Construir na areia ou na Rocha?

12/06/2015 14:38

CONSTRUIR NA AREIA OU NA ROCHA?

Mateus 7. 24 - 27

(Aprendendo Valores Familiares com a história de uma construção

           

Há exatos 8 anos, quando todos já se preparavam para as festas do final de ano, a imprensa de todo o país, rádio, TVs e jornais, noticiaram com intensidade uma tragédia: um prédio de grande porte, situado num dos bairros mais elegantes da zona sul da cidade do Rio de Janeiro desabou parcialmente, isto é, todas as varandas desabaram como peças de um dominó, de cima para baixo, em alguns segundos. E as centenas de famílias que habitavam naquele prédio recém-construido, tiveram que deixar suas casas e se abrigar em casas de parentes ou amigos. Todo edifício ficou com enormes rachaduras em suas paredes foi condenado;  as pessoas moradoras de lá não puderam voltar mais para casa...  Perderam tudo o que tinham! E três, dentre os seus moradores morreram na tragédia.

 

Os órgãos públicos (CREA, Associação de Engenheiros, Perícia Técnica) que vistoriaram, descobriram uma outra face da tragédia: havia infiltrações nas colunas de sustentação, que ficaram abaladas e o prédio apresentou uma leve inclinação. E então tiveram que tomar uma decisão: implodi-lo com urgência pois havia risco de queda sobre os edifícios laterais.

 

A implosão foi decidida pela justiça e em poucos segundos aquele gigante se tornou pó, vindo ao chão. Aí, deu-se uma outra descoberta e, segundo especialistas, a causa principal: a matéria prima utilizada para fazer a argamassa para cobrir as paredes, eram feitas de areia da praia, com uma mistura pequena de cimento de péssima qualidade. E o pior: quando retiraram todos os escombros, veio a descoberta mais trágica: o terreno onde fora construído era arenoso e as vigas de sustentação não haviam penetrado o suficiente no solo para dar estabilidade, sustentação e segurança à construção. A ganância de lucrar muito com a construção, utilizando-se material de péssima qualidade associado a um terreno sem estabilidade, gerou uma tragédia que envolveu poucas mortes, mas centenas de pessoas perderam suas casas...

 

E então vieram os questionamentos: será que os construtores não calcularam que essa combinação de areia para paredes e colunas e a construção em terreno arenoso não dava segurança para a construção de um gigantesco prédio?

 

Por que não o interditaram durante a construção?  Será que acreditavam que construir com areia e sobre areia traria resultados positivos?

 

Quais as lições desse atual episódio?  O que aprender com essa queda?

 

 “Aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um casal prudente que edificou a sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, sopraram os ventos e investiram contra aquela casa; ela, porém, não caiu, porque estava edificada sobre a roca. Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as põe em prática é semelhante a um casal insensato, que construiu sua casa na areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, soprara os ventos e investiram contra aquela; ela caiu e grande foi a sua ruína”. (Mat. 7:24-27)

 

Esse texto é o encerramento, com chave de ouro, do sermão sobre a felicidade. E aqui, Jesus está fazendo duas grandes advertências: aqueles que edificassem a vida e a família sobre a Rocha, suportariam todas as tempestades do tempo e da vida. Mas aqueles que edificassem a casa – vida e família – sobre a areia, não subsistiriam ao menor vento, tendo que administrar tragédias constantes.

 

Do ponto de vista da engenharia e arquitetura, terrenos arenosos não oferecem qualquer estabilidade para uma construção. Não há como combinar areia de péssima qualidade com cimento e é duvidosa a firmeza de uma coluna de sustentação sobre um terreno arenoso.

 

CARACTERÍSTICAS DE UMA CASA CONSTRUIDA NA AREIA

 

1. Não tem segurança

2. Não oferece proteção

3. Não apresenta estrutura confiável

4. Não tem durabilidade

5. Não tem base de sustentação

6. Não tem resistência contra as ameaças

7. Em si, é a própria ameaça

 

CARACTERISTICAS DE UMA CASA CONSTRUIDA SOBRE A ROCHA

 

É segura, confiável e oferece abrigo constante

É um local resistente e oferece proteção permanente

É constituída de sólido material e, por isto, sua estrutura e firme

É durável por tempo indeterminado, suportando as agressões

É feita de colunas firmes, bem fundadas no solo

É resistente, durável, suportando todas as adversidades

Em si, é o refúgio permanente, oferecendo segurança total e contínua.

