ribeiro Martins, Promotor de Justiça, Professor Universitário e membro da Academia Goiana de Letras, a gentileza do livro ESCRITORES DE GOIÁS. Trata-se do retrato completo da Literatura Goiana(817 páginas), contendo, inclusive, Artigos Literários, Dicionário Biobibliográfico, Referências Literárias e belo CURRICULUM VITAE do autor, que nasceu a 7 de agosto de 1943, em Ipupiara, Bahia e reside em Anápolis, Estado de Goiás”.

NICE MONTEIRO DAHER, in FOLHA DE ANÁPOLIS. Anápolis, 07 de agosto de 1997: “Escritor Mário Ribeiro Martins. Acabei de ler, mais uma vez, o seu valioso livro “ESCRITORES DE GOIÁS”, em cujas 817 páginas, encontrei verdadeiras preciosidades literárias. E, mais uma vez, vendo meu nome no rol de tanta gente que honra nossa cultura, senti que me seria agradável agradecer-lhe sinceramente. Seu livro, tão especial em nosso meio intelectual, traz aos escritores nele aconchegados, uma simpática e formidável confiança que nem sempre é nossa companheira”.

NYSA MORAES DE FIGUEIREDO, in ANUÁRIO DA ACADEMIA DE LETRAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro, 0l de dezembro de 1979: "Dr. Mário Ribeiro Martins, Promotor de Justiça do Estado de Goiás, radicado em Anápolis, mas também baiano de nascimento, jornalista, poeta e professor da Faculdade de Direito daquela cidade, é um dos nomes mais representativos da cultura e das letras naquele promissor Estado. Seu livro, GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, publicado pela Imprensa Metodista, em São Paulo, nos conduz a momentos interessantíssimos, ao focalizar a adolescência evangélica do famoso mestre de Apipucos, no Recife, Pernambuco".

ODILON ALVES ROSA, in DIÁRIO DA MANHÃ. Goiânia, 29 de abril de 1982: "O livro do Professor Mário Ribeiro Martins- SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL- tem cunho essencialmente didático, sendo destinado aos estudantes do ciclo básico universitário, numa linguagem clara e acessível. Trata-se de um texto altamente informativo. Não é uma tradução que reflita uma visão sociológica de outros centros de cultura ou que use uma terminologia complexa e abstrata, mas é, antes de tudo, uma experiência já vivida nas salas de aula, com a participação direta dos alunos ou em cursos rápidos, oferecidos em oportunidades diferentes".

OLIMPIO FERREIRA SOBRINHO, in O POPULAR. Goiânia, 27 de dezembro de 1978: "Mário Ribeiro Martins que foi escolhido como Orador Oficial na cerimônia de posse dos novos Promotores de Justiça, aprovado em Concurso Público, realizado pelo Ministério Público do Estado de Goiás, é a expressão maior desta nova geração de intelectuais. Seu discurso, em nome dos trinta e dois novos Promotores de Justiça, todos empossados na presença do Governador do Estado, Dr. Irapuan Costa Júnior, primou pela elegância e pela inteligência, terminando por concitar a todos para refletir na expressão latina-OMNIA SUB LEGE ET CONSTITUTIONE-tudo e todos, sob o império da Lei e da Constituição".

PAULO BERTRAN, in O ANÁPOLIS. Anápolis, 28 de setembro de 1998: “Ao prezadíssimo Dr. Mário- Historiador e Memorialista, com meus cumprimentos especiais por seus “salvados” históricos importantíssimos, seja através de “LETRAS ANAPOLINAS”, “JORNALISTAS, POETAS E ESCRITORES DE ANÁPOLIS”, “ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS”, “ESCRITORES DE GOIÁS” ou “DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS”. Com os abraços “ANTESINOS”(é nosso verdadeiro gentílico anapolino, das Antas). Foi inventado por Moisés Santana em homenagem- que virou Grupo Escolar- “O ANTESINA SANTANA”, primeira filha do Moisés. A nascida em Antas, portanto ANTESINA, um belo gentílico. Com o carinho do ANTESINO, Paulo Bertran”.

PAULO CÉSAR DOS SANTOS, in CASCATA DE VERSOS. Petrópolis, RJ: Editora Pirilampo, 1987, página 145: "Mário Ribeiro Martins é Promotor de Justiça e Presidente de várias entidades culturais e seculares. Autor de diversos livros, entre os quais, LETRAS ANAPOLINAS, FILOSOFIA DA CIÊNCIA, JORNALISTAS, POETAS E ESCRITORES DE ANÁPOLIS, SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL. Membro honorário e correspondente de inúmeras instituições literárias, dentre outras, Academia de Letras do Estado do Rio de Janeiro, Academia Petropolitana de Poesia Raul de Leoni, Academia de Letras e Artes de Pernambuco".

PAULO NUNES BATISTA, in O POPULAR. Goiânia, 7 de novembro de 1976: "É que Mário Ribeiro Martins é dono de um invulgar poder de síntese, aliado a uma cultura geral respeitável. Dominando o idioma com total segurança, estudioso do evangelismo nacional em todos os seus aspectos, o autor de GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE trouxe revelações importante sobre a vida do mais ilustre sociólogo e antropólogo brasileiro. Seu livro, editado pela Imprensa Metodista de São Paulo, com prefácio do Pastor batista Ebenézer Gomes Cavalcanti e observações do Professor Universitário Robinson Cavalcanti, trata exatamente da adolescência evangélica do produtor da obra classica CASA GRANDE & SENZALA".

PAULO VERANO, via e-mail(paulo.verano@barsaplaneta.com.br). São Paulo, 10.07.2007: “Prezado Dr. Mario Ribeiro Martins, acuso o recebimento dos livros DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRAFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO, cuja qualidade é extraordinária, capas bem produzidas, diagramação perfeita, aproveitando para parabenizar pelas duas obras publicadas. Atenciosamente, Paulo Verano, Diretor Editorial Barsa Planeta Internacional Ltda”.

RAIMUNDO RODRIGUES DE ALBUQUERQUE, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 31 de dezembro de 1995: "Estou roubando-lhe o tempo para lhe dar os parabéns por esta obra extraordinária "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS" que recebi ontem, como presente do irmão maçon Aristóteles de Lacerda Júnior. Fico-lhe grato, Mário Martins, e obrigado por me ter incluído em tão excelente volume. O livro é de um valor inimaginável. Apesar dos meus setenta e seis anos, estou em plena atividade literária. Morei muitos anos em Vianópolis, Paraúna, Inhumas, Palmeiras de Goiás, fundando ginásios e jornais. Iniciei no magistério o Modesto Gomes da Silva, filho do extraordinário poeta Floriano Gomes que, infelizmente, não publicou suas poesias. Em Vianópolis, junto com Issy Quinan, nos idos de 48, fundei o jornal local. Seu livro me trouxe gratas recordações de homens e mulheres, jovens e adultos que se tornaram grandes literatos em Goiás".

REGINA CÉLIA TORMIN, via e-mail. Em 08.07.2007: “Olá, Mário, sou eu novamente incomodando você. Porém, é para dar boas notícias. Entrei em contato com Bariani e José Mendonça Teles e grata foi a surpresa por encontrar pessoas tão atenciosas e disponíveis em ajudar. Bariani parece ser encantador e grande conhecedor de dicionários, já que esta é a sua profissão: dicionarista. José Mendonça não mediu esforços em me ajudar e enviará o material que tem sobre a obra. Estou muito feliz e grata a você que é o responsável por eu estar conseguindo elaborar o meu projeto. Ambos perguntaram o meu grau de parentesco com Dr. Paulo Tormin o que talvez até exista. Esse sobrenome é do meu marido, natural de Araxá. O pai dele era de Sacramento, próximo a Uberaba e coincidentemente, os familiares do Dr. Paulo também. Bariani me disse que ele havia acabado de se encontrar com Dr. Paulo que estava fazendo caminhada como ele. Gostaria muito de, um dia, conhecê-los pessoalmente. Porém, enquanto isso não ocorre, sempre que puder manterei contato e espero que você mande "bilhetinhos" para mim. Minha mãe sempre falava que a gratidão é o sentimento que torna as pessoas diferentes, melhores. E é esse sentimento que tenho agora em mim e me faz melhor. Obrigada e que Deus o proteja”.

