E se não tivesse chovido?

12/06/2015 14:39

E SE NÃO TIVESSE CHOVIDO?

Aprendendo confiança plena em Deus com a História de Noé

 

 

O mundo nunca foi um lugar bom para se viver pois a partir do momento em que nascemos, somos inseridos num contexto genuinamente comprometido pelo egoísmo, arrogância, prepotência, perversões, abandonos e negativismo. Um pesquisador norte-americano, Dr. Shadd Hellmestetter, fez uma interessante pesquisa sobre comportamentos humanos. Ele pretendia desenvolver estudos sobre a origem do negativismo,  – doença que afeta a emoção e a inteligência - e é inerente ao ser humano,  sempre presente em pessoas de todas as idades, culturas e nacionalidades. Em sua pesquisa, relacionou famílias cristãs e não cristãs que tinham filhos entre 1 e 10 anos de idade, de todas as classes sociais e distribuiu um questionário com algumas perguntas-padrões: “quanto tempo voce passa com seus filhos?”, “Quantas horas seu filho(a) fica acordado em casa?”, “Quanto tempo ele passa na escola?”, “Qual o tempo diário de assistir televisão?”, “Quanto tempo você conversa com seu filho ao longo do dia, pessoalmente ou por telefone?” “Quantos ‘nãos’ o seu filho ouve por hora?”, etc.

 

Quando as respostas dos formulários chegaram ele começou a analisar as respostas. Em média, as crianças ficavam acordadas entre 10 e 14 horas/dia; viam televisão de 4 a 6 horas/dia; ficavam na escola de 4 a 7 horas/dia. E particularmente ficou impressionado com o número de ‘nãos’, ouvidos pelas crianças: em média, 3 ‘nãos’ por hora (oriundos dos pais, professores, guardas de trânsito, porteiros de prédios, etc). Segundo o especialista, há uma grave implicação disso para a formação do caráter, equilíbrio emocional e o desenvolvimento social e intelectual. Então fez os cálculos e publicou em um de seus livros, “Sim ou não?”, alertando para o perigo de generalizar o não: se uma criança ouve 3 nãos/hora, recebe ao final de um dia, aproximadamente 30 nãos, por semana, 210; em um mês, 840; em um ano, 10.080; e em dez anos, aproximadamente 110.000 nãos!

 

O mundo, portanto nunca será um lugar feliz por causa do negativismo, da prevaricação e do erro por causa do pecado, esse câncer e doença espiritual, que corrói silenciosamente o caráter, o pensamento, os sentimentos e os comportamentos.

 

O mundo, no tempo de Noé, não era tão diferente do nosso. Talvez, a menor população e os meios de comunicação dificultassem o conhecimento dos erros e da rebeldia contra Deus. Mas que o mundo era mau, isso era!

 

Para entender melhor as implicações da vida de Noé no nosso tempo, quero registrar uma parábola.

 

Um pai estava sentado na sala lendo na sua Bíblia a fantástica história descrita no livro de em quando o seu filho adolescente veio e se sentou ao seu lado. O pai continuava em silêncio anotando alguns tópicos dessa intrigante história. Somente depois de um certo tempo é que percebeu a concentração  do rapaz na leitura.

 

O garoto, em um determinado momento perguntou:

- Pai, esse Noé era louco, tinha problemas ou era um sensacionalista?

 

O pai, notando o seu interesse por aquele personagem bíblico, explicou-lhe de forma paciente e didática:

 

-  Ah, meu filho, ele viveu numa época predominantemente corrupta em que pessoas haviam se tornado depravadas de um modo universal. E assim Deus determinou a destruição da raça humana... Foi em meio a esta escuridão moral que a vida de Noé brilhou mostrando a  justiça que fez a diferença, mesmo vivendo no meio de uma sociedade corrupta, má e desobediente. Ele tinha uma missão, pois devido a maldade existente na terra, Deus havia lhe revelado que enviaria um grande dilúvio para exterminar da face da terra toda raça humana, sem deixar sementes. E, realmente, Deus deu a Noé uma tarefa estranha e quase impossível: construir um imenso barco para preservar sua própria família e certas espécies do Reino animal. O ambiente onde ele vivia era idêntico ao de hoje:  incrédulidade, zombaria  e deboche. Por onde ele passava era motivo de chacota por todos e diziam até mesmo que ele era louco. Mas isto não fez a sua fé ficar abalada e nem declinou de seu propósito de ser vir a Deus.

 

- Mas, pai, se não havia chuva, como ele podia acreditar que navegaria em um barco tão grande?

 

O pai entendeu que poderia implantar alguns valores bíblicos na vida daquele jovem e a oportunidade era única.