 

O texto escrito por Mateus, reproduzindo o discurso mais conhecido de Jesus. É simbológico, claro e bem focado na família. Jesus está mostrando o quanto ela está exposta e fragilizada e como ela pode ser protegida e abençoada

 

Ao citar três ameaças para a casa – chuva, ventos e enxurradas – Jesus está mostrando que a família será atacada por todos os lados e todos os ângulos possíveis e imagináveis. A chuva vem de cima; o vento vem de lado e a enxurrada vem por baixo. Não existe nenhuma área previamente protegida.

 

O segredo da felicidade familiar é superar os problemas, cada um fazendo a sua parte, da melhor maneira possível. A felicidade não acontece de uma hora para outra: é um projeto a ser construído dia após dia. Construir a casa sobre a rocha significa construir a vida sobre sólidos fundamento0s.

 

CONSTRUÇÃO DE CASAS NO BRASIL E NA EUROPA

 

No Brasil, pelas características de clima tropical, é muito fácil construir uma casa. Com uma parede de madeira, ou até de papelão, e uma cobertura de lona ou sapê, é possível suportar as diferenças climáticas de nosso país.  No interior, existem casas seculares feitas de pau-a-pique e recobertas de barro, pintadas com tabatinga. Imagine uma casa assim em países que precisam suportar a neve ou os vendavais e furacões...

 

Pense numa casa de papelão, coberta de sapê, na Alemanha ou na Suíça, onde a temperatura chega a uns trinta graus abaixo de zero!  Imagine um metro e meio de neve sobre um telhado de madeira ou de eternit. Além do material resistente, o telhado das casas nesses países precisa de uma acentuada inclinação, para que a neve possa escorrer e não se concentrar. O que se gasta para fazer um telhado na Alemanha, aqui no Brasil nós fazemos três casas  de excelente qualidade.

 

Existem, na Alemanha, por exemplo, universidades que ensinam a construir janelas. Aqui no Brasil, janela é somente pôr uma tábua, ou um compensado com uma tramela que fecha ou veda e pronto!  Lá, as janelas precisam enfrentar ventos de até cento e cinqüenta quilômetros por hora, gelo, neve e tempestades!  No Japão, por exemplo, por causa dos terremoto, para se fazer um prédio de 10 andares, constrói-se praticamente o mesmo tanto de andares para baixo da terra, colocando-se ferros para impedir que a construir seja destruída. Por aqui, faz-se uma casa de qualquer maneira e ela dura muito! Tanto é assim que há favelas, e as pessoas não morrem por isso. Imagine uma favela na Alemanha, Suíça, Estados Unidos, Dinamarca na época do inverno!  Não ficaria uma pessoa viva, porque congelariam todos. Até nisso nós somos privilegiados!

 

A FAMÍLIA É A NOSSA CASA ESPIRITUAL

 

Mas essa facilidade de construir uma casa pelo clima favorável nos leva a pensar que a casa espiritual também pode ser construída com facilidade. E por isso hoje muitas famílias estão perecendo.  No texto, Jesus não está trabalhando de pedreiro, nem sendo engenheiro civil, ensinando a construir casas, e isso porque quando a Bíblia fala em casa não fala só do prédio, mas da família e daqueles que vivem na casa.

 

A casa é a minha família!  Mas onde ela está construída, edificada?  Está firmada sobre fundamentos sólidos?  Por que os problemas virão, mesmo que você tenha consagrado sua vida à Cristo e mesmo que tenha dedicado seus filhos à Jesus e sua Causa. Mas aquele que está em Cristo, mesmo quando passa por essas provações, permanece firme.

 

O que aconteceu com a casa, segundo a Palavra de Jesus? 

 

Primeiro, caiu a chuva.