REIS DE SOUZA, in REVISTA BRASÍLIA. Brasília, DF, 02 de abril de 1982: "Professor Universitário, Promotor de Justiça, Escritor fecundo, Mário Ribeiro Martins é o INTELECTUAL DO ANO DE GOIÁS, em pesquisa realizada pela Agência de Notícias Brasília, com diversificada atividade literária e biobibliografia impressionante para um jovem de trinta e poucos anos. Baiano de nascimento, Pernambucano de formação intelectual, mas radicado em Anápolis, onde preside diferentes instituições literárias, o autor de SOCIOLOGIA GERAL & ESPECIAL fez cursos de Especialização em Madrid e Alcalá de Henares, na Espanha, além de viagens culturais a Portugal, Inglaterra e França".

RENATO BERBERT DE CASTRO, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 10 de março de 1996: "Tive a oportunidade de examinar, na Fundação Clemente Mariani, aqui em Salvador, na Bahia, a obra do também baiano, Escritor, Professor Universitário e Promotor de Justiça Mário Ribeiro Martins. Seu belo trabalho sobre os escritores de Goiás, intitulado ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, é um importante estudo, de consulta permanente, que não pode faltar em qualquer boa biblioteca. Chamou-me especial atenção seu artigo alí inserido, denominado "JORGE AMADO E O COLÉGIO ESPERANÇA", no qual há informações pouco conhecidas de algumas facetas da vida do autor de GABRIELA, CRAVO & CANELA".

RICARDO ALFAYA, in INFORMATIVO NOZARTE. Rio de Janeiro, 25 de setembro de 1995: "Com 1.051 páginas, o livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de Mário Ribeiro Martins, trata da vida e obra de centenas de escritores de Goiás, trazendo vários trabalhos literários do autor, além de informações especialíssimas sobre consagrados autores nacionais, entre os quais, Gilberto Freyre, Érico Veríssimo, Jorge Amado, Joaquim Nabuco, todos estudados com carinho especial pelo ilustre baiano que se encontra radicado em terras goianas".

ROBERTO DE SOUZA SALLES(Reitor da Universidade Federal Fluminense), via CORRESPONDENCIA. Niterói, 14.06.2007: “Ao Dr. Mario Martins. Agradeço a Vossa Senhoria, a gentileza do envio dos livros DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO, traçando um retrato da História do Brasil. Em nome da Universidade Federal Fluminense, coloco-me à disposição para colaborar no que for preciso para o engrandecimento das letras em nosso país”.

ROBERTO PIMENTEL, in FOLHA DE GOIAZ. Goiânia, 05 de agosto de l979: "Entre os nomes que focalizaram a obra de Ursulino Tavares Leão, está o crítico literário Mário Ribeiro Martins que se apresenta como um dos mais significativos autores vivendo hoje no Estado de Goiás. Seu trabalho, na divulgação dos escritores goianos, através de artigos de jornais e revistas, tem sido formidável e recebido os melhores elogios. Pela instrumentalidade do BOLETIM PERFIL, órgão noticioso da Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras, de que também é Presidente, tem conduzido o nome de Goiás aos demais Estados da Federação".

ROBINSON CAVALCANTI, in JORNAL DO COMMERCIO. Recife, 21 de fevereiro de 1973: "Mário Ribeiro Martins focaliza, neste jornal, o evangélico Gilberto Freyre não somente no Brasil, mas também nos Estados Unidos. Aqui, quando era aluno do Colégio Americano Batista Gilreath do Recife, de que seu pai, Alfredo Freyre, era Diretor. E lá, como membro da SEVENTH & JAMES BAPTIST CHURCH, em Waco, Texas, além de aluno de vários seminários e universidades protestantes, entre os quais, a Universidade Batista de Baylor. Nesta, defendeu sua tese de mestrado "SOCIAL LIFE IN BRAZIL IN THE MIDDLE OF THE 19TH CENTURY", posteriormente transformada em CASA GRANDE & SENZALA. De parabéns, o historiador Mário Ribeiro Martins pela série de crônicas que tem escrito nesta jornal sobre o período evangélico da vida do MESTRE DE APIPUCOS".

ROSEMARY LOPES PEREIRA, in O RADAR. Apucarana, PR, 01 de agosto de l996: "Mário Ribeiro Martins, Promotor de Justiça, Professor Universitário, membro da Academia Goiana de Letras, historiador, grande estudioso da literatura nacional, dedicou sua mais recente pesquisa aos escritores goianos que são muitos e bons, lançando o livro "ESCRITORES DE GOIÁS", proporcionando aos leitores profundos conhecimentos sobre a vida e a obra de magníficos autores, dando uma visão do trabalho literário e cultural daquele Estado que empresta brilho às letras brasileiras, destacando, entre outros, a figura de Cora Coralina que encantou a todos, falando da natureza e da vida em seu BECOS DE GOIÁS E ESTÓRIAS MAIS".

ROSENWAL FERREIRA, in JORNAL OPÇÃO. Goiânia, 19 de março de 1995: "Adquiri o grosso volume- 1.051 páginas- do livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, e logo nas primeiras duzentas páginas percebe-se que é uma obra criteriosa, equilibrada, escrita com a seriedade de quem pesquisou muito: o autor é o conhecido e respeitado Professor Universitário, Promotor de Justiça, membro da Academia Goiana de Letras, Mário Ribeiro Martins. Vale a pena conferir. E certamente será uma história dos textos literários de nossa terra".

RUBENS GONÇALVES, in JORNAL DO TOCANTINS. Palmas, 14.11.2002: “Conhecido por sua extensa pesquisa sobre autores goianos e tocantinenses, o escritor Mário Ribeiro Martins resolveu inovar. Lançou no início deste ano, o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL. Até aí, nada demais, não fosse o fato de o material estar disponível apenas na Internet, no seguinte endereço: www.usinadeletras.com.br ou www.mariomartins.com.br Constantemente atualizado, o Dicionário já reune a biografia de mais de dez mil escritores, com livros efetivamente publicados. O objetivo é fazer com que pesquisadores e as pessoas de modo geral, conheçam autores de difícil acesso ou seja aqueles que não são facilmente encontrados em Enciclopédias.”

SEBAS SUNDFELD, in O MOVIMENTO. Pirassununga, SP, 15 de outubro de 1978: "Mário Ribeiro Martins, Professor Universitário e Promotor de Justiça, é autor de vários livros de qualidade, entre os quais, CORRENTES IMIGRATÓRIAS DO BRASIL, HISTÓRIA DAS IDÉIAS RADICAIS NO BRASIL, SUBDESENVOLVIMENTO-UMA CONCEITUAÇÃO ESTÁTICA E DINÂMICA, MISCELÂNIA POÉTICA, etc. Chamou-nos, no entanto, atenção especial, seu livro intitulado GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE, em que a vida do antropólogo pernambucano é focalizada, sob um prisma diferente ou seja, o enfoque evangélico de sua adolescência, questão pouco divulgada ou mesmo não divulgada pelos seus biógrafos".

SÓCRATES OLIVEIRA DE SOUZA, via dedicatória do livro 100 ANOS DA JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA. Rio de Janeiro, 24.05.2007: “Ao meu amigo Mario Ribeiro Martins, uma das mentes mais brilhantes que conheço”.

SONIA MARIA FERREIRA, in JORNAL ATUAL. Goiânia, 0l de julho de l996: "A Estante do Livro do CECULCO(CENTRO DE CULTURA DO CENTRO-OESTE) recebeu um exemplar do livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de autoria do escritor Mário Ribeiro Martins. O autor, membro da Academia Goiana de Letras, da União Brasileira de Escritores e do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, além de outras instituições nacionais e internacionais, faz uma análise completa dos diferentes aspectos da literatura goiana, incluindo em seu dicionário verbetes sobre jornalistas, articulistas e literatos de Goiás, bem como discursos e artigos sobre alguns escritores de outros Estados Brasileiros".