 

- Filho, Noé levou a sério a sua conversa com Deus assim como a missão que lhe havia sido imputada além do tempo para realizá-la. Por isto mesmo continuou o seu trabalho, ano após ano, mesmo diante de uma terra seca e a falta grave de chuva na região... Considerando o meio-ambiente e a grandiosidade de sua obra, para a qual fora chamado e tantos anos de trabalho árduo, Noé apresentou-se como insuperável, inigualável, entre todos os personagens bíblicos com fé persistente, descrito no livro de Hebreus. Ele trabalhou duro, enfrentando oposições e a própria tirania do tempo seco. Mas a arca ficou pronta!

 

- Pai, se Noé não era cientista, como ele pode selecionar todos aqueles bichos?

 

Mais uma vez, o pai, muito atencioso, resolveu que esclareceria todas as dúvidas e assim poderia levá-lo a uma reflexão bíblica, já que ele estava tão interessado.

 

- Filho, Deus deu-lhe discernimento e conhecimento suficientes para cumprir aquela missão e o seu  próximo passo era colocar animais de todos os tipos no seio do grande barco. E os animais foram entrando, par a par e por fim, Noé e toda a sua família entrou na arca e foi o próprio Deus que se encarregou de fechá-la por fora e à partir de então as chuvas fortes vieram e permaneceram por 40 dias e 40 noites. A sua missão estava cumprida: ele salvara vidas! Por fim, a arca pousou em um lugar alto, o monte Ararat e todos saíram sãos e salvos da arca. E assim Deus fez uma aliança com Noé, em forma de um arco-íris nas nuvens, afirmando assim que estaria fazendo um novo acordo, um novo pacto com os seres humanos de que não mais destruiria o mundo com água. E como é bom lembrar a presença deste Deus que sempre ajudou seus filhos quer na caminhada pelo deserto ou na travessia do mar, quer conduzindo uma arca repleta de vidas. Ele não abandona seus filhos, mas protege-os e ampara-os sempre.

 

Mas o rapaz ainda não estava satisfeito com a história. Foi para a mesa e começou a fazer algumas anotações. E como estava muito concentrado, aquele pai se aproximou entendendo que poderia contextualizar aquela interessante história aplicá-la ao dia-a-dia do jovem, e disse:

 

- A primeira lição que podemos aprender do episódio é que precisamos planejar bem o futuro...

Filho, A maioria das pessoas de todas as idades,  não sabe antecipar resultados porque não possuem projetos, nem metas e,  muito menos, sonhos. Por isso, encontramos em nosso meio tanta gente confusa, medrosa. doente, ansiosa, debilitada e enfraquecida psíquica e emocionalmente. A razão de tudo isto é que elas não sabem para onde estão indo e assim não geram resultados porque não tem uma direção e objetivos bem definidos. Famílias, empresas e pessoas devem planejar  bem o seu futuro e para isto precisam de um esforço extra para criar estradas...

 

E só para lembrar, filho, não estava chovendo quando Noé construiu a sua arca!

 

- A segunda lição, é que precisamos manter  a forma física!

Filho, nós cometemos muitos erros ao longo da nossa existência. Um desses é o relaxamento quanto à saúde e isto não envolve somente o físico, mas também o emocional, psíquico e espiritual. Precisamos, com urgência, estarmos livres de alguns venenos: comidas que nos afetam, programas que nos contaminam, hábitos que destroem e atitudes que nos adoecem. Alguns cristãos contemporâneos,  passam tanto tempo diante da tv, vídeos, jogos na internet, sites de relacionamentos, músicas fúteis que não se dão conta do empobrecimento gradual. E, como resultado, apenas adquirem aquilo que os autores de novelas, filmes e reportagens  mais desejam: implantar informações fúteis e comportamentos deploráveis. E, como tudo começa no cérebro, os pés começam a serem guiados para caminhos estranhos e deploráveis...

 

Só para lembrar, filho, quando você estiver com os 90 anos de Noé e alguém lhe pedir para fazer algo grandioso, tenha muita saúde e diga com plenos pulmões: “Posso começar agora?”. E mais: Com toda aquela idade ele trabalhou duro, dia-a-dia, sol a sol, até que construiu seu imenso barco!

 

- A terceira lição, é: não dê ouvidos à criticas!

 

Quando tiver que desenvolver um trabalho, planeje, marque uma data e comece a realizá-lo. Com certeza você irá ouvir coisas do tipo: “Por que está tão preocupado com tudo isto?”ou “Você não acha que já trabalha demais?” ou ainda “Coitado, passa tanto tempo fazendo coisas que nem tem tempo para ver tv...”: . É só lembrar quie até de maluco chamaram Noé!  Não chovia fazia tempo, mas todos os dias estava lá o teimoso e  persistente  visionário, batendo seu preguinho... Até que choveu e então eles entenderam a diferença! Então, faça tudo o que precisa ser feito e, de preferência, já!  Deixe os críticos de lado – Eles também passam!

 

Só para lembrar, filho, os críticos criticam Noé enquanto havia seca na terra. Depois. Choveu e choveu muito! E onde ficaram os críticos? Com certeza eles não estavam dentro da arca!