De onde?  de cima.  Quando pensamos em chuva, pensamos no alto. Vamos transpor isto para o mundo espiritual. A sua família vai sofrer as conseqüências das saraivadas de ventos espirituais que virão do alto. Paulo chamou isto de “hostes espirituais da maldade”. Onde ficam as antenas de televisão?  Onde ficam os satélites? Onde ficam as redes de transmissão da internete? No chão?  Não! Em cima da casa e elas recebem chuvas e mais chuvas de informações deturpadas e degeneradas. Ah! Nossa velha e criativa televisão... Ah! Nossa internet... Ah! Nossos celulares! Os programas de tv estão cheios de malícia e as maldades não estão faltando nos programas de auditório e nas famigeradas novelas (leia nos jornais, a sinopse de cada uma delas);  as músicas, todas regidas por uma sexualidade barata e provocante, ausência de amor, instigação para práticas de obscenidades... A internet por sua vez é acessada para satisfazer uma sexualidade barata e banalizada. O erotismo toma conta dos relacionamentos.

 

De cima ainda, vem as tentações de todos os tipos para que você abandone a fé, entre em esquemas duvidosos, as insinuações, a maldade, os maus pensamentos, o ódio, o rancor, as mágoas, os ressentimentos, as doenças emocionais..

 

Segundo, vieram as enchentes, por baixo.

Isto nos lembra a base, a firmeza e o suporte. Onde a sua família está ficando suas bases?  O que os membros da sua família estão lendo? Qual a base de sua sustentação ética, moral, material e espiritual?  Há estímulo para que os membros leiam a Bíblia?  Não imposição, mas orientação! 

 

Enchentes também lembram o transbordamento de algo que estava represado... E porque as enchentes acontecem?  Porque a sustentação era frágil. Infelizmente, o nosso sustentáculo – a Palavra de Deus – está sendo varrida da vida da maioria das famílias e aí, não tem jeito, vão transbordar os maus hábitos, os vícios, as agressões físicas e verbais, a falta de afeto, os maus-tratos e a falta de alegria dentro de casa. Há transbordamento, enchentes, não de graça, amor e valor, mas de tristezas, decepções, violências e total ausência de bondade;

 

Terceiro, sopraram os ventos, dos lados.

Os lados lembram paredes. E o que significam as paredes em nossa casa e família? Lembram a estrutura, formatação, composição da casa para agüentar as ondas de vento, calor e frio.  São as paredes que definem a estética da casa! Paredes lembram equilíbrio, beleza, sustentação. É nas paredes que colocamos aquilo que adquirimos e achamos que deve ser apresentado... Os ventos significam que as paredes da casa vão sofrer muito. Cada membro de sua família tem uma parede, a sua aparência. E como os seus filhos estão enfrentando a onda dos ventos? Como vocês os tem orientado sobre o vento do corpo que está sendo banalizado? (a Bíblia chama o corpo de  templo do Espírito Santo)... É lamentável olharmos para a cabeça de alguns jovens e vermos seus cabelos cortados à semelhança dos moicanos (“É, mas são atletas vitoriosos... Mas e os envolvimentos com travestis, prostitutas, negócios ilícitos e bebedeiras?)  Algumas cabeças tem aqueles traços dos piores traficantes. Jovens, moças e mulheres, estão tornando seus corpos alvos fáceis de estilistas que exigem que “corpo é para se mostrar”. E quando se sentam ficam tentando puxar as blusas para baixo ou subis o cós das calças porque ficam à mostra aquilo que elas poderiam preservar... E as blusas sensuais e transparentes? E os brincos na orelhas de nossos garotos... Imitando a quem? Qual o vento que os afetou?

 

Satanás não é bobo e estuda cada um de nossos gestos, atitudes e comportamentos de todos os ângulos e vai tentar entrar em qualquer brecha que deixarmos; por isso mesmo, precisamos estar preparados. Daí a necessidade da seriedade nas coisas de Deus. Sabemos muito bem que ficamos com os músculos fortes fazendo exercícios. O homem que trabalha na roça pega uma brasa na mão e não se queima porque tem grande calos e pele resistente. Precisamos estar treinados nas coisas de Deus, espiritualmente firmes. Mas nós queremos as coisas rápidas e mágicas.

 

A mais importante rocha sobre a qual a família precisa ser construída é em Jesus Cristo e seus ensinos maravilhosos!