STELLA LEONARDOS, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 10 de julho de 1995: "Muito grata pela oportunidade de adquirir ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS. Não há a menor dúvida de que o amigo contribuiu- e como!- para a divulgação da literatura goiana. Amanhã mesmo, vou mostrar o livro a Plínio Doyle(no famoso SABADOYLE) e a Sylvia Jacinto, que lá estará, entre outros escritores. Seu livro constará do MUSEU DA CASA DE RUI BARBOSA, o que é importante, eis que obra meritória, digna de aplauso geral".

STÊNIO CARVALHO DE LIMA, in NÁUTICO NOTÍCIAS. Fortaleza, CE, 10 de dezembro de 1995: "Desejo, neste espaço de A FALA DO PRESIDENTE, destacar o recebimento de precioso livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de autoria do Promotor de Justiça e Professor Universitário Mário Ribeiro Martins, também membro da Academia Goiana de Letras, texto editado pela Federação das Instituições Culturais de Anápolis, obra valiosíssima que já se encontra incorporada ao acervo da Biblioteca do Náutico Atlético Cearense".

TÁCITO DA GAMA LEITE FILHO, in O POPULAR. Goiânia, 16 de janeiro de 1977: "O livro de autoria de Mário Ribeiro Martins-GILBERTO FREYRE, O EX-PROTESTANTE-, enriqueceu ainda mais a literatura biográfica brasileira. Se o sociólogo pernambucano não tivesse um biógrafo tão inteligente, a fase mais importante de sua vida não seria conhecida por nós, amantes do saber. Baseada em documentos irrefutáveis, como o ANNUAL OF THE SOUTHERN BAPTIST CONVENTION OF THE UNITED STATES OF AMERICA, A BRIEF SURVEY OF THE HISTORY OF BRAZILIAN BAPTIST DOCTRINE e carta da SEVENTH & JAMES BAPTIST CHURCH, Waco, Texas, entre outros, a pesquisa trouxe excelente contribuição para se conhecer melhor este momento da vida de Gilberto Freyre".

TEREZY FLEURI DE GODOI, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 3l de agosto de l996: "Com atraso de mais de um ano, estou lhe enviando estes livros. Incrível, mas isto acontece. Logo que tive a oportunidade de conhecê-lo, pessoalmente, no Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, lembrei-me dos livros, mas os dias correm céleres, e... "antes tarde do que nunca". Excelente o seu livro "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS", que sempre tenho às mãos aqui em Brasília. Um trabalho precioso, que enriquece as nossas letras, fruto de sua ilustre e brilhante pena. Com sua vasta e valiosa bibliografia, além de notável CURRICULUM, pelo qual parabenizo, sinto no dever de afirmar que seu trabalho sobre aqueles que nasceram, viveram ou escreveram sobre Goiás, é uma verdadeira preciosidade, excelente contribuição para se conhecer melhor a literatura feita no Estado de Goiás".

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, via Correspondência. Goiânia, 31.05.2007: “Dr. Mario Ribeiro Martins, o sistema de bibliotecas da Universidade Católica de Goiás tem a satisfação de agradecer o envio do material encaminhado por Vossa Senhoria, constituído dos seguintes livros- DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGELICO. Acreditamos que ações como essas podem contribuir para o crescente aprimoramento de nossas bibliotecas, apoiando as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão. Atenciosamente, Daniel Marinho”.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, via Correspondência. Niterói, 14.06.2007: “Ao Dr. Mario Ribeiro Martins. Agradeço a Vossa Excelência, em nome da Universidade Federal Fluminense a gentileza do envio dos livros DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS, DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS e MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO, traçando um retrato da História do Brasil. Coloco-me à disposição para colaborar no que for preciso para o engrandecimento das letras em nosso país. ROBERTO DE SOUZA SALLES-Reitor”.

URSULINO LEÃO, in O POPULAR. Goiânia, 26 de fevereiro de 1978: "Somente agora é que tive o prazer de ler o seu lúcido(e generoso) estudo sobre a minha modesta obra publicado no jornal O POPULAR, do dia 13 de novembro de 1977. A mim, me parece, seja esta a verdadeira missão do crítico-ir até onde o escritor esteve e não tentar mostrar-lhe aonde ele deveria ter ido. Este e outros trabalhos de sua lavra focalizando os autores goianos, com a seriedade que lhe é peculiar, só contribuem para engrandecer a literatura feita em Goiás, tornando-a muito mais conhecida, além das margens do Paranaíba".

VIRGINIA FREIRE DA COSTA, in CORRESPONDÊNCIA. Rio de Janeiro, 09.03.2006: “Divisão de Depósito Legal da Fundação Biblioteca Nacional. Agradecemos e confirmamos o recebimento das publicações RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS e DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS enviadas à Biblioteca Nacional, em cumprimento à Lei 10.994, contribuindo significativamente para o enriquecimento do “Acervo Memória Nacional. A divulgação de sua produção editorial dar-se-á através da Bibliografia Brasileira, distribuída no Brasil e Exterior via nosso site: www.bn.br”.

WALDIR AZEVEDO BRAGA, in FOLHA DO MARANHÃO DO SUL. Carolina(MA), 05.06.2001: “Em nossa visita à cidade de Palmas, dia 20.05.2001, conhecemos o escritor Mário Ribeiro Martins que, ao lado do Deputado Darci Coelho nos cercou de muita atenção e carinho. Mário Martins já escreveu dezenas de livros, entre os quais, destacamos “Gilberto Freyre, o Ex-Protestante”, “Filosofia da Ciência”, “Sociologia Geral & Especial” e “Estudos Literários de Autores Goianos”. Não podemos deixar de citar dois importantes dicionários, o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS e o DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS, lançados recentemente”.

WILLIAM PALHA DIAS, via e-mail. Teresina, Piauí, 29.06.2007: “Caro Amigo Mário R. Martins, saúde e paz! Recebi com muito prazer o pacote de livros de sua autoria em número de 04, sendo, um, para a Biblioteca Estadual e os demais para o meu deleite. Quanto ao destinado à biblioteca do Estado, fiz sua entrega no dia 25 do fluente mês, conforme recibo. Em relação aos demais, tão logo permita-me o tempo, estarei degustando a convincente leitura de seus bem elaborados textos. Com um abraço de agradecimento, receba os meus efusivos parabéns por tão oportunas obras”.

WILSON DA SILVA BÓIA, in IMAGEM ATUAL. Anápolis, 20 de setembro de 1995: "Recebeu a Academia Paranaense de Letras, aqui em Curitiba, no Paraná, o seu maravilhoso e alentado livro ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, com l052 páginas e cerca de l500 verbetes no capítulo referente ao Dicionário Biobibliográfico. Acreditamos no enorme esforço dispendido pelo confrade na execução de tão gigantesco trabalho. É uma obra que dignifica o seu autor e enobrece as letras goianas. A Academia considerou o seu livro uma excelente obra de referência e um repositório inesgotável de informações de ordem cultural".

ZANOTO(JOSÉ DE SOUZA PINTO)-DIVERSOS CAMINHOS, in CORREIO DO SUL. Varginha, MG, 01 de agosto de 1995: "ESTUDOS LITERÁRIOS DE AUTORES GOIANOS, de Mário Ribeiro Martins, tem o mérito especial de ressaltar, acima de tudo, a Literatura Goiana. De pronto, o autor apresenta um bem elaborado Dicionário Biobibliográfico dos Autores de Goiás. Focaliza Jornalistas e Articulistas de épocas diferentes, no Estado. Reproduz referências literárias sobre o autor, entrevistas concedidas, prefácios publicados em livros de outros autores e fala sobre alguns escritores, bem como sobre Ministério Público e Academia Goiana de Letras, instituições a que pertence".

ZAQUEU MOREIRA DE OLIVEIRA, via dedicatória do livro 100 ANOS DA JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CBB. Rio de Janeiro, 24.05.2007: “Ao colega Mario Ribeiro Martins, recordando os tempos em que pesquisávamos juntos na Biblioteca do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, na Rua Padre Inglês, no Recife. Um abraço”.




