Buscar
  • AELB

"Bem-aventurados os pobres de espírito..."


Pr. Daniel Aguiar (Correspondente)


O evangelista Mateus narra com maestria os ensinamentos de Jesus Cristo. De modo didático, o escritor do primeiro Evangelho narra a parte inicial do sermão do Filho de Deus, conhecido como o Sermão da Montanha (ou do monte), que abrange os capítulos 5 – 7, cuja parte inicial é denominada de "Bem-aventuranças" ou "Beatitudes" (cap. 5.1-12).

Neste contexto, Cristo orienta a conduta dos seus servos contrapondo o sistema vigente e sua época. Tais orientações visavam fazer com que os homens agradassem a Deus em seu modo de viver.

Ao se deparar com a multidão reunida, o Mestre se encontrava diante do momento ideal para iniciar a sua pregação e, em todos os tópicos abordados nesse sermão, Ele sempre inicia com a frase: “Bem-aventurado”.

Tal termo tem origem no grego makariosque significa feliz. Segundo o historiador Homero, tal expressão fala sobre os felizardos. Compreendemos por este contexto que ao iniciar tais versículos com a expressão "Bem-aventurados"Cristo estava dizendo: “Felizardos sejam”.

A primeira parte abordada pelo Messias em sua preleção é dirigida não à elite da sociedade do primeiro século da era Cristã, mas a uma classe que Ele denomina como "pobres de espírito".

Esta frase tem sido muito mal interpretada ao longo dos anos pela famosa eugesese (termo popular que significa interpretação livre e pessoal), mas vamos compreendê-la diretamente à luz da linguagem bíblica neotestamentária.

Vale salientar que no hebraico, língua em que foi escrito o Antigo Testamento, pobre não era aquele indivíduo sem privilégios econômicos, mas os que necessitavam e buscavam o auxílio divino. Já no grego, língua original do Novo Testamento, tal palavra vem de ptochos, que significa grande pobreza, oriundo de rastejarou se ajoelhar, atos praticados comumente por pedintes, mendigos (Lucas 18.35; Atos 3.2,3).

Vale destacar também que o vocábulo "pobres" possui um complemento, “pobres de espírito”, o que demostra a riqueza da mensagem de Jesus, pois assim como pobre (na raiz do grego e hebraico) representa dependência total de outrem, “pobres de espírito” fala sobre aqueles que dependem exclusiva e totalmente de Deus, e recorrem a Ele em busca de socorro.

Compreende-se que “pobres de espírito”refere-se a um grupo seleto que reconhece que nada tem e conseguirá sem a contribuição divina. São os humildes, não os altivos. São aqueles que agem como o publicano e não como o fariseu da oração no templo (Lucas 18.10-14). Aqueles que, como o Apóstolo Paulo, reconhecem que são miseráveis em sua natureza pecaminosa (Romanos 7.24) ou como Davi, que não oculta o seu pecado, mas o reconhece e clama ao Senhor em busca de misericórdia (Salmo 51).

Tal ação aproxima Deus do homem:

“Porque está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.” (Salmo 34.18).

Tal ação faz com que Deus jamais se ausente de nós:

“Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.” (Salmo 51.17)

Que a cada dia possamos desenvolver a nossa contínua e completa dependência do Senhor. Reconhecermos que sem Ele nada somos e nada temos, pois a recompensa já foi declarada por Cristo:

“[...] deles é o reino dos céus”

17 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Mulher em Metamoforse

Sempre que comemoramos o Dia Internacional da Mulher, imagino-me a escultura mais bela, a própria Eva surgindo das Mãos do Criador, como um eterno poema: aquele que vem enfeitando o mundo pela vida in

Bíblia: o Livro da Redenção

Acad. José Ebenézer de Sousa Soares (Cad. 24) I. SAUDAÇÕES II. DEFINIÇÕES 1. Tema Proposto 2. O que significa redenção 3. Em que sentido a Bíblia é o Livro da Redenção? 4. A Bíblia como redenção do Cr

  • instagram-logo
  • YouTube Social  Icon
  • Spotify ícone social
  • SoundCloud ícone social
  • Twitter Social Icon

© 2019 por Wittenberg