 

Mas o amor não pode ser confundido com liberdade para se fazer aquilo que se quer. Uma outra rocha, segura, necessária para a família atualmente são os limites dentro e fora de casa.

 

Sobre essa Rocha é preciso fortalecer a base maior para a vida familiar: a presença de Deus dentro do lar. Deus é o único essencial que não pode faltar na vida de nenhuma família. Mas não podemos ficar na idéia errada de um Deus que resolve todos os problemas. O Deus ensinado pela religiões utilitárias, seitas criadas para atender as necessidades das pessoas, é aquele que resolve tudo, um deus-facilitador, deus-tapa-buracos, deus-a-seu-dispor, deus-descartável, que funciona assim: se ele não me atende, eu me afasto dessa religião, igreja, seita, etc, e vou atrás de uma que seja mais fácil, onde Deus não seja tão exigente e complicado. Se é para se esforçar, então, qual a vantagem de se praticar uma religião?  O que eu ganho com isso?

 

A religião precisa ser uma força que impulsiona a família para o cultivo e a produção do seu melhor. Deus não pode ser aquilo que eu acho que é ou aquele que vai resolver todos os meus problemas. Deus não pode substituir o ser humano naquilo que é missão humana. Deus é nosso parceiro, não substituto. Deus não é dublê.

 

FAMÍLIA, UMA ESCOLA DE FÉ

 

A família precisar ser uma escola de fé. A oração familiar é uma grande rocha para se suportar as intempéries da vida e da história. A oração familiar é uma forma de desenvolver a fé, praticar a palavra e investir naquele que é Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Orar em família, além de aquecer a vida espiritual, faz uma enorme diferença nos dias difíceis. Quando uma família está unida orando, saberá enfrentar as chuvas, as enxurradas e todas as ventanias que vão surgindo ao longo da vida. Quando se ora, além de superar os problemas, a família cresce e se fortalece. Quando se tem Deus, se aprende a transcender, a superar as dificuldades,  passando por cima, restaurando.

 

A restauração da família é uma obra constante e contínua. Cada dia damos um passo. Não é algo mágico. É uma longa caminhada. E uma longa caminhada se faz com pequenos passos, na firmeza, na renúncia, no sacrifício, na luta, nos desafios. Mas para isso tem de ter um fundamento que nos segura: a Rocha eterna, Jesus Cristo.

 

Precisamos colocar a nossa vida e a vida da nossa família nas mãos de Deus e no Altar do  Senhor.

Para pensar e agir

 

As muitas dificuldades que nos aconteceram, tais como desemprego, separações, brigas, desentendimento, vieram porque edificamos a nossa casa em cima da areia;

 

Os muitos temores, rancores, raiva, aconteceram porque fomos pelo caminho mais fácil que não exigiam sacrifícios, mas aquele caminho que nos conduzia ao compromisso, confronto com a Palavra e submissão, nós abandonamos e as nossas bases foram abaladas;

 

Para construirmos nossa casa sobre a rocha, precisamos nos despir do velho homem/mulher que somos, vivendo de aparências. Precisamos nos revestir do novo e o Senhor quer nos restaurar continuamente para que sejamos parecidos com sua própria imagem.

 

O Senhor quer restaurar as nossas áreas quebradas, espalhadas, feridas, machucadas do nosso coração e vida. E muitas vezes o que aconteceu com Sodoma e Gomorra parece está acontecendo também em nossas casas e tantas vezes vemos a destruição bem perto de nós... E em vez de assumirmos a nossa culpa, tentamos culpar pessoas

 

Para uma construção segura, na Rocha, é preciso deixar o Espírito Santo de Deus mudar a nossa vida e caráter, permitindo uma restauração e transformação permanentes.

 

Recomeçar de novo, mas do jeito certo: com Jesus Cristo!

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Notícias da AELB

Recital de Música Sacra na Igreja da Candelária

14/09/2018 13:37
A Academia Evangélica de Letras do Brasil – AELB,   Vem convidar V.Exa. e sua digníssima...

Publicada a "Carta de Notícias" do mês

05/04/2018 19:16
Clique aqui e se informe.

Itens: 1 - 2 de 38

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>