Buscar
  • AELB

Precisamos instalar uma C.P.I.

Acad, Noélio Duarte (Cad. 13)



Vivemos numa época muito conturbada, politicamente falando. Desde que foi restaurada a nossa liberdade de expressão a todo instante vemos, tanto na impressa televisionada, falada ou escrita, quanto nas redes sociais, a publicação de denúncias no âmbito das Câmaras Municipais, Federais, Assembleias Estaduais e Senado Federal.

É alarmante o número de denúncias! Algumas com total fundamento; outras, sem qualquer fundamentação. Assim, os cidadãos procuram soluções para aquilo que os incomoda ou impede o desenvolvimento sócio-educacional de sua região.

E para averiguação dos fatos, nessas esferas políticas, foi criado um instrumento investigativo chamado CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apresentação de soluções, quer acusando ou isentando as pessoas envolvidas. E somente em ouvir a citação essa sigla (CPI), muitos políticos tremem.

Tramitam ou já tramitaram nas esferas municipal, estadual e federal, diversas CPIs relacionadas a imoralidade, corrupção e violência. Muitas ficaram conhecidas, como o impeachment dos ex-presidentes Collor de Mello e Dilma Rousseff, desvios de verbas de tribunais, CPI da verdade, CPI das ambulâncias... E atualmente há propostas para a abertura de mais algumas: Brumadinho, transposição das águas do S. Francisco, Petrobrás, BNDE... E a cada dia mais sugestões são apresentadas.

Com base nas informações da imprensa e analisando os noticiários, a sensação que nós, brasileiros, temos é que essas CPI são mais sensacionalistas do que resolutivas. Já que elas não têm poder de polícia, nem de justiça, são apenas reuniões políticas e geralmente tumultuadas. CPI não resolve, apenas aponta ou absolve culpados. Elas não podem resolver definitivamente as muitas denúncias e os muitos desmandes públicos.

Mas eu desejo propor que instalemos em nossas igrejas e instituições religiosas uma CPI que pode resolver os mais angustiantes problemas relacionados a corrução, violência e imoralidade – A CPI RESOLUTIVA: Cristo, Palavra, Igreja. Foi Jesus que a propôs para que tivéssemos a verdade e a liberdade: “E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará” (Jo. 8.32).CPI... Cristo, Palavra, Igreja.

CRISTO– Ele é a única solução de Deus para os problemas morais, espirituais, sociais e relacionais de toda a humanidade. Ele pode combater e destruir todo tipo de corrupção do gênero humano. Sim, o ser humano sempre tendeu para a prática do mal, pois todos somos pecadores.

O próprio Senhor Jesus declarou: “Porque é do coração que vem os maus pensamentos, os crimes de morte, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, as mentiras e as calúnias”. Para esses problemas só há uma solução: Cristo! E outra vez Jesus declarou: “Se o Filho do homem vos libertar, vocês serão de fato, livres!” (Jo. 8.36).

PALAVRA– Cristo é, de fato, a solução para os conflitos humanos e todas as pessoas precisam saber desta notícia para que creiam nEle. Mas somente poderão crer se ouvirem falar a seu respeito. Mais uma vez, Jesus esclarece: “Vocês estudam as Escrituras Sagradas porque pensam que vão encontrar nelas a vida eterna. E são elas mesmas que dão testemunho a meu favor” (Jo. 5.39).

A Palavra é o instrumento enviado por Deus para a transformação de todo aquele que crer. O Apóstolo Paulo assim a definiu: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que os filhos de Deus sejam perfeitos e perfeitamente habilitados para toda boa obra” (II Tim. 3, 16, 17).

A Palavra anunciada com a assistência do Espírito Santo, tem o efeito de convencer, como ocorreu em Éfeso (Atos 19). Sim, “... o Evangelho é o Poder de Deus para salvar todos os que creem...” ( Rom. 1.16).

IGREJA– Ora, se Cristo é a gloriosa solução, e se a Palavra fala a respeito dEle, é preciso que alguém anuncie isto a todas as pessoas, de todas as nações, em todas as línguas. Essa tarefa gloriosa não foi dada as anjos, mas foi entregue a Igreja e as seus membros em particular.

Jesus, no seu momento final com os seus amados apóstolos e discípulos, os exortou: “Vocês precisam ir pelo mundo inteiro anunciando o meu Evangelho a todas as pessoas” (Mc. 16.15). Assim, a primeira ação urgente da Igreja em Jerusalém foi anunciar a Jesus. Era essa a missão daquela Apostólica Igreja. O texto de Atos 13 narra isto com detalhes.

A tarefa de anunciar a Jesus é de competência exclusiva da Igreja. Nenhuma instituição está autorizada a fazer isto por ela. Não podemos nos eximir dessa responsabilidade como membros da Igreja do Senhor Jesus.

Infelizmente, nesses últimos tempos, as igrejas, em vez de se voltarem para fora de seus muros e dizer em alta voz que ”Só Jesus Salva”, estão se voltando para dentro e construindo catedrais imponentes e adquirindo patrimônios de alto valor. Enquanto isso, nações estão clamando: “Passa a Macedônia e ajuda-nos”. A este grito a igreja cristã atual responde dizendo: “Não temos recursos... Não podemos enviar missionários”. Triste realidade, dolorosa verdade.

Finalmente, com base em muitas notícias publicadas, sabemos que não há leis, nem decretos, nem resoluções que possam resolver os problemas causados pela violência, corrupção e imoralidade. Somente Jesus Cristo, revelado na Palavra e anunciado pela Igreja é a solução para todos os problemas da humanidade. E cada um de nós tem a grande responsabilidade de pregar e anunciar às nações que o sublime Filho de Deus salva, liberta, restaura, cura, perdoa e conduz à vida eterna.

É dessa CPI que precisamos... Já!

0 visualização
  • instagram-logo
  • YouTube Social  Icon
  • Spotify ícone social
  • SoundCloud ícone social
  • Twitter Social Icon

© 2019 por Wittenberg