BIBLIOGRAFIA


Abranches, Dunshee. A ESFINGE DO GRAJAÚ. São Luis(Ma), Alumar, 1941.

Abreu, Alzira Alves et Beloch, Israel et Lattman-Weltman, Fernando et Lamarão, Sérgio Tadeu de Niemeyer. DICIONÁRIO HISTÓRICO BIOGRÁFICO BRASILEIRO. Rio de Janeiro, FGV, 2001. 5 Volumes.

Acevedo, Cristobal De. COLEÇÃO DOS PRÊMIOS NOBEL DE LITERATURA. Rio de Janeiro: Editora Delta, 1963.

Agassiz, Luiz Et Agassiz, Elizabeth Cary. VIAGEM AO BRASIL(1865-1866). Tradução de Edgar Sussekind de Mendonça. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

Alencar, Claudovino. O CABO E A NORMALISTA. Brasília(DF): SE, 1972.

Almeida, Horácio De. CATÁLOGO DE DICIONÁRIOS PORTUGUESES E BRASILEIROS. Rio de Janeiro: CBAG, 1983.

Almeida, Luciano Mendes De(Dom). MEMBROS DA CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. São Paulo: Edições Paulinas, 1984.

Almeida, Victor Coelho De. GOIAZ(Usos, Costumes, Riquezas Naturais). São Paulo: Revista dos Tribunais, 1944.

Amaral, Azevedo. O ESTADO AUTORITÁRIO E A REALIDADE NACIONAL. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1938.

Amaral, Othon Ávila. ROTEIRO HISTÓRICO DOS BATISTAS FLUMINENSES. Rio de Janeiro, SE, 1977.

Andrade, Nair Leal De. HISTÓRIA E HISTÓRIAS DA CANG. Goiânia: Kelps, 1990. Referência à Colônia Agrícola Nacional de Goiás, em Ceres.

Ayres Neto, Abílio Wolney. O DURO E A INTERVENÇÃO FEDERAL. Anápolis, GO, Biblioteca Virtual AW Editor, 2003.

Aires, Voltaire Wolney. ABILIO WOLNEY, SUAS GLÓRIAS, SUAS DORES(A Saga de Jagunços e Coronéis do Sertão). Dianópolis(To), Edição do Autor, 1996.

Albuquerque, Antonio Teixeira de. TRÊS RAZÕES PORQUE DEIXEI A IGREJA DE ROMA. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1945.

Alexandre, Mário Jesiel de Oliveira. RAIZES BATISTAS POTIGUARES. Natal, Fundação José Augusto, 1984.

Amado, Jorge. O CAVALEIRO DA ESPERANÇA. Rio de Janeiro, Editorial Vitória, 1926.

Amaral, Othon Ávila. MARCOS BATISTAS PIONEIROS. Rio de Janeiro, SEI, 2001.

André, João Virgilio Ramos. A OBRA MISSIONÁRIA EM PORTUGAL. Rio de Janeiro, JUERP, 1981.

Araújo, Carlos. MILAGRES NA CHAPADA-ROMANCEIRO DA CHAPADA DIAMANTINA. São Paulo: Scortecci, 2005.

Araújo, Léa Sayão Carvalho de. MEU PAI, BERNARDO SAYÃO. Brasília, Senado Federal, 1976.

Araújo, Vivaldo J. HISTÓRIA DA TERRA BRANCA. Goiânia: Kelps, 2000.

Arinos, Afonso. AFONSO ARINOS DE MELO FRANCO-UM ESTADISTA DA REPÚBLICA. Rio de Janeiro, Editora Nova Aguilar, 1976.

Arrais, Monte. O ESTADO NOVO E SUAS DIRETRIZES. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1938.

Asch, Sholem. O APÓSTOLO. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945. Tradução de Godofredo Rangel.

Aslan, Nicola. PEQUENAS BIOGRAFIAS DE GRANDES MAÇONS BRASILEIROS. Rio de Janeiro, Editora Maçônica, 1973.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA AMAZONENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1999.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA BAIANA NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1999.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA CEARENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1996.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA ESPIRITO-SANTENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1998.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA FLUMINENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1998.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA GOIANA NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1997.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA MARANHENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1994.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA MINEIRA NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1998.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA NORTE-RIO-GRANDENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1998.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA PIAUIENSE NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1995.

Assis Brasil, Francisco de Assis Almeida Brasil. A POESIA SERGIPANA NO SÉCULO XX(Antologia). Rio de Janeiro, Imago, 1998.

Assis Chateaubriand, Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo. O PENSAMENTO DE ASSIS CHATEAUBRIAND. Brasília, Fundação Assis Chateaubriand, 1998. Planejamento, Organização e Edição de Adirson Vasconcelos.

Assumpção, Alípio Xavier. PEQUENA HISTÓRIA DOS BATISTAS NO PARANÁ. Prefácio de José dos Reis Pereira. Curitiba(PR):Editora Lítero-Tecnica, 1976.

Audrin, José Maria. ENTRE SERTANEJOS E INDIOS DO NORTE. Rio de Janeiro, Editora Agir, 1946.

Audrin, José Maria. OS SERTANEJOS QUE EU CONHECI. Rio de Janeiro, Editora José Olympio, 1963.

Ayres, Francisco. KRISHNAMURTI. São Paulo: EGEPSA, 1947.

Azevedo, Francisco Ferreira dos Santos. ANUÁRIO HISTÓRICO, GEOGRÁFICO E DESCRITIVO DO ESTADO DE GOIÁS. Araguari(MG), Editora Século XX, 1910.

Azevedo, Israel Belo de. COLUNA E FIRMEZA DA VERDADE. Rio de Janeiro, SE, 1988.

Barata, Carlos Eduardo de Almeida et Bueno, Antonio Henrique da Cunha. DICIONÁRIO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS. São Paulo, Árvore da Terra, 2001. 4 Volumes.

Barbosa, Celso Aloísio Santos. O PENSAMENTO VIVO(Ebenézer Gomes Cavalcanti). Rio de Janeiro, SE, 1972.

Barbosa, Celso Aloísio Santos et Amaral, Othon Ávila. LIVRO DE OURO-EPOPÉIA DE FÉ, LUTAS E VITÓRIAS. Rio de Janeiro, Juerp, 2007.

Barros, João Alberto Lins de. MEMÓRIAS DE UM REVOLUCIONÁRIO. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1953.

Barros, Socorro Rocha Cavalcanti. OS CAVALCANTES DO CORRENTE. Teresina(PI), SE, 2003.

Bastos, Cláudio. DICIONÁRIO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO ESTADO DO PIAUÍ. Teresina(PI), FMCM, 1994.

Behar, Eli. VULTOS DO BRASIL(Dicionário Biobibliográfico Brasileiro). São Paulo, Livraria Exposição do Livro, 1967.

Benevides, Cleusa. PARANATINGA. Palmas: Gráfica Pollo, 2005.

Benício, Manoel. O REI DOS JAGUNÇOS. Rio de Janeiro, Typografia Jornal do Commercio, 1899.

Benson, George. A AGRICULTURA SOB O COMUNISMO. Rio de Janeiro: GRD, 1963. Tradução de Heloisa de Carvalho Tavares.

Berry, Edward G. OS BATISTAS EM BRASILIA. Brasilia(DF): SE, 1963.

Bichara, Ivan. CARCARÁ(Romance). Prefácio de Antonio Carlos Villaça. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1988.

Bittencourt, Adalzira. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MULHERES ILUSTRES, NOTÁVEIS E INTELECTUAIS DO BRASIL. Rio de Janeiro, Pongetti, 1969.

Bittencourt, Agnello. DICIONÁRIO AMAZONENSE DE BIOGRAFIAS. Rio de Janeiro, Conquista, 1973.

Blake, Augusto Vitorino Alves Sacramento. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO BRASILEIRO. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1883.

Bloch, Joseph W. PEQUENA HISTÓRIA DO MOVIMENTO TRABALHISTA NORTE-AMERICANO. São Paulo: SE, 1950.