 

- A quarta lição é: construa o seu futuro em terreno alto.

Na vida nós precisamos de visões grandiosas e metas desafiadoras. Todos aqules sonhos pequenos e simples, já foram realizados, lembra? Mas então precisamos aspirar coisas grandiosas e altas aspirações. Quando temos uma meta longínqua. É justo aspirarmos aquilo que é melhor e recompensador, coisas nobres, enriquecedoras, consistentes e modificadoras. E, para isto, precisamos investir em qualidade de tempo, educação sólida, ricas informações, vida cristã produtiva e isto só acontecerá se pousarmos em lugares altos. Quando estamos em lugares altos, a visão é muito maior!

 

Meu filho, cuidado com quem mora muito baixo! Pessoas que tem comportamentos de rodapé, não conseguem ver além da ponta do nariz e podem colocar seus projetos no chão... Seus argumentos são muito poderosos e influenciadores. Cuidado, mas muito cuidado mesmo com quem mora muito baixo: eles podem derrubar a sua casa!

 

Só para lembrar, filho, depois de todo o temporal, a arca pouco no alto de uma montanha segura, firme e sólida e não numa praia ou terreno arenoso. A partir dali ele construiu o seu futuro!

 

A quinta lição é: Por segurança, viaje em pares!

A todo instante nós precisamos lembrar que a vida é uma gostosa viagem só de ida. O problema é que algumas pessoas viajam sozinhas e isoladas. Acabar com essa idéia de isolamento é uma atitude sábia. Viva em grupo, nunca sozinho. E foi o próprio Deus que nos advertiu em Sua Palavra: “Amai-vos cordialmente uns aos outros...”e “Ajudem uns aos outros, orem uns pelos outros...”e mais: “Façamos o bem a todos...”. Desenvolver parcerias é algo bem inteligente: foi assim que Cristo iniciou o seu glorioso Ministério.

Os melhores segredos, confie aos seus; faça mais amigos em casa do que fora dela. Saiba que os nossos familiares serão sempre nossos!  Os estranhos serão sempre estranhos!

 

Só para lembrar, filho, na arca de Noé, entraram pessoas e animais, sempre dois a dois e a fantástica viagem foi aos pares...

 

A sexta lição é: Velocidade nem sempre é vantagem!

A  sociedade em que vivemos é exigente e cobra rapidez em tudo aquilo que fazemos. Quase sempre estamos ouvindo: “corra mais, produza mais, administre mais o seu tempo, faça mais ações, faça acontecer...”. Então, eu e você precisamos perguntar: “Por que tanta pressa?”ou “Para que essa correria  sem fim?”ou ainda “Por que desenvolver essa ansiedade consumidora? É bom saber que stress é produto do desequilíbrio ameaçador. E enquanto corremos, coisas lindas, bonitas deixam de ser notadas e admiradas. E a pressa sempre foi inimiga da perfeição.

Só para lembrar, filho, os caramujos estavam à bordo com os leopardos... E eles chegaram juntinhos!

 

A sétima e última: prepare-se para a tempestade que chegará a qualquer momento!

Em tudo, isto filho, há um fato que nos  acalenta e acalma: quando desfrutamos da presença do Senhor, nunca ficaremos de fora da arca, nunca perderemos o barco, e aprenderemos a flutuar baseados nas promessas do Senhor, crendo em Sua Palavra que nos garante um arco irisa após do tempo ruim.   E enquanto havia tempestade  lá fora, dentro de Noé havia o Sol da Palavra do Senhor. E se a vida é uma viagem, viajar com Deus à bordo é muito melhor porque a viagem será segura e feliz, o destino é certo e haverá farto suprimento para todas as necessidades.

 

Só para lembrar, filho, Noé teve a preocupação de colocar  toda a sua família no barco para aquela viagem importante e única, mas havia uma voz a lhe falar: “Contem comigo, eu os amo, Eu Sou o Deus que vos solvou e vou conduzi-los a um lugar seguro!”

 

Depois de todas as lições apresentadas, o garoto  para seu pai e perguntou preocupado:

 

- E se não tivesse chovido?

 

O pai, o abraça e diz ternamente, mantendo a Bíblia aberta, lê com voz enfática e feliz:

 

“Deus não é homem para que minta e nem filho de homem para que se arrependa. Porventura diria Ele e não o faria? Ou falaria e não o confirmaria?” Num. 23:19

 

Filho, Deus prometeu que iria chover 40 dias e choveu 40 dias! Ele é fiel à Sua Palavra!

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Notícias da AELB

Publicada a "Carta de Notícias" do mês

08/11/2018 19:16
Clique aqui e se informe.

Recital de Música Sacra na Igreja da Candelária

14/09/2018 13:37
A Academia Evangélica de Letras do Brasil – AELB,   Vem convidar V.Exa. e sua digníssima...

Itens: 1 - 2 de 38

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>