Ocupante atual

Wagner Tadeu dos Santos Gaby

3º ocupante da Cadeira 29

 

*** Biografia pendente ***

 

2º ocupante da Cadeira 29

Amaury de Souza Jardim

 

AMAURY DE SOUZA JARDIM, natural de Vassouras, Estado do Rio, 08.12.1927, escreveu, entre outros, PRIMEIRO AS FLORES, OS CONGREGACIONALISTAS NO BRASIL, sem dados biográficos completos nos livros e sem qualquer outra informação ao alcance da pesquisa, via textos editados. Filho de pais não revelados em sua biografia. Após os estudos primários em sua terra natal, deslocou-se para outros centros, onde também estudou. Formou-se em Teologia. Tornou-se Pastor de várias Igrejas Congregacionais.
Recebeu a Medalha Pedro Ernesto em 03.08.1995, concedida pela Câmara do Rio de Janeiro. Membro do Conselho Fiscal da UIECB(União das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil). Reitor do Seminário Teológico Congregacional do Rio de Janeiro. Deão acadêmico do Seminário Teológico Betel (batista) e presidente da União das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (UIECB).
Foi o 10º Pastor da Igreja Evangélica Congregacional de Bento Ribeiro, no Rio. Em 1989 houve uma mudança significativa na direção do Seminário Teológico Congregacional do Rio de Janeiro. A 40ª Assembleia Geral, ocorrida em janeiro de 1989, elegeu o Rev. Amaury de Souza Jardim como Presidente da Denominação e ele mesmo assumiu a reitoria do Seminário. Presidente da União das Igrejas Evangélicas Congregacionais e Cristãs do Brasil (UIECCB). 1989-1991.
Em 14.12.2002, foi Patrono da turma de formandos do Seminário Teológico Congregacional do Rio de Janeiro. Em março de 2007, fez o devocional na 49ª Assembleia da UIecb(União das Igrejas evangélicas Congregacionais do Brasil).
Na Academia Evangélica de Letras do Brasil é o 2º Ocupante da Cadeira 29 que tem como Patrono e 1º Ocupante Laudelino de Oliveira Lima Filho.
Em 2000, foi Presidente da Academia Evangélica.
Apesar de sua importância, não é estudado na ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA, de Afrânio Coutinho e J. Galante, edição do MEC, 1990, com revisão de Graça Coutinho e Rita Moutinho, em 2001 e não é citado no DICIONÁRIO HISTÓRICO-BIOGRÁFICO BRASILEIRO(2001, 5 volumes, 6.211 páginas), da Fundação Getúlio Vargas e nem é convenientemente referido, em nenhuma das enciclopédias nacionais, Delta, Barsa, Larousse, Mirador, Abril, Koogan/Houaiss, Larousse Cultural, etc.
É verbete do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL, de Mário Ribeiro Martins, via INTERNET, dentro de ENSAIO, no site www.usinadeletras.com.br ou www.mariomartins.com.br
 

Patrono

Laudelino de Oliveira Lima Filho

1º ocupante da Cadeira 29

 

LAUDELINO DE OLIVEIRA LIMA FILHO, natural de São Carlos, Estado de São Paulo, 11.07.1895, escreveu, entre outros, AOS CATÓLICOS ROMANOS SINCEROS, DA LUZ ÀS TREVAS, OS AVÓS E OS NETOS, PRINCIPIOS DE PSICOLOGIA APLICADA À VIDA CRISTÃ, sem dados biográficos completos nos livros e sem qualquer outra informação ao alcance da pesquisa, via textos editados. Filho de pais não revelados em sua biografia. Após os estudos primários em sua terra natal, deslocou-se para outros centros, onde também estudou.
Formou-se Engenheiro Civil. Cursou Teologia e foi ordenado Ministro Evangélico Presbiteriano, na Igreja Presbiteriana do Riachuelo, no Rio de Janeiro, em 1931, com 36 anos de idade. Fez curso de higiene mental. Casou-se com Else Mary Wendel Lima, com quem teve 11(onze) filhos.
Tornou-se Engenheiro da Companhia Telefônica Brasileira. Membro da Liga Brasileira de Higiene Mental.
Foi Professor de Educação Religiosa e Psicologia do Seminário Teológico Betel, no Rio de Janeiro. Capelão Evangélico do Hospital de Doentes Mentais do Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro. Capelão do orfanato presbiteriano. Professor de Psicologia do Instituto de Treinamento Cristão para Moças.
Na Academia Evangélica de Letras do Brasil é o 1º Ocupante da Cadeira 29 que tem como Patrono ele mesmo Laudelino de Oliveira Lima Filho. Esta Cadeira 29 tem como 2º Ocupante Amaury Souza Jardim.
Não é analisado na ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA, de Afrânio Coutinho e J. Galante, edição do MEC, 1990, com revisão de Graça Coutinho e Rita Moutinho, em 2001.
Apesar de sua importância, não é estudado no DICIONÁRIO HISTÓRICO-BIOGRÁFICO BRASILEIRO(2001, 5 volumes, 6.211 páginas), da Fundação Getúlio Vargas, mas é convenientemente referido, em todas as enciclopédias nacionais, Delta, Barsa, Larousse, Mirador, Abril, Koogan/Houaiss, Larousse Cultural, etc.
É verbete do DICIONÁRIO BIOBIBLIOGRÁFICO REGIONAL DO BRASIL, de Mário Ribeiro Martins, via INTERNET, dentro de ENSAIO, no site www.usinadeletras.com.br ou www.mariomartins.com.br
 

 

 

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Notícias da AELB

Recital de Música Sacra na Igreja da Candelária

14/09/2018 13:37
A Academia Evangélica de Letras do Brasil – AELB,   Vem convidar V.Exa. e sua digníssima...

Publicada a "Carta de Notícias" do mês

05/04/2018 19:16
Clique aqui e se informe.

Itens: 1 - 2 de 38

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>