Boas, Sérgio Vilas. BIOGRAFIAS E BIÓGRAFOS-JORNALISMO SOBRE PERSONAGENS. São Paulo, Summus Editorial, 2002.

Borges, Humberto Crispim. GENERAIS GOIANOS. Goiânia, Oriente, 1979.

Borges, Humberto Crispim. RETRATO DA ACADEMIA GOIANA DE LETRAS. Goiânia, Oriente, 1977.

Braga, Henriqueta Rosa Fernandes. MÚSICA SACRA EVANGÉLICA NO BRASIL. Rio de Janeiro, Kosmos, 1961.

Brandão, Noemia Paes Barreto. WANDERLEY DE SIRINHAÉM(Genealogia). Rio de Janeiro, SEI, 1996.

Bratcher, Lewis Mallen. FRANCISCO FULGÊNCIO SOREN. Rio de Janeiro, JUERP, 1985.

Bretones, Lauro. ROTEIRO DOS BATISTAS. Rio de Janeiro, SE, 1948.

Brinches, Victor. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO LUSO-BRASILEIRO. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura S/A, 1965.

Brito, Itamar Sousa. HISTÓRIA DOS BATISTAS NO PIAUÍ-UM SÉCULO DE LUTAS E VITÓRIAS. Rio de Janeiro: JUERP,2003.

Bunyan, João. A PEREGRINA. São Paulo: Imprensa Metodista, 1944.

Cacciatore, Olga G. DICIONÁRIO BIOGRÁFICO DE MUSICA ERUDITA BRASILEIRA. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2005.

Câmara, Dom Jaime De Barros(Arcebispo De Belém Do Pará). APONTAMENTOS DE HISTÓRIA ECLESIÁSTICA. Rio de Janeiro: Vozes, 1942.

Campos, José. UM BRASILEIRO NA UNIÃO SOVIÉTICA. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1953.

Campos, José Wilson Siqueira. GOIÁS E O EMERGENTE ESTADO DO TOCANTINS. Brasília(DF), SE, 1978.

Campos, José Wilson Siqueira. PROJETO PARA UM NOVO MAPA DO BRASIL. Palmas(TO): Jornal O Estado do Tocantins, 2001.

Capelli, Esse(Saulo Falcão Campelo). BREVES ANOTAÇÕES SOBRE A BIBLIA. Brasilia(DF): Ipiranga, 1999.

Cárdenas, Eduardo. 20.000 BIOGRAFÍAS BREVES. New York, Libros de América, 1963.

Castro, Aloysio De. DISCURSOS LITTERARIOS. Rio de Janeiro: Editora Vecchi, 1942.

Castro, Onildo De. O JULGADO DE PILAR-RESGATE HISTÓRICO. Brasilia(DF): Grafisa Editora, 1996.

Cavalcanti, Clodovil Fortes. UMA VIDA INSPIRADORA. Rio de Janeiro, Casa Publicadora Batista, 1965.

Cecilio, Anysio. BERÇO DA VIDA E CAMINHO DA VERDADE. São Paulo: Comercial Safady, 1957. Livro totalmente escrito em Árabe. O autor nasceu em Trípoli(Síria) em 1892 e morreu em Anápolis(Goiás) em 1968.

Cenni, Franco. ITALIANOS NO BRASIL. São Paulo, EDUSP, 2003.

Chagas, Américo. O CHEFE HORÁCIO DE MATOS. Salvador, EGBA, 1963.

Chagas, Mário. NA CHAPADA-CRÔNICAS DE UMA REGIÃO DIAMANTINA. Juiz de Fora, MG, Esdeva, 1979.

Chaud, Antônio Miguel Jorge. IMIGRANTES EM CATALÃO. Goiânia(GO): SE, 1996.

Chaves, Maria Pacheco. OS GRANDES ESQUECIDOS DE UM BRASIL VERDADEIRO. São Paulo, Gráfica Urupês, 1970.

Chiniquy, Carlos(Padre). CINQUENTA ANOS NA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA. São Paulo: Livraria Independente, 1947. Tradução de Waldemar W. Wey.

Cintra, Sebastião Oliveira. GALERIA DAS PERSONALIDADES NOTÁVEIS DE SÃO JOÃO DEL-REI. Belo Horizonte(MG), SE, 1994.

Coelho, Nelly Novaes. DICIONÁRIO CRÍTICO DE ESCRITORAS BRASILEIRAS. São Paulo, Escrituras, 2002.

Costa, Delcio. COLUNAS BATISTAS NO BRASIL. Rio de Janeiro, Casa Publicadora Batista, 1964.

Costa, Francisco Augusto Pereira da. DICIONÁRIO BIOGRÁFICO DE PERNAMBUCANOS CÉLEBRES. Recife(PE), Tipografia Universal, 1882.

Costa, Thomas Lourenço. ANUÁRIO BATISTA BRASILEIRO. Salvador, SE, 1910.

Cousin, Almeida. CEM ANOS DE MEMÓRIAS. Rio de Janeiro: Editora Cátedra, 1975.

Coutinho, Afrânio et Sousa, J. Galante de. ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA. São Paulo, MEC, 2000.

Crabtree, A. R. HISTÓRIA DOS BATISTAS DO BRASIL. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1937.

Crystal, David. BIOGRAPHICAL ENCYCLOPEDIA. New York, USA, Cambridge University Press, 1994.
Cunha, Guilhermino. SUA IGREJA PODE CRESCER. São Paulo, Editora Vida, 2006.

Curado, Mariana Augusta Fleury. FLEURYS E CURADOS. Goiânia, Líder, 1979.

Duarte, Luiz Vital. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO COMUNISMO NO BRASIL. Olinda(Pe), S.E, 1989.

Élis, Bernardo(Bernardo Élis Fleury de Campos Curado). O TRONCO. Rio de Janeiro, José Olympio, 1987.

Ferreira, Dilmar. GOIÂNIA E SUA VIDA. Goiânia: Editora CINCO DE MARÇO, 1969. Prefácio de Zoroastro Artiaga.

Ferreira, Ebenézer Soares. HISTÓRIA DOS BATISTAS FLUMINENSES. Rio de Janeiro, SE, 1991.

Ferreira, Joaquim Carvalho. PRESIDENTES E GOVERNADORES DE GOIÁS. Goiânia, Editora UFG, 1980.

Ferreira, Júlio Andrade. HISTORIA DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, 1959.

Ferreira, Wilson Castro. AINDA FLORESCE A JABOTICABEIRA. Campinas(SP): Caminho Publicações, 1990.

Filho, J. S. Ribeiro. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE ESCRITORES CARIOCAS. Rio de Janeiro, Brasiliana, 1965.

Filho, Juarez Moreira. PERFIL DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS.

Filho, Juarez Moreira. PATRONOS DA ATL. Goiânia, Editora Bandeirante, 2006.

Flores, Hilda Agnes Hubner. DICIONÁRIO DE MULHERES. Porto Alegre, Nova Dimensão, 1999.

Fontana, Riccardo. FRANCESCO TOSI COLOMBINA. Brasília: Charbel, 2004.

Fontes, Arivaldo Silveira. VULTOS DO ENSINO MILITAR. Rio de Janeiro, SEI, 1991.

Franco, Afonso Arinos De Melo. UM ESTADISTA DA REPÚBLICA(Afrânio de Melo Franco e seu Tempo). Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1976.

Franco, Francisco de Assis Carvalho. DICIONÁRIO DE BANDEIRANTES E SERTANISTAS DO BRASIL. São Paulo, Comissão do IV Centenário, 1954.

Francovich, Guilhermo. FILÓSOFOS BRASILEIROS. Rio de Janeiro: Presença, 1979.

Franco, Virgílio Martins de Melo. VIAGEM À COMARCA DE PALMA, NA PROVINCIA DE GOYAZ. Rio de Janeiro, SE, 1876.

Freitas, Aristótens de. O DOLOROSO CASO DO APOSSAMENTO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA EVANGÉLICA. Goiânia, SE, 1977.

Gardner, George. VIAGEM AO INTERIOR DO BRASIL. Tradução de Milton Amado. Belo Horizonte(MG): Editora Itatiaia, 1975.

Giffoni, Orsini Carneiro. DICCIONARIO BIO-BIBLIOGRÁFICO BRASILEIRO DE ESCRITORES MÉDICOS. São Paulo, Livraria Nobel S.A, 1972.

Ginsburg, Salomão L. UM JUDEU ERRANTE NO BRASIL(Autobiographia de Salomão Ginsburg). Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1925. Tradução de Manoel Avelino de Souza.

Godinho, Durval Da Cunha. HISTÓRIA DE PORTO NACIONAL. Goiânia(GO): SE, 1988.

Godoy, Claro Augusto. FRAGMENTOS DO PASSADO(Genealogia). Goiânia, Editora O POPULAR, 1975.

Goldman, Frank P. OS PIONEIROS AMERICANOS NO BRASIL. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1972.

Gomes, Vicente Ferreira. ITINERÁRIO DA CIDADE DE PALMA, EM GOYAZ À CIDADE DE BELÉM, NO PARÁ, PELO RIO TOCANTINS(1859). Rio de Janeiro, Correio Mercantil, 1861. Palma é hoje Paranã, no Tocantins e o autor era Juiz da Província, nomeado por Dom Pedro II.

Harrison, Helena Bagby. OS BAGBY DO BRASIL. Rio de Janeiro, Casa Publicadora Batista, 1987.

Hartness, Ann. BRASIL: OBRAS DE REFERÊNCIA(1965-1998). Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

Hollanda, Heloisa Buarque et Araújo, Lucia Nascimento. ENSAÍSTAS BRASILEIRAS. Rio de Janeiro, Rocco, 1993.

Hollanda, Roberto Torres(Rolando de Nassau). UMA IGREJA VIVA PARA O DEUS VIVO. Brasília, Igreja Memorial Batista, 2005.

Hook, Sidney. OS HERÓIS ATRAVÉS DA HISTÓRIA. São Paulo: Editora Universitária Ltda, 1945. Tradução de J. C. Ribeiro Penna.

Hubbard, Ethel Daniels. ANA DE AVA. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1944. Tradução de Emma Morton Ginsburg.

Ichter, Bill. VULTOS DA MÚSICA EVANGÉLICA NO BRASIL. Rio de Janeiro, JUERP, 1967.

Janus. O PAPA E O CONCÍLIO. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930. Tradução de Rui Barbosa.

Jayme, Jarbas. ESBOÇO HISTÓRICO DE PIRENÓPOLIS. Goiânia(Go): Imprensa da UFG, 1971. 2 VOLUMES.

Jayme, Jarbas. FAMILIAS PIRENOPOLINAS(Genealogia). Goiânia, Editora Rio Bonito, 1973. 5 volumes.

Jayme, José Sisenando. ORIGEM DA FAMILIA FLEURY. Goiânia, SIE, 1990.

Jorge, Miguel. COUTO DE MAGALHÃES-A VIDA DE UM HOMEM. Goiânia, Oriente, 1970.

Júnior, José Da Cunha Bastos. LINEAMENTOS DA HISTÓRIA DOS BATISTAS NO ESTADO DE GOIÁS. Anápolis(G0): Gráfica Anapolina, 1988.

Júnior, Lisita. DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO DE GOIÁS. Goiânia, Editora da UCG, 1984.

Júnior, Manoel Francisco Dias da Silva. DICIONÁRIO BIOGRÁFICO DE BRASILEIROS CÉLEBRES DESDE 1500 ATÉ OS DIAS ATUAIS. Rio de Janeiro, Laemmert, 1871.

Kennedy, James L. CINCOENTA ANOS DE METODISMO NO BRASIL. São Paulo: Imprensa Metodista, 1928.

Key, Jerry S. EDUCAÇÃO TEOLÓGICA-O QUE DEUS TEM FEITO. Rio de Janeiro, JUERP, 1982.

Kruse, Hermann. GOYAZ- DAS WAHRE HERZ BRASILIENS. São Paulo, Riedel & Co., 1936.

Leite, Ubirajara Berocan. ALAGOANOS INTRÉPIDOS. Goiânia, Editora Luzes, 1992.

Leonard, Émile-G. O PROTESTANTISMO BRASILEIRO. São Paulo, ASTE, 1963.

Léry, Jean De. VIAGEM À TERRA DO BRASIL. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1960. Tradução de Sérgio Milliet.

Lessa, Vicente Themudo. ANAIS DA PRIMEIRA IGREJA PRESBITERIANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SE, 1938.

Lima, Guimarães(José Júlio Guimarães Lima). O CASO MICHEL. Rio de Janeiro: Artes Gráficas, 1943.(Trata-se de um inventário que se transformou em escândalo da Justiça Goiana em Anápolis e em que se envolveu o então Presidente do Tribunal de Justiça de Goiás, Desembargador Dario Délio Cardoso).

Lima, Moura. SERRA DOS PILÕES-JAGUNÇOS E TROPEIROS. Gurupi(To), Editora Cometa, 2001.

Lins, Wilson. OS CABRAS DO CORONEL. Rio de Janeiro, GRD, 1964.

Lobo, José Ferreira de Souza. GOIANOS ILUSTRES. Goiânia, Oriente, 1974.

Long, Eula Kennedy. DO MEU VELHO BAÚ METODISTA. São Paulo, Imprensa Metodista, 1968.

Llorca, Bernardino(S.J). NUEVA VISIÓN DE LA HISTORIA DEL CRISTIANISMO. Barcelona(Espanha): SE, 1955.

Lopes, Luciano. CRISTO E SUA FILOSOFIA. Rio de Janeiro: SE, 1945.

Lowell, Joan. TERRA PROMETIDA. São Paulo, Edições Melhoramentos, 1957.

Macedo, Júlio Borges de. NO CORAÇÃO-POESIAS E OUTROS ESCRITOS. Teresina, Companhia Editora do Piauí, 1978.

Macedo, Nertan. ABÍLIO WOLNEY-UM CORONEL DA SERRA GERAL. Goiânia: Legenda Editora, 1975.

Machado, Othon Xavier De Brito. OS CARAJÁS. Prefácio de Francisco Jaguaribe Gomes de Mattos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947.

Magalinski, Jan. DESLOCADOS DE GUERRA EM GOIÁS. Goiânia, Editora da UFG, 1980.

Maior, Mário Souto. DICIONÁRIO DE FOLCLORISTAS BRASILEIROS. Recife, Comunicação Editora, 1999.

Marcondes, Marcos Antonio(Editor). ENCICLOPÉDIA DA MÚSICA BRASILEIRA-POPULAR, ERUDITA E FOLCLÓRICA. São Paulo, Publifolha, 1998.

Mariz, Vasco. QUEM É QUEM NAS ARTES E NAS LETRAS DO BRASIL. Rio de Janeiro, Gráfica Olímpica, 1966.

Marques, César Augusto. DICIONÁRIO HISTÓRICO-GEOGRÁFICO DA PROVÍNCIA DO MARANHÃO. São Luiz(MA), Tipografia do Frias, 1870.

Martins, Mário Ribeiro. CORONELISMO NO ANTIGO FUNDÃO DE BROTAS. Goiânia, Kelps, 2004.

Martins, Mário Ribeiro. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE GOIÁS. Rio de Janeiro, Master, 1999.

Martins, Mário Ribeiro. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DO TOCANTINS. Rio de Janeiro, Master, 2001.

Martins, Mário Ribeiro. JORNALISTAS, POETAS E ESCRITORES DE ANÁPOLIS. Goiânia, Gráfica O POPULAR, 1984.

Martins, Mário Ribeiro. RETRATO DA ACADEMIA TOCANTINENSE DE LETRAS. Goiânia, Kelps, 2005.

Martins, Mário Ribeiro. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Goiânia, Kelps, 2007.

Martins, Mário Ribeiro et Martins, Filemon Francisco. DICIONÁRIO GENEALÓGICO DA FAMILIA RIBEIRO MARTINS. Goiânia, Kelps, 2007.

Martins, Mario Ribeiro. MISSIONÁRIOS AMERICANOS E ALGUMAS FIGURAS DO BRASIL EVANGÉLICO. Goiânia, Kelps, 2007.

Martins, Mario Ribeiro. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE MEMBROS DA ACADEMIA EVANGÉLICA DE LETRAS DO BRASIL. Goiânia, Kelps, 2007.

Mathews, Ruth Ferreira. ANA BAGBY, A PIONEIRA. Rio de Janeiro, Casa Publicadora Batista, 1972.

Mattos, Raymundo José da Cunha. CHOROGRAFIA HISTÓRICA DA PROVINCIA DE GOIAZ. Rio de Janeiro, IHGB, 1864.

Mein, David. O QUE DEUS TEM FEITO. Rio de Janeiro, JUERP, 1982.

Mein, John. A CAUSA BATISTA EM ALAGOAS. Recife, Tipografia do CAB, 1928.

Melatti, Júlio Cézar. INDIOS E CRIADORES(A SITUAÇÃO DOS KRAHÓ NA ÁREA PASTORIL DO TOCANTINS). Rio de Janeiro: I.C.S, 1967.

Melo, Luis Correia de. DICIONÁRIO DE AUTORES PAULISTAS. São Paulo, Comissão do IV Centenário, 1954.

Mendonça, Edízio. BARRA DO MENDES-UMA HISTÓRIA DE LUTAS. Salvador(BA: SECTUR, 2003.

Mendonça, Rubens de. DICIONÁRIO BIOGRÁFICO MATO-GROSSENSE. São Paulo, Mercúrio, 1953.

Meneses, Diogo de Melo. GILBERTO FREYRE. Rio de Janeiro, CEB, 1944.

Menezes, Amaury. DICIONÁRIO DAS ARTES PLÁSTICAS EM GOIÁS. Goiânia, Fundação Cultural, 1998.

Menezes, Raimundo de. DICIONÁRIO LITERÁRIO BRASILEIRO. São Paulo, Saraiva, 1969.

Mesquita, Antonio Neves de. HISTORIA DOS BATISTAS EM PERNAMBUCO. Recife, Tipografia do CAB, 1930.

Moraes, Walfrido. JAGUNÇOS E HERÓIS. Brasilia, Câmara dos Deputados, 1984.

Nascimento, José Anderson. CANGACEIROS, COITEIROS E VOLANTES. São Paulo, Ícone Editora, 1998.

Nascimento, Júnio Batista do. CONHECENDO O TOCANTINS-HISTÓRIA E GEOGRAFIA. Goiânia, Kelps, 2004.

Neto, Adrião. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE ESCRITORES BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS. Teresina(PI), Editora Geração, 1998.

Neto, José Vicente de Oliveira(CAZUZA). O VALE DE UM RIO PRETO DE ÁGUAS CRISTALINAS. Santa Rita de Cássia(BA), SE, 1999.

Nunes, Luiz Gonzaga. GENEALOGIA DA FAMILIA NUNES. Belo Horizonte, MG, Rona Editora, 1986.

Oliveira, Alírio Afonso de. IMPRENSA GOIANA-DEPOIMENTOS PARA A SUA HISTÓRIA. Goiânia, CERNE, 1980. Co-autoria com José Mendonça Teles.

Oliveira, Antenor Santos de. BRASILEIROS NOTÁVEIS. Rio de Janeiro, Juerp, 1967.

Oliveira, Betty Antunes De. ANTONIO TEIXEIRA DE ALBUQUERQUE- O PRIMEIRO PASTOR BATISTA BRASILEIRO(1880). Rio de Janeiro: SE, 1982.

Oliveira, Betty Antunes. CENTELHA EM RESTOLHO SECO. Rio de Janeiro, SE, 1985.

Oliveira, Carolina Rennó Ribeiro de. BIOGRAFIAS DE PERSONALIDADES CÉLEBRES. São Paulo, Irradiantes, 1982.

Oliveira, Haroldo Cândido de. INDIOS E SERTANEJOS DO ARAGUAIA. São Paulo, Edições Melhoramentos, 1949.

Oliveira, Joanyr de. AS ASSEMBLÉIAS DE DEUS NO BRASIL. Rio de Janeiro, CPAD, 1997.

Oliveira, José Teixeira de. DICIONÁRIO BRASILEIRO DE DATAS HISTÓRICAS. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1950.

Oliveira, Zaqueu Moreira de. PERSEGUIDOS, MAS NÃO DESAMPARADOS. Rio de Janeiro, JUERP, 1999.

Oliveira, Zaqueu Moreira de. DESAFIOS E CONQUISTAS MISSIONÁRIAS-100 ANOS DA JUNTA DE MISSÕES NACIONAIS DA CBB. Rio de Janeiro, Convicção Editora, 2007.

Orico, Osvaldo. CONFISSÕES DO EXÍLIO(JUSCELINO KUBITSCHECK). Rio de Janeiro, Editora Francisco Alves, 1977.

Ortêncio, Bariani(Waldomiro). DICIONÁRIO DO BRASIL CENTRAL. São Paulo, Editora Ática, 1983.

Paim, Antonio(Organizador). DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE AUTORES BRASILEIROS. Brasília, DF, CDPB, 1999.

Palacin, Luis Gomes. CORONELISMO NO EXTREMO NORTE DE GOIÁS-O PADRE JOÃO E AS TRÊS REVOLUÇÕES DE BOA VISTA. São Paulo, Edições Loyola, 1990.

Paranaguá, Correntino. TERRA DE UM PALADINO. Brasília, Centro Gráfico do Senado, 1980.

Paternostro, Júlio. VIAGEM AO TOCANTINS. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945.

Peregrino, Umberto. IMAGENS DO TOCANTINS E DA AMAZÔNIA. Rio de Janeiro, Companhia Editora Americana, 1942.

Pereira, Armando De Arruda. DIÁRIO DE VIAGEM DE SÃO PAULO A BELÉM DO PARÁ DESCENDO O ARAGUAIA. São Paulo: Graphica Paulista, 1935.

Pereira, José dos Reis. HISTÓRIA DOS BATISTAS NO BRASIL. Rio de Janeiro, JUERP, 2001.

Perez, Renard. ESCRITORES BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1960.

Picanço, Francisco. DICIONÁRIO DE ESTRADAS DE FERRO. Rio de Janeiro, Lombaerts, 1891.

Pinheiro, Antonio César Caldas e Pinheiro, Zanoni de Goiaz. TRONCO E VERGÔNTEAS(Genealogia). Goiânia, Editora Bandeirante, 2002.

Pordeus, Ismael. RAÍZES HISTÓRICAS DE BRASÍLIA. Fortaleza(CE), Imprensa Oficial, 1960.

Póvoa, Liberato. DICIONÁRIO TOCANTINENSE DE TERMOS E EXPRESSÕES AFINS. Goiânia, Kelps, 2002.

Prada, D. Francisco. GÊNESE(Visita de Dom Cláudio a Tocantinópolis em 1883). Goiânia, SE, 1978.

Rahal, Antonio Osires. PERSONALIDADES DE TERESÓPOLIS(Biografias). Teresópolis, RJ, SEI, 1985.

Ramos, Cornélio. LETRAS CATALANAS. Goiânia: Oriente, 1972.

Reily, Duncan A. HISTORIA DOCUMENTAL DO PROTESTANTISMO NO BRASIL. São Paulo, ASTE, 1984.

Reis de Souza. ENCICLOPÉDIA DA LITERATURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA. Rio de Janeiro, GBC, 1998.

Reis, Jovelina Maria dos et al. OS BATISTAS NO MARANHÃO. São Luis, JUNTIVA/MA, 1984.

Ribeiro, Roberto Feijó. DICIONÁRIO DAS MANIAS, FOBIAS E ATRAÇÕES. Fortaleza(CE), Editorial Cearense, 1986.

Rocha, Everaldo Pedreira. ROCHA-UMA FAMILIA DA BAHIA-1774/1998(ESTUDO GENEALÓGICO). Salvador, Empresa Gráfica da Bahia, 1999.

Rocha, Isnard. HISTORIA DA HISTORIA DO METODISMO NO BRASIL. São Paulo, Imprensa Metodista, 1967.

Ronis, Osvaldo. UMA EPOPÉIA DE FÉ: A HISTÓRIA DOS BATISTAS LETOS NO BRASIL. Rio de Janeiro, JUERP, 1974.

Sáfady, Jorge Salim. A IMIGRAÇÃO ÁRABE NO BRASIL. São Paulo, Garatuja, 1994.

Sanches, Edmilson. ENCICLOPÉDIA DE IMPERATRIZ. Imperatriz(Ma), Instituto Imperatriz, 2003.

Santana, João Gabriel. REPERTÓRIO BIOGRÁFICO E GENEALÓGICO PAULISTA. São Paulo, Press Grafic, 1987.

Santana, João Gabriel. GENEALOGIA SEBASTIANENSE. São Paulo, Press Grafic, 1976.

Santana, Moisés Augusto. VIAGENS DE VIRGÍLIO MARTINS DE MELO FRANCO-ANOTAÇÕES AO TEXTO. Uberaba(MG), SE, 1922.

Santos, Isaias Batista Dos. LIÇÕES QUE O MINISTÉRIO ENSINA. Rio de Janeiro: JUERP, 1981.

Sarinho, José Negreiros de Almeida. MEMÓRIA JUSTIFICATIVA DO PROJECTO DE ESTRADA DE FERRO DO PARÁ A GOYAZ, ENTRE ALCOBAÇA À MARGEM ESQUERDA DO BAIXO TOCANTINS E A CIDADE DE BOA VISTA SOBRE O ALTO TOCANTINS. Rio de Janeiro, Typ. G. Leuzinger, 1882.

Sayão, Léa(Léa Sayão Carvalho de Araújo). MEU PAI, BERNARDO SAYÃO. Brasília, SE, 1964.

Schumaher, Schuma. DICIONÁRIO MULHERES DO BRASIL. Rio de Janeiro, Editora Zahar, 2000.

Secchin, Antonio Carlos. GUIA DOS SEBOS DAS CIDADES DO RIO DE JANEIRO E DE SÃO PAULO. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2003.

Shimose, Pedro. DICCIONARIO DE AUTORES IBEROAMERICANOS. Madrid, MAE, 1982.

Silva, Antonio Moreira da. DOSSIÊ DE GOIÁS. Goiânia, Master Publicidade, 2002.

Silva, Francisco Ayres Da. CAMINHOS DE OUTRORA(DIÁRIO DE VIAGENS). Goiânia(GO): Oriente, 1972.

Silva, Ignácio Xavier da. O CRIME DO CORONEL LEITÃO-SEDIÇÃO NA COMARCA DE BOA VISTA DO TOCANTINS, DO ESTADO DE GOIÁS, 1892-1895. Goiás Velho, Gráfica Popular, 1935.

Silva, Innocencio Francisco da et Aranha, Brito. DICCIONARIO BIBLIOGRAPHICO PORTUGUEZ. Lisboa, Imprensa Nacional, 1883.

Silva, José Trindade da Fonseca. LUGARES E PESSOAS. São Paulo, Escolas Salesianas, 1948.

Silva, Otávio Barros da. BREVE HISTÓRIA DO TOCANTINS E DE SUA GENTE-UMA LUTA SECULAR. Araguaina(To), Fieto, 1997.

Silva, Samuel Aureliano Da Et Xavier, Odiva Silva. CAMPOS BELOS-SUA HISTÓRIA, SUA GENTE.Brasilia(DF): Editora Ser, 2004.

Sobrinho, J. F. Velho. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO BRASILEIRO. Rio de Janeiro, Pongetti, 1937.

Sodré, Nelson Werneck. O QUE SE DEVE LER PARA CONHECER O BRASIL. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1997.

Sordi, Neide Alves Dias de(Coordenadora). REPERTÓRIO BIOGRÁFICO DA JUSTIÇA FEDERAL-1890/1990. Brasília, DF, CJF, 2000.

Sorokin, Pitirim A. A CRISE DO NOSSO TEMPO(Panorama Social e Cultural). São Paulo: Editora Universitária, 1945. Tradução de Alfredo Cecílio Lopes.

Souza, Antonio Loureiro de. BAIANOS ILUSTRES. São Paulo, IBRASA, 1979.

Souza, Márcio. BREVE HISTÓRIA DA AMAZÔNIA. São Paulo, Marco Zero, 1994.

Souza, Sóstenes Borges. ENCICLOPÉDIA BATISTA BRASILEIRA. Salvador, Artios, 1996.

Studart, Guilherme. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO CEARENSE. Fortaleza(CE), SE, 1910.

Tapajós, Vicente. DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO DE HISTORIADORES, GEÓGRAFOS E ANTROPÓLOGOS BRASILEIROS. Rio de Janeiro, IHGB, 1991.

Tapie, Père Marie Hilário. CHEZ LES PEAUX-ROUGES-FEUILLES DE ROUTE D’UN MISSIONNAIRE DANS LE BRÉSIL INCONNU. Paris, Librairie Plon, 1926.

Taunay, Affonso de E. HISTÓRIA DAS BANDEIRAS PAULISTAS. São Paulo, Edições Melhoramentos, 1951.

Taunay, Visconde De. GOYAZ. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1931.

Teixeira, Amália Hermano. PERFIS-PESSOAS QUE MARCARAM MINHA VIDA. Goiânia, Luzes, 1993.

Teixeira, Marli Geralda. OS BATISTAS NO BRASIL-UM ESTUDO DE HISTORIA SOCIAL. Salvador, SE, 1975.

Teles, Gilberto Mendonça. A POESIA EM GOIÁS. Goiânia, Editora da UFG, 1964.

Teles, José Mendonça. DICIONÁRIO DO ESCRITOR GOIANO. Goiânia, Kelps, 2000.

Tipple, Archibald. BANDEIRANTES DA BIBLIA NO BRASIL CENTRAL. Goiânia, Editora Aplic, 1972.

Toledo, J.(José Mário Arruda). DICIONÁRIO DE SUICIDAS ILUSTRES. Rio de Janeiro, Editora Record, 1999.

Tournier, Reginaldo. LÁ LONGE, NO ARAGUAIA. Rio de Janeiro, SE, 1928.

Vainfas, Ronaldo(Organizador). DICIONÁRIO DO BRASIL COLONIAL(1500-1808). Rio de Janeiro, Objetiva, 2001.

Vainfas, Ronaldo(Organizador). DICIONÁRIO DO BRASIL IMPERIAL(1822-1889). Rio de Janeiro, Objetiva, 2002.

Valadares, Napoleão. DICIONÁRIO DE ESCRITORES DE BRASÍLIA. Brasilia(DF), André Quicé, 1994.

Vasconcelos, José Adirson. OS PIONEIROS DA CONSTRUÇÃO DE BRASILIA. Brasília(DF), Gráfica do Senado, 1992.

Vaz, Geraldo Marmo Coelho. MEMÓRIA DO PODER JUDICIÁRIO DE GOIÁS. Goiânia, Kelps, 1998.

Vaz, Geraldo Marmo Coelho. VULTOS CATALANOS. Uberaba, MG, Editora Zebu, 1959.

Veiga Neto, José da. ANTOLOGIA GOIANA. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1944.

Vellasco, Alarico. MEU PRIMOGÊNITO(Discursos e Escritos Vários). Rio de Janeiro: SE, 1953.

Vidal, Barros. PRECURSORAS BRASILEIRAS. Rio de Janeiro, A Noite Editora, 1939.

Vieira, David Gueiros. O PROTESTANTISMO, A MAÇONARIA E A QUESTÃO RELIGIOSA. Brasília, Editora UNB, 1980.

Walker, Williston. HISTORIA DA IGREJA CRISTÃ. Rio de Janeiro, JUERP/ASTE, 1980.

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Notícias da AELB

Recital de Música Sacra na Igreja da Candelária

14/09/2018 13:37
A Academia Evangélica de Letras do Brasil – AELB,   Vem convidar V.Exa. e sua digníssima...

Publicada a "Carta de Notícias" do mês

05/04/2018 19:16
Clique aqui e se informe.

Itens: 1 - 2 de 38